Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Dermatite por estase

Por

Mercedes E. Gonzalez

, MD, University of Miami Miller School of Medicine

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

É a inflamação da pele das extremidades distais dos membros inferiores causada por insuficiência venosa crônica. Os sintomas são: prurido, descamação, hiperpigmentação e, às vezes, ulceração. O diagnóstico é clínico. O tratamento é direcionado para a insuficiência venosa crônica e prevenção de ocorrência ou progressão de úlceras associadas posteriormente.

(Ver também Definição da dermatite.)

A dermatite de estase ocorre em pacientes com insuficiência venosa crônica porque o sangue que se coagula nas pernas compromete a integridade endotelial e intravascular, resultando em perda de fibrina, inflamação local e necrose celular.

Sinais e sintomas

No estágio inicial, alterações eczematosas se desenvolvem (eritema, descamação, exsudato e formação de crostas), todas as quais podem piorar por infecção secundária bacteriana ou dermatite de contato alérgica causada por vários tratamentos tópicos frequentemente aplicados (1). Hiperpigmentação e pigmentação marrom-avermelhada podem ocorrer secundária a estase venosa e ocorrer antes de a dermatite de estase se desenvolver. A hiperpigmentação também pode aparecer após dermatite de estase se desenvolver, como uma alteração secundária.

Quando a insuficiência venosa crônica e a dermatite de estase são tratadas inadequadamente, a dermatite de estase progride para ulceração, espessamento fibrótico da pele, edema crônico ou lipodermatoesclerose. Lipodermatoesclerose é uma rigidez dolorosa resultante de paniculite, que se for grave dá um aspecto de pino de boliche invertido, com aumento da panturrilha e estreitamento da região maleolar.

Manifestações da dermatite por estase

Referência sobre sinais e sintomas

  • 1. Erfurt-Berge C, Geier J, Mahler V: The current spectrum of contact sensitization in patients with chronic leg ulcers or stasis dermatitis: New data from the Information Network of Departments of Dermatology (I ventrículo direito K). Contact Dermatitis 77(3):151–158, 2017. doi: 10.1111/cod.12763.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico da dermatite por estase é clínico pela aparência típica das lesões da pele e outros sinais de insuficiência venosa crônica. Consulta com um especialista vascular e exames (como ultrassonografia) podem ser necessários.

Tratamento

  • Elevação, compressão e curativos

  • Algumas vezes, antibióticos por via oral ou corticoides tópicos

E necessário tratar a insuficiência venosa crônica adequadamente com elevação das pernas e meias compressivas ( Insuficiência venosa crônica e síndrome pós-flebítica : Tratamento).

Na dermatite de estase aguda (caracterizada por crostas, exsudação e ulceração superficial), compressas contínuas e intermitentes de água fria devem ser aplicadas. Em uma lesão exsudativa, o uso de curativo hidrocoloide é melhor. Para a dermatite menos aguda, cremes de corticoides ou emolientes devem ser aplicados 3 vezes ao dia ou incorporado à pasta de óxido de zinco.

As úlceras são tratadas melhor com compressas e curativos suaves (como pasta de óxido de zinco); outros curativos (p. ex., hidrocoloides) são também eficazes ( Tratamento direto de lesões). Úlceras em pacientes ambulatoriais podem ser curadas com bota de pasta de Unna (gelatina de zinco), um curativo de gelatina de zinco mais adequado ou um curativo coloide (todos disponíveis comercialmente). Os curativos do tipo coloide usados sob suporte elástico são mais eficazes que a bota de pasta de Unna. É necessário trocar o curativo a cada 2 ou 3 dias, mas se houver melhora do edema e cicatrização da úlcera, 1 a 2 vezes por semana é o suficiente. Após a cicatrização da úlcera, uma bandagem elástica deve ser colocada antes que o paciente deambule de manhã. Independentemente do curativo usado (em geral, com compressão), a redução do edema é primordial para a cura.

Os antibióticos orais (p. ex., cefalosporinas, dicloxacilina) são usados para tratar a celulite associada. Os antibióticos tópicos (mupirocina, sulfadiazina de prata) são úteis em erosões e úlceras. Quando o edema e a inflamação regridem, enxertos espessos são necessários para úlceras grandes.

Fármacos complexos ou sem prescrição médica não devem ser usadas. A pele na dermatite de estase é mais vulnerável a irritantes diretos e a agentes tópicos potencialmente sensibilizantes (p. ex., antibióticos, anestésicos e veículos de fármacos tópicos, especialmente lanolina e veículos de pomadas à base de álcool).

Pontos-chave

  • Dermatite de estase resulta de insuficiência venosa crônica.

  • Os sinais iniciais incluem eritema, descamação, exsudato e crostas.

  • Resultados eventuais podem incluir hiperpigmentação, ulceração, pele fibrótica, edema crônico e lipodermatoesclerose (endurecimento doloroso causado por paniculite).

  • Tratar a insuficiência venosa crônica com elevação e compressão.

  • Tratar lesões cutâneas com curativos e, às vezes, antibióticos.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
How to Drain a Subungual Hematoma
Vídeo
How to Drain a Subungual Hematoma

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS