honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Distúrbio do orgasmo

Por

Rosemary Basson

, MD, University of British Columbia and Vancouver Hospital

Última revisão/alteração completa jul 2013| Última modificação do conteúdo fev 2014
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Distúrbio do orgasmo é a falta ou atraso no clímax sexual (orgasmo), mesmo que a estimulação sexual seja suficiente e que a mulher esteja sexualmente excitada, mental e emocionalmente.

  • É possível que a mulher não tenha orgasmo se a relação sexual acabar muito rapidamente, se não houver preliminares suficientes ou se ela estiver com medo de perder o controle ou relaxar.

  • A mulher é incentivada a experimentar a autoestimulação (masturbação) e, para algumas mulheres, alguns tipos de psicoterapia são úteis.

A quantidade e o tipo de estimulação necessária para o orgasmo variam muito de mulher para mulher. A maioria das mulheres consegue atingir o orgasmo quando o clitóris (que corresponde ao pênis nos homens) é estimulado, mas menos da metade das mulheres atingem regularmente o orgasmo durante a relação sexual. Aproximadamente uma em cada 10 mulheres nunca atinge o orgasmo, mas, no entanto, muitas delas consideram a atividade sexual satisfatória.

A mulher com transtorno de orgasmo não consegue atingir o orgasmo em nenhuma circunstância, mesmo quando se masturba ou quando estão bastante excitadas. No entanto, geralmente a mulher não atinge o orgasmo porque não está suficientemente excitada, portanto isso é considerado um transtorno de excitação, e não um transtorno de orgasmo. A incapacidade de atingir o orgasmo é considerada um transtorno apenas quando a falta de orgasmo aflige a mulher. O ato sexual sem orgasmo pode causar frustração e resultar em ressentimento e, ocasionalmente, gerar aversão por qualquer coisa sexual.

Causas

Fatores situacionais e psicológicos podem contribuir para o transtorno do orgasmo. Elas incluem as seguintes:

  • Ato sexual que termina consistentemente antes que a mulher esteja suficientemente excitada (como quando o homem ejacula muito rápido)

  • Preliminares insuficientes

  • Em um ou ambos os parceiros, falta de compreensão sobre como seus órgãos genitais funcionam

  • Má comunicação sobre sexo (por exemplo, sobre de que tipo de estimulação uma pessoa gosta)

  • Problemas no relacionamento, como conflitos não resolvidos e falta de confiança

  • Ansiedade sobre o desempenho sexual

  • O medo de relaxar, ser vulnerável e não estar no controle (possivelmente como parte de um medo de não estar no controle de todos os aspectos da vida ou como parte de uma tendência geral de manter as emoções sob controle)

  • Uma experiência física ou emocionalmente traumática, como abuso sexual

  • Transtornos mentais (tais como depressão)

Distúrbios físicos também podem contribuir para o transtorno do orgasmo. Incluem danos nos nervos (por exemplo, o que é causado por diabetes, lesões na medula espinhal ou esclerose múltipla) e anomalias nos órgãos genitais.

Certos medicamentos, especialmente os inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS, um tipo de antidepressivo – {blank} Drugs Used to Treat Depression), podem inibir especificamente o orgasmo.

Tratamento

É possível que o médico incentive a mulher a aprender que tipo de toque é prazeroso e excitante ao tentar praticar a autoestimulação (masturbação). Outras técnicas que talvez ajudem incluem técnicas de relaxamento e exercícios com enfoque sensorial. Em exercícios com enfoque sensorial, os parceiros se revezam tocando um ao outro de maneiras agradáveis ({blank} Distúrbios de excitação sexual : Tratamento). O casal talvez queira tentar usar mais estímulos ou estímulos diferentes, tais como vibrador, fantasia ou vídeos eróticos. Um vibrador pode ser especialmente útil quando há danos nos nervos.

Educação sobre a função sexual talvez ajude. Incorporar a estimulação do clitóris talvez seja suficiente para algumas mulheres.

Alguns tipos de psicoterapia, como a terapia cognitivo-comportamental e a terapia cognitiva baseada na atenção plena (MBCT – {blank} Tratamento), podem ajudar a mulher a identificar e administrar o medo de renunciar ao controle, o medo de vulnerabilidade ou problemas de confiança no parceiro. Tanto a psicoterapia como a MBCT podem ser úteis para mulheres que sofreram abuso sexual ou que tenham transtornos mentais. Praticar atenção plena (com foco no que está acontecendo no momento) pode ajudar as mulheres a prestar atenção às sensações sexuais, sem fazer julgamentos ou monitorar o que está acontecendo.

Se um ISRS for a causa, acrescentar bupropiona (um tipo diferente de antidepressivo) pode ajudar, ou outro antidepressivo pode ser substituído. Algumas evidências sugerem que, se a mulher parar de ter orgasmos depois que começou a tomar ISRS, a sildenafila pode ajudá-la a voltar a ter orgasmos.

icon

Spotlight on Aging

A principal razão pela qual mulheres mais velhas desistem do sexo é a falta de um parceiro sexualmente funcional. No entanto, mudanças relacionadas à idade, especialmente aquelas por causa da menopausa, podem aumentar a chance de a mulher ter uma disfunção sexual. Além disso, doenças que podem interferir na função sexual, tais como diabetes, aterosclerose, infecções do trato urinário e artrite, ocorrem com mais frequência à medida que a mulher envelhece. No entanto, essas mudanças não precisam acabar com a atividade sexual e o prazer, e nem toda a disfunção sexual na mulher mais velha é causada por mudanças relacionadas à idade.

O problema mais comum é o baixo desejo sexual tanto em mulheres mais velhas como em mulheres mais jovens.

À medida que a mulher envelhece, a produção do estrogênio diminui.

  • Os tecidos ao redor da abertura vaginal (lábios) e as paredes da vagina ficam menos elásticos e mais finos (um distúrbio chamado vaginite atrófica). Essa mudança pode causar dor durante a atividade sexual que envolva penetração.

  • As secreções vaginais são reduzidas, proporcionando menos lubrificação durante a relação sexual.

  • Uma quantidade cada vez menor de testosterona é produzida, começando quando a mulher está na faixa dos 30 e parando quando está perto dos 70 anos de idade. Não está claro se essa diminuição leva à diminuição do interesse e da resposta sexuais.

  • A acidez da vagina diminui, aumentando as chances de que os órgãos genitais fiquem irritados e infectados.

  • A falta de estrogênio pode contribuir para o enfraquecimento relacionado à idade dos músculos e outros tecidos de suporte na pelve, às vezes permitindo que um órgão pélvico (bexiga, intestino, útero ou reto) se projete na vagina. Assim, a urina pode vazar involuntariamente, causando constrangimento.

  • Com o envelhecimento, o fluxo sanguíneo da vagina é reduzido, deixando-a mais curta, mais estreita e mais seca. Doenças dos vasos sanguíneos (tias como a aterosclerose) podem reduzir ainda mais o fluxo sanguíneo.

Outros problemas podem interferir na função sexual. Por exemplo, a mulher mais velha talvez esteja estressada por mudanças no corpo causadas por doença, cirurgias ou o próprio envelhecimento. Ela talvez pense que o desejo e a fantasia sexuais são impróprios ou vergonhosos na velhice. Talvez ela esteja preocupada com a saúde em geral ou com a função sexual do seu parceiro ou com seu próprio desempenho sexual. Muitas mulheres mais velhas têm desejo sexual, mas se seu parceiro já não responder a ele, o desejo pode lentamente acabar.

A mulher mais velha não deve presumir que a disfunção sexual seja algo normal na velhice. Se a disfunção sexual estiver incomodando, elas devem conversar com seu médico. Em muitos casos, o tratamento de um distúrbio (incluindo depressão), parar ou substituir um medicamento, aprender mais sobre a função sexual ou falar com um profissional de saúde ou consultor pode ajudar.

Se a vaginite atrófica for um problema, o estrogênio pode ser inserido na vagina como um creme (com aplicador plástico), como um comprimido ou um anel. O estrogênio pode ser tomado por via oral ou aplicado na forma de adesivo ou gel no braço ou na perna, mas somente se a menopausa tiver ocorrido recentemente. Ocasionalmente, é receitada testosterona além de terapia com estrogênio se todas as outras medidas forem ineficazes, mas não é recomendado receitar essa combinação. Ela ainda é considerada experimental e a segurança de longo prazo é desconhecida.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS