Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Inchaço no final da gestação

Por

Emily E. Bunce

, MD, Wake Forest School of Medicine;


Robert P. Heine

, MD, Wake Forest School of Medicine

Última revisão/alteração completa jun 2021| Última modificação do conteúdo jun 2021
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Conforme a gestação avança, o líquido pode se acumular nos tecidos, geralmente nos pés, tornozelos e pernas, fazendo com que eles fiquem inchados. Esse quadro clínico é chamado de edema. Ocasionalmente, o rosto e as mãos também incham. Alguns acúmulos de líquido durante a gestação são normais, especialmente durante o terceiro trimestre. Ele é chamado de edema fisiológico.

Líquido se acumula durante a gestação porque as glândulas suprarrenais produzem mais hormônios que fazem com que o organismo retenha líquido (aldosterona e cortisol). Líquido se acumula também porque a ampliação do útero interfere com o fluxo de sangue a partir das pernas para o coração. Assim, o líquido se acumula nas veias das pernas e escoa para os tecidos circundantes.

Causas

Causas comuns

Normalmente, durante a gestação, o inchaço é

  • Edema fisiológico

Causas menos comuns

Com menos frequência, o inchaço durante a gestação resulta de um distúrbio (consulte a tabela Algumas causas e características do inchaço no final da gestação Algumas causas e características do inchaço no final da gestação Algumas causas e características do inchaço no final da gestação ). No entanto, tais distúrbios são frequentemente graves. Eles incluem:

Na trombose venosa profunda, coágulos sanguíneos se formam nas veias localizadas profundamente no corpo, geralmente nas pernas. A gravidez aumenta o risco desse distúrbio de várias maneiras. Durante a gestação, o corpo produz mais das proteínas que ajudam a coagulação do sangue (fatores de coagulação), provavelmente com o intuito de evitar sangramento excessivo durante o parto. Além disso, alterações durante a gestação fazem com que o sangue se acumule nas veias, aumentando a probabilidade de formação de coágulos. Se a gestante tiver menos mobilidade, é ainda mais provável que o sangue se acumule nas veias das pernas e coagule. Os coágulos podem interferir com o fluxo de sangue. Se um coágulo sanguíneo se rompe, ele pode viajar através da corrente sanguínea para os pulmões, bloqueando o fluxo de sangue ali. Esse bloqueio (um quadro clínico denominado embolia pulmonar Embolia pulmonar (EP) A embolia pulmonar é a obstrução de uma artéria do pulmão (artéria pulmonar) pelo acúmulo de material sólido trazido através da corrente sanguí... leia mais ) é potencialmente fatal.

Na pré-eclâmpsia, a pressão arterial e os níveis de proteína na urina aumentam durante a gestação. É possível que ocorra o acúmulo de líquido, causando inchaço na face, mãos ou pés e ganho de peso. Se for grave, a pré-eclâmpsia pode danificar órgãos, como o cérebro, os rins, pulmões ou fígado, e causar problemas no bebê.

A cardiomiopatia periparto causa falta de ar e fadiga, bem como inchaço.

Na celulite, as bactérias infectam a pele e os tecidos abaixo da pele, às vezes causando inchaço com vermelhidão e sensibilidade. A celulite afeta com mais frequência as pernas, mas pode ocorrer em qualquer lugar.

Fatores de risco

O risco de trombose venosa profunda e pré-eclâmpsia aumenta devido a vários quadros clínicos (fatores de risco).

Os fatores de risco para trombose venosa profunda incluem:

Os fatores de risco para a pré-eclâmpsia incluem

Os fatores de risco para a cardiomiopatia periparto incluem:

Avaliação

O médico precisa excluir a possibilidade de trombose venosa profunda, pré-eclâmpsia, doença cardíaca, celulite e outras causas possíveis antes de poder fazer um diagnóstico de edema fisiológico.

Sinais de alerta

Os seguintes sintomas são motivo de preocupação em gestantes com inchaço nas pernas:

  • A pressão arterial que é de 140/90 mm Hg ou superior

  • Inchaço em apenas uma perna ou panturrilha, especialmente se a área estiver quente, vermelha e/ou sensível, ou se houver febre

  • Inchaço nas mãos

  • Inchaço que aumenta de repente

  • Confusão, dificuldade para respirar, alterações na visão, agitação (tremor), uma convulsão, dor abdominal súbita, ou uma súbita dor de cabeça – sintomas que podem ser causados ​​por pré-eclâmpsia

  • Dor torácica

Quando consultar um médico

A mulher deve ir para o hospital imediatamente se ela tiver

  • Sintomas que sugerem pré-eclâmpsia ou uma doença cardíaca

As mulheres com outros sinais de alerta devem visitar o médico naquele dia. As mulheres sem sinais de alerta devem visitar o médico, mas mesmo uma demora de vários dias não costuma ser prejudicial.

O que o médico faz

Primeiramente, o médico faz perguntas sobre o inchaço e outros sintomas e sobre o histórico médico. Em seguida, o médico faz um exame físico. O que ele identifica durante a anamnese e o exame físico geralmente sugere uma causa para o inchaço e os exames que talvez sejam necessários (consulte a tabela Algumas causas e características do inchaço no final da gestação Algumas causas e características do inchaço no final da gestação Algumas causas e características do inchaço no final da gestação ).

O médico faz as seguintes perguntas:

  • Quando o inchaço começou

  • Há quanto tempo ela está acontecendo

  • Se alguma atividade (por exemplo, deitar-se sobre o lado esquerdo) faz com que ele diminua ou piore

Deitar-se sobre o lado esquerdo diminui o edema fisiológico.

O médico também faz perguntas sobre quadros clínicos que aumentam o risco de apresentar trombose venosa profunda, pré-eclâmpsia e cardiomiopatia periparto.

Pergunta-se à mulher sobre outros sintomas, que podem sugerir uma causa. Ele também pergunta se ela já teve trombose venosa profunda, embolia pulmonar, pré-eclâmpsia, hipertensão arterial ou problemas cardíacos, inclusive miocardiopatia.

Durante o exame físico, o médico procura evidências de uma causa grave. Para verificar se há sintomas de pré-eclâmpsia, o médico mede a pressão arterial, faz uma ausculta cardíaca e pulmonar e, possivelmente, examina os reflexos da mulher e examina o fundo dos olhos com um oftalmoscópio (um dispositivo portátil que se assemelha a uma pequena lanterna). O médico também procura por regiões de inchaço, principalmente nas pernas, mãos e face. Todas as regiões inchadas são examinadas para ver se elas estão avermelhadas, quentes ou sensíveis.

Tabela
icon

Exames

Se houver suspeita de trombose venosa profunda, a ultrassonografia com Doppler da perna afetada é feita. Esse exame pode mostrar alterações no fluxo sanguíneo causadas ​​por coágulos sanguíneos nas veias das pernas.

Se se suspeitar de pré-eclâmpsia, o nível da proteína é medido numa amostra de urina. A pressão arterial elevada e um alto nível de proteína na urina indicam pré-eclâmpsia. Se o diagnóstico não é claro, a mulher deve coletar sua urina de 24 horas, e a proteína é medida no volume de urina. Essa medida é mais precisa. No entanto, a pré-eclâmpsia também pode estar presente, mesmo que o nível de proteína na urina esteja normal. Hipertensão arterial com dor de cabeça, alterações na visão, dor abdominal ou resultados de exames de sangue ou de urina alterados também podem indicar a presença de pré-eclâmpsia.

Se houver suspeita de cardiomiopatia periparto, um eletrocardiograma, uma radiografia de tórax, uma ecocardiografia e exames de sangue são realizados para verificar a função cardíaca.

Tratamento

Quando o inchaço resulta de um distúrbio, esse distúrbio é tratado.

O inchaço que normalmente ocorre durante a gestação pode ser reduzido, fazendo o seguinte:

  • Deitar-se sobre o lado esquerdo, o que afasta o útero da grande veia que devolve o sangue ao coração (veia cava inferior)

  • Repousar frequentemente com as pernas elevadas

  • Uso de meias elásticas de suporte

  • Vestir roupas soltas que não restringem o fluxo de sangue, principalmente nas pernas (por exemplo, não usar meias ou meias que têm faixas apertadas em torno dos tornozelos ou panturrilhas)

Pontos-chave

  • Algum inchaço nas pernas e tornozelos é normal (fisiológico) durante a gestação e ocorre durante o terceiro trimestre.

  • O médico consegue identificar as causas graves de inchaço com base em resultados de um exame físico, aferição da pressão arterial, exames de sangue e urina e, às vezes, ultrassonografia.

  • Se a própria gravidez for a causa, o inchaço pode ser reduzido ao deitar-se sobre o lado esquerdo, elevando as pernas periodicamente, usando meias de suporte e usar roupas que não restringem o fluxo sanguíneo.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS