Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Distúrbios renais durante a gestação

Por

Lara A. Friel

, MD, PhD, University of Texas Health Medical School at Houston, McGovern Medical School

Última revisão/alteração completa abr 2020| Última modificação do conteúdo abr 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

Com frequência, a gravidez não causa a piora de uma doença renal. Geralmente, as doenças renais apenas pioram em gestantes com hipertensão arterial mal controlada. Se a gestante tiver uma doença renal, ela estará mais propensa a ter hipertensão arterial, incluindo pré-eclâmpsia (um tipo de hipertensão arterial que surge durante a gestação)

Ter uma doença renal crônica antes de engravidar aumenta o risco de o feto não crescer tanto quanto esperado (pequeno para a idade gestacional) ou de ser natimorto. Ter uma doença renal grave geralmente impede a mulher de concluir a gestação.

Tanto a função renal, a pressão arterial, como o crescimento do feto são monitoradas de perto em gestantes com doença renal. Se a doença renal for grave, é possível que a mulher precise ser internada no hospital após a 28.ª semana de gestação, a fim de que o repouso seja garantido, a pressão arterial possa ser bem controlada e o feto possa ser monitorado mais de perto.

A mulher que tiver realizado um transplante renal normalmente consegue ter um parto seguro e dar à luz a bebês saudáveis, caso ela atenda aos seguintes requisitos:

  • O transplante tem vigorado há dois anos ou mais

  • Função renal normal

  • Nenhum episódio de rejeição

  • Pressão arterial normal

A mulher com doença renal que precisa fazer hemodiálise em intervalos costumam ter um alto risco de apresentar complicações na gravidez, incluindo aborto espontâneo, natimorto, parto prematuro e pré-eclâmpsia. Porém, devido aos avanços no tratamento da diálise, até 90% dos bebês nascidos dessas mulheres sobrevivem.

Geralmente, o parto é necessário antes da data prevista, pois a mulher apresenta pré-eclâmpsia ou o feto não cresce tanto quanto o esperado. É possível que o médico colete e analise amostras do líquido que envolve o feto (líquido amniótico). Esse procedimento, denominado amniocentese, auxilia o médico a determinar se os pulmões do feto estão desenvolvidos o suficiente para respirar, e assim, quando o bebê pode nascer em segurança.

O parto por cesariana é realizado às vezes, mas em outros casos o parto normal é possível.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Fertilização in vitro
Vídeo
Fertilização in vitro
Os testículos de homens adultos produzem aproximadamente meio bilhão de espermatozoides todos...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Conteúdo da pelve feminina
Modelo 3D
Conteúdo da pelve feminina

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS