Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Problemas com o líquido amniótico

(Poli-hidrâmnios; hidrâmnios; oligohidrâmnios)

Por

Antonette T. Dulay

, MD, Main Line Health System

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

O líquido amniótico é um líquido que circunda o feto dentro do útero. O líquido e o feto são envolvidos em membranas denominadas de bolsa amniótica. Problemas com o líquido amniótico incluem ter demasiado ou muito pouco líquido amniótico e infecção do líquido, da bolsa amniótica e/ou da placenta (um quadro clínico denominado infecção intra-amniótica).

Complicações da gravidez, como ter demasiado ou muito pouco líquido amniótico, são problemas que ocorrem apenas durante a gestação. Elas podem afetar a mulher, o feto ou ambos e surgir várias vezes durante a gestação. No entanto, a maioria das complicações da gravidez pode ser tratada.

Líquido amniótico em excesso

Líquido amniótico em excesso (poli-hidrâmnios ou hidrâmnios) alarga o útero e exerce pressão sobre o diafragma de gestantes.

Os seguintes fatores podem causar o acúmulo de líquido:

No entanto, em aproximadamente metade do tempo, a causa é desconhecida.

Um excesso de líquido amniótico pode dar origem a vários problemas:

Muito pouco líquido amniótico

Tende a ocorrer muito pouco líquido amniótico nas seguintes situações:

Na maioria dos casos, desconhece-se a causa.

Tomar certos medicamentos, como inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) (incluindo enalapril ou captopril) durante o segundo e terceiro trimestres pode causar muito pouco líquido amniótico. Estes medicamentos são geralmente evitados durante a gestação. No entanto, em caso raros, eles são utilizados para o tratamento de insuficiência cardíaca grave. Tomar medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs, tais como ibuprofeno) no final da gravidez também pode reduzir a quantidade de líquido amniótico.

Muito pouco líquido amniótico (oligo-hidrâmnios) também pode causar problemas como os seguintes:

  • Caso a quantidade de líquido esteja bastante reduzida, o feto pode ser comprimido, causando deformações nos membros, nariz achatado, queixo recuado e outros problemas.

  • É possível que os pulmões do feto não amadurecem normalmente. (A combinação de pulmões não desenvolvidos e deformidades é denominada síndrome de Potter.)

  • O feto talvez não consiga tolerar o trabalho de parto, o que torna necessário o parto por cesariana.

  • O feto pode morrer.

  • O feto talvez não cresça tanto quanto o esperado.

A mulher talvez note que o feto não está se movendo tanto quanto se movia no início da gravidez.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Ultrassonografia

  • Exames para identificar a causa

O médico pode suspeitar de demasiado ou muito pouco líquido amniótico quando o útero estiver excessivamente grande ou pequeno quando comparado à duração da gestação.

Às vezes, o problema é detectado por acaso durante a ultrassonografia. Caso um problema seja detectado, o médico pode utilizar a ultrassonografia para determinar a quantidade de líquido amniótico presente.

Caso o médico detecte demasiado ou muito pouco líquido amniótico, ele tenta descobrir a causa possível. Por exemplo, ele pode examinar a vagina e o colo do útero para determinar se as membranas ao redor do feto se romperam precocemente.

Exames de sangue podem ser feitos para verificar se existem distúrbios que podem afetar o líquido amniótico (como infecções ou diabetes). Uma ultrassonografia e outros exames (talvez uma amniocentese) podem ser feitos para verificar a presença de defeitos congênitos no feto.

Tratamento

  • Uma ultrassonografia para monitorar o crescimento do feto e para medir os níveis de líquido amniótico

  • Monitorar a frequência cardíaca do feto

  • Tratamento de eventuais doenças primárias

  • Às vezes, remoção do líquido amniótico

  • Parto

Ultrassonografias são feitas regularmente para monitorar o crescimento do feto e para medir os níveis de líquido amniótico. A frequência cardíaca do feto também é monitorada regularmente enquanto o feto está parado e enquanto se movimenta. Esse exame é feito para verificar o bem-estar do feto (um exame denominado cardiotocografia; consulte o quadro Monitoramento do feto).

Eventuais distúrbios primários, como diabetes e hipertensão arterial, são tratados.

Quando houver excesso de líquido amniótico, os médicos raramente removem o excesso de líquido. No entanto, o líquido amniótico pode ser removido com uma agulha através do abdômen da mulher:

  • O trabalho de parto tem início precocemente.

  • Problemas graves ocorrem.

Quando houver excesso de líquido amniótico, o parto do bebê será marcado para a 39ª semana em determinados casos.

Quando houver muito pouco líquido amniótico, a maioria dos especialistas geralmente recomenda que o parto seja feito entre a 36ª e a 37ª semana, dependendo do estado do feto.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Ultrassom
Vídeo
Ultrassom
Durante a gestação, o útero da mulher abriga e protege o feto em desenvolvimento durante aproximadamente...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Conteúdo da pelve feminina
Modelo 3D
Conteúdo da pelve feminina

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS