Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Crises de apneia

Por

Stephen Brian Sulkes

, MD, Golisano Children’s Hospital at Strong, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última revisão/alteração completa fev 2018| Última modificação do conteúdo fev 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Uma crise de apneia é um episódio em que a criança para de respirar e perde a consciência por um curto período após um acontecimento ou experiência assustadora, ou emocionalmente perturbadora ou dolorida.

  • Eles são em geral desencadeados por eventos fisicamente doloridos ou emocionalmente perturbadores.

  • Sintomas típicos incluem palidez, interrupção da respiração, perda da consciência e convulsões.

  • Apesar da natureza drástica destes sintomas, essas crises não são perigosas.

  • As crises de raiva, frequentemente um componente das crises de apneia, podem ser evitadas ao distrair a criança e evitando situações que desencadeiam as crises.

As crises de apneia ocorrem em cerca de 5% das crianças de outro modo saudáveis. Elas em geral começam no primeiro ano de vida e atingem o pico aos dois anos de idade. Elas desaparecem por volta dos quatro anos de idade em 50% das crianças e por volta dos oito em 83% das crianças. Uma pequena porcentagem dessas crianças pode continuar a ter as crises até a idade adulta. As crises de apneia podem se apresentar de duas formas:

  • Cianótica

  • Pálida

A forma cianótica de apneia, que é a mais frequente, se inicia inconscientemente em crianças pequenas, geralmente como parte de uma crise de raiva ou em resposta a uma reprimenda ou outro evento perturbador. A frequência dos episódios atinge o pico por volta dos dois anos de idade e raramente ocorrem após os cinco anos.

Normalmente, a criança grita (sem necessariamente estar ciente de fazê-lo), expira e então para de respirar. Pouco tempo depois, a pele começa a ficar azul e a criança perde a consciência. Uma breve convulsão pode ocorrer. Após alguns segundos, a respiração recomeça, a pele reassume sua cor normal e a criança recupera a consciência. Pode ser possível interromper o episódio colocando-se um pano frio no rosto da criança quando a crise começar. Apesar da natureza assustadora do episódio, as crianças não sofrem efeitos nocivos ou de longo prazo. Os pais devem tentar evitar reforçar o início do comportamento. Ao mesmo tempo, os pais não devem evitar oferecer uma estrutura adequada à criança por medo de causar uma crise. Distrair as crianças e evitar situações que levem a crises de raiva são as melhores maneiras de prevenir e tratar essas crises. Crises de apneia cianóticas podem responder ao tratamento com suplementos de ferro, mesmo quando a criança não sofre de anemia por deficiência de ferro, e ao tratamento para apneia obstrutiva do sono (caso a criança a tenha).

A forma pálida ocorre de modo característico depois de uma experiência dolorida, como cair e bater com a cabeça ou sofrer um susto repentino. O cérebro envia um sinal (através do nervo vago) que retarda consideravelmente a frequência cardíaca, produzindo perda de consciência. Assim, nessa forma, a perda de consciência e a interrupção da respiração (ambas temporárias) resultam de uma resposta nervosa ao susto que leva a uma desaceleração do coração.

A criança deixa de respirar, perde rapidamente a consciência, fica pálida e fraca. Convulsão e incontinência podem ocorrer. O coração em geral bate muito lentamente durante a crise. Depois da crise, o coração se acelera novamente, a respiração é retomada e a criança recupera a consciência sem nenhum tratamento. Uma vez que esta forma causa sintomas similares àqueles de certos distúrbios cardíacos e cerebrais, os médicos podem precisar fazer uma avaliação diagnóstica se as crises ocorrerem com frequência.

Tanto a forma cianótica como a pálida são involuntárias, o que significa que a criança não está prendendo a respiração voluntariamente, e ela não tem nenhum tipo de controle sobre as crises. As crises de apneia podem ser facilmente diferenciadas de episódios incomuns e breves em que algumas crianças prendem a respiração voluntariamente. As crianças que prendem a respiração voluntariamente não perdem a consciência e voltam a respirar normalmente depois que recebem o que querem ou quando se sentem desconfortáveis quando não recebem o que querem.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Miopia e hipermetropia
Vídeo
Miopia e hipermetropia
Durante a visão normal, a luz passa através da córnea, a camada clara que cobre o olho e,...
Modelos 3D
Visualizar tudo
O resfriado comum
Modelo 3D
O resfriado comum

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS