Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Considerações gerais sobre o câncer na infância

Por

Renee Gresh

, Nemours A.I. duPont Hospital for Children

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O câncer é raro em crianças. Nos Estados Unidos, há menos de 13.500 casos e cerca de 1.500 mortes a cada ano em crianças a partir do nascimento até 14 anos de idade. Em comparação, há 1,4 milhão de casos e 575.000 mortes anualmente em adultos. No entanto, o câncer é a 2ª principal causa de morte em crianças, estando apenas atrás de lesões. A leucemia representa aproximadamente 33% dos cânceres na infância. Outros tipos de câncer incluem tumores cerebrais, linfoma e alguns tipos de câncer dos ossos (osteossarcoma e sarcoma de Ewing ósseo). Aproximadamente 25% dos cânceres na infância são tumores cerebrais, aproximadamente 8% são linfomas e aproximadamente 4% são cânceres dos ossos.

Os cânceres que ocorrem em crianças são

Ao contrário de muitos cânceres dos adultos, os infantis tendem a ser muito mais curáveis. Cerca de 75% das crianças com câncer sobrevivem pelo menos cinco anos. Atualmente, estima-se que existem 350.000 adultos que sobreviveram a um câncer da infância nos Estados Unidos.

Complicações do tratamento de câncer

Tal como em adultos, os médicos usam uma combinação de tratamentos, incluindo cirurgia, quimioterapia e radioterapia. A imunoterapia (um novo tipo de tratamento que usa o sistema imunológico para atacar o câncer) e terapia-alvo (fármacos que visam partes específicas das células cancerosas e as destroem) estão sendo estudados e sendo usados com maior frequência para tratar câncer em crianças. No entanto, como as crianças ainda estão em crescimento, esses tratamentos podem ter efeitos colaterais que não ocorrem nos adultos. Por exemplo, em uma criança, um braço ou uma perna tratada com radiação pode não crescer completamente. Caso o cérebro seja tratado com radiação, o desenvolvimento intelectual pode não ser normal. (Consulte também Princípios do tratamento do câncer.)

Crianças que sobrevivem ao câncer também têm mais anos que os adultos para desenvolver consequências de longo prazo da quimioterapia e da radioterapia, que incluem

  • Infertilidade

  • Déficit de crescimento

  • Lesões no coração

  • Desenvolvimento de cânceres secundários (ocorre em 3% a 12% das crianças que sobrevivem ao câncer)

  • Problemas psicológicos e sociais

Uma vez que essas consequências graves são possíveis e seu tratamento é complexo, o melhor tratamento para as crianças com câncer é realizado em centros que contam com especialistas que têm experiência em tratar câncer infantil.

A frequência pela qual ocorre o desenvolvimento de um segundo câncer depende de qual era o tipo do primeiro câncer e de quais medicamentos quimioterápicos foram usados para tratar o primeiro câncer.

Equipe de saúde para tratamento do câncer

O impacto de ser diagnosticado com câncer e a intensidade do tratamento são devastadores para a criança e para a família. Manter um sentido de normalidade para a criança é difícil, especialmente porque a criança pode precisar ser hospitalizada com frequência e ir a consultórios médicos ou centros ambulatoriais para tratamento do câncer e das suas complicações. É normal sentir um estresse devastador, uma vez que os pais lutam para continuar a trabalhar, dar atenção aos irmãos da criança e atender às muitas necessidades da criança com câncer (consulte Problemas de saúde crônicos em crianças). A situação fica ainda mais difícil quando a criança está sendo tratada em um centro especializado longe de casa.

Você sabia que...

  • Nos Estados Unidos, o câncer mata cerca de 1.500 crianças por ano.

As crianças e seus pais precisam de uma equipe de tratamento pediátrico para ajudar a lidar com essa situação difícil. Pediatras são médicos que se especializam no cuidado e tratamento de bebês, crianças e adolescentes. A equipe deve incluir:

  • Pediatras especializados em câncer (oncologista pediátrico e oncologista radioterapeuta)

  • Um profissional de enfermagem em oncologia pediátrica, que é um profissional de enfermagem que cuida e fornece orientações às crianças que têm câncer e suas famílias

  • Outros especialistas necessários, tais como um cirurgião pediátrico especializado na remoção ou biópsia de cânceres infantis; um radiologista pediátrico especializado na avaliação de exames radiológicos (exames de imagem) de crianças com câncer, e um patologista especializado no diagnóstico de cânceres infantis

  • O clínico geral

  • Especialistas em vida infantil, que trabalham com as crianças e as famílias em hospitais e outros ambientes para ajudá-los a lidar com os desafios relacionados à hospitalização, doença e incapacidade

  • Um assistente social que possa oferecer apoio emocional e ajuda com os aspectos financeiros do tratamento

  • Um professor que possa trabalhar com a criança, a escola e a equipe de saúde para garantir que a educação da criança continue

  • Um coordenador de ensino, que também pode ajudar a criança e a família na interação com os professores e a escola

  • Um psicólogo que possa ajudar a criança, os irmãos e os pais durante todo o tratamento

Muitas equipes de tratamento também incluem um defensor dos direitos dos pais. O defensor dos direitos dos pais é outro pai ou mãe cujo filho(a) já teve câncer e que pode oferecer orientação às famílias.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Broncodilatadores
Vídeo
Broncodilatadores
Durante a respiração normal, o ar viaja pelo nariz, desce a traqueia e segue para vias aéreas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
O resfriado comum
Modelo 3D
O resfriado comum

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS