Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Otite média (secretora)

(Otite média serosa)

Por

Richard T. Miyamoto

, MD, MS,

  • Arilla Spence DeVault Professor Emeritus and Past-Chairman, Department of Otolarynology - Head and Neck Surgery
  • Indiana University School of Medicine

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A OMS é uma efusão na orelha média resultante da resolução incompleta de OMA ou obstrução da tuba auditiva, sem infecção. Os sintomas incluem perda auditiva e sensação de plenitude ou pressão na orelha. O diagnóstico baseia-se na aparência da membrana timpânica e, às vezes, na timpanometria. A maioria dos casos se resolve em 2 a 3 semanas. Se não houver nenhuma melhora em 1 a 3 meses, indica-se alguma forma de miringotomia, geralmente com a inserção de um tubo de ventilação. Antibióticos e descongestionantes não são eficazes.

Normalmente, a orelha média é ventilada 3 a 4 vezes/min através da abertura tubária durante a deglutição e pelo oxigênio absorvido pelo sangue nos vasos da mucosa da orelha média. Se a permeabilidade da tuba auditiva está prejudicada, pressão negativa relativa se desenvolve dentro da orelha média, o que pode acarretar acúmulo de líquido. Esse líquido pode causar perda auditiva.

A OMS é uma sequela comum da OMA em crianças (muitas vezes identificado na avaliação rotineira da orelha) e pode persistir por semanas a meses. Em outros casos, obstrução tubária pode ser secundária aos processos inflamatórios na nasofaringe, às alergias, às adenoides hipertróficas ou outras agregações linfoides obstrutivas no toro da tuba auditiva e na fosseta de Rosenmüller, ou tumores benignos ou malignos. A secreção pode ser estéril ou (mais comumente) conter bactérias patogênicas, por vezes, como um biofilme, embora a inflamação não seja observada.

Sinais e sintomas

Os pacientes podem relatar sintomas, mas alguns (ou seus familiares) notam hipoacusia. Os pacientes podem experimentar sensação de pressão, plenitude ou estalos na orelha com a deglutição. Otalgia é rara.

Várias alterações possíveis na membrana timpânica incluem cor âmbar ou cinza, deslocamento do reflexo luminoso, retração leve a grave. Na insuflação de ar, a MT pode estar imóvel. Nível líquido ou bolhas de ar podem ser vistos através da MT.

Diagnóstico

  • Exame com otoscopia pneumática

  • Timpanometria

  • Exame nasofaríngeo

O diagnóstico da otite média secretora é clínico, feito por otoscopia pneumática, na qual um insuflador é acoplado no otoscópio para mover a membrana timpânica (secreção na orelha média, perfuração ou timpanosclerose inibem esse movimento). A timpanometria pode ser feita para confirmar a efusão na orelha média (mostrando falta de mobilidade da membrana timpânica).

Adultos e adolescentes devem ser submetidos ao exame de nasofaringe para excluir tumores malignos ou benignos. Suspeitar particularmente de neoplasia nasofaríngea nos casos de otite média secretora unilateral. Em caso de suspeita de neoplasia ou neoplasia comprovada por biópsia, há indicação de fazer exames de imagem.

Tratamento

  • Observação

  • Se não resolver, miringotomia com a inserção do tubo de ventilação

  • Se recorrentes na infância, considerar adenoidectomia

Para a maioria dos pacientes, a conduta expectante é tudo o que é necessário. Antibióticos e descongestionantes não são úteis. Para pacientes nos quais as alergias estão claramente envolvidas, anti-histamínicos e corticoides tópicos podem ser úteis.

Se não houver melhora em 1 a 3 meses, a miringotomia pode ser realizada, promovendo a aspiração da secreção e inserção de um tubo de ventilação, que permite a ventilação da orelha média e temporariamente melhora a função tubária, independentemente da causa. Pode-se inserir tubo de ventilação (timpanostomia) para as perdas auditivas condutivas persistentes secundárias a secreção contínua na orelha média. Os tubos de ventilação (timpanostomia) podem ajudar a prevenir a recidiva da otite média aguda e da otite média secretora.

Às vezes, a orelha média é temporariamente ventilada com a manobra de Valsalva ou a de Politzer. Para realizar a manobra de Valsalva, os pacientes mantêm sua boca fechada e tentam forçar um sopro de ar para fora, através de suas narinas comprimidas pelo polegar e indicador (causando estalido nos ouvidos). Para realizar a manobra de Politzer, o médico introduz ar com uma seringa especial (inflaotalgia médio) em uma das narinas do paciente e bloqueia a outra enquanto o paciente deglute. Isto leva o ar à tuba auditiva e à orelha média. Nenhum destes procedimentos deve ser realizado se o paciente apresentar quadro gripal ou rinorreia.

OMS persistente ou recorrente pode exigir correção de condições subjacentes na nasofaringe. Em crianças, particularmente meninos adolescentes, um angiofibroma nasofaríngeo deve ser descartado e, em adultos, carcinoma nasofaríngeo deve ser descartado. As crianças podem beneficiar-se da adenoidectomia, incluindo a remoção da massa adenoide central, bem como dos agregados linfoides no toro da tuba e na fosseta de Rosenmüller. Os antibióticos devem ser dados nos casos de rinite, sinusite e nasofaringite bacteriana. Alergênios em potencial devem ser eliminados do ambiente do paciente e a imunoterapia deve ser considerada. Crianças pequenas suscetíveis com perda auditiva prolongada por otite serosa de longa data precisar de exigir tratamento apropriado para assegurar o desenvolvimento normal da linguagem.

Como as mudanças na pressão ambiental podem causar barotrauma doloroso, deve-se evitar mergulho subaquático e viagens aéreas ou, quando possível, postergá-los. Se não for possível evitar viagens aéreas, mastigar ou beber alimentos (p. ex., de uma mamadeira) pode ajudar as crianças pequenas. Manobra de Valsalva ou politzerização pode ajudar crianças maiores e adultos.

Pontos-chave

  • A otite média secretora é efusão da orelha média não inflamatória geralmente depois de otite média aguda.

  • O diagnóstico é clínico; adultos e adolescentes devem fazer exame de nasofaringe e, às vezes, exames de imagem para excluir tumores malignos ou benignos.

  • Antibióticos e descongestionantes não são úteis.

  • Se não desaparecer em 1 a 3 meses, pode ser necessária miringotomia com a inserção de tubo de timpanostomia.

  • As crianças podem precisar de tratamento apropriado para assegurar o desenvolvimento normal da linguagem.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS