Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Hemangiomas infantis

Por

Denise M. Aaron

, MD, Dartmouth-Hitchcock Medical Center

Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Hemangiomas infantis são lesões hiperplásicas vasculares elevadas, vermelhas ou purpúreas que surgem no primeiro ano de vida. A maioria involui espontaneamente; aquelas que obstruem a visão, vias respíratórias ou outras estruturas requerem tratamento. O tratamento ideal varia de acordo com diversos fatores específicos do paciente.

Hemangiomas infantis são os tumores mais comuns em crianças, afetando 10% a 12% das crianças no 1º ano. Hemangiomas infantis estão presentes no nascimento em 10% a 20% dos recém-nascidos afetados e quase sempre nas primeiras semanas da vida; ocasionalmente, lesões mais profundas serão aparentes somente alguns meses após o nascimento. O tamanho e a vascularização aumentam rapidamente, geralmente atingindo o pico com a idade de 1 ano.

Os hemangiomas infantis podem ser classificados pela aparência geral (superficial, profundo ou cavernoso) ou por outros termos descritivos (p. ex., hemangioma em morango). No entanto, como todas essas lesões compartilham a mesma fisiopatologia e história natural, o termo hemangioma infantil é o preferido.

Sinais e sintomas

As lesões superficiais são de aparência vermelho-brilhante e as mais profundas, azuladas. As lesões podem sangrar ou ulcerar por pequenos traumas, e as úlceras são dolorosas.

Os hemangiomas infantis em certas localizações interferem na função. Um HI na face ou orofaringe pode interferir na visão ou obstruir a via respiratória; aqueles localizados perto do meato uretral ou ânus prejudicam a eliminação de urina e fezes. O hemangioma periocular em um neonato é considerado uma emergência e deve ser tratado imediatamente para evitar defeitos definitivos na visão. Os hemangiomas lombossacrais representam um sinal de anomalias gastrointestinais ou neurológicas subjacentes.

As lesões lentamente involuem, começando aos 12 a 18 meses, diminuindo o tamanho e a vascularização. Em geral, os hemangiomas infantis involuem 10%/ano de acordo com a idade (p. ex., 50% aos 5 anos, 60% aos 6 anos), com involução máxima aos 10 anos de idade. Essas lesões involutivas se tornam amareladas ou telangiectásicas, com textura enrugada ou fibrogordurosa frouxa. As alterações residuais são quase sempre proporcionais ao máximo do tamanho e da vascularização.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico dos hemangiomas infantis é clínico; a extensão pode ser avaliada por RM, se houver suspeita de que a lesão esteja incrustada em estruturas virais.

Tratamento

  • Individualizado com base no local, tamanho e gravidade das lesões

  • Para lesões que requerem tratamento, possivelmente corticoides tópicos, intralesionais ou sistêmicos; laser; ou propranolol por via oral

  • Cuidados gerais para lesões ulceradas

  • Normalmente evitar cirurgia

Não há recomendação de tratamento universal para hemangioma infantil. Como a maioria das lesões desaparece espontaneamente, geralmente indica-se observação antes de iniciar o tratamento. O tratamento deve ser considerado para lesões que

  • São potencialmente fatais

  • Ameaçam funções (p. ex., visão)

  • Envolvem grandes áreas da face

  • Estão distribuídos ao longo da área da barba

  • São ulceradas

  • São múltiplas

  • São lombossacrais

O tratamento tópico e os cuidados das feridas são úteis em lesões ulceradas, ajudando a prevenir cicatrizes, sangramento e dor. Também são indicadas compressas, mupirocina ou metronidazol tópicos, curativos de barreira (geralmente, filme de poliuretano ou gaze vaselinada) ou, ainda, cremes de barreira.

A menos que as complicações comprometam a vida ou os órgãos vitais, a excisão cirúrgica ou procedimentos destrutivos devem ser evitados, pois geralmente causam mais cicatrizes do que quando há involução espontânea. Para ajudar os familiares a aceitar a não intervenção, o médico deve informar a história natural (amostras de fotografias são úteis), tirar fotografias periódicas da lesão para documentar a involução e dar atenção às dúvidas a respeito da doença.

Pontos-chave

  • Hemangiomas infantis afetam 10% a 12% das crianças no 1º ano de idade.

  • As lesões involuem lentamente, começando aos 12 a 18 meses, alcançando involução máxima aos 10 anos.

  • A menos que complicações coloquem a vida em risco ou órgãos vitais sejam comprometidos, evitar a cirurgia.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS