Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Tomar 2 suplementos durante a gestação pode reduzir as chances de crupe no bebê

Notícias
14/00/22 By Denise Mann HealthDay Reporter

QUARTA-FEIRA, 14 de setembro de 2022 (HealthDay News) – Muitos novos pais foram acordados na calada da noite quando ouviram seu bebê soltar aquela tosse latida que sinaliza um surto de crupe.

Até agora, acreditava-se que nada evitaria a doença em bebês propensos a ela, mas um novo estudo descobriu que quando as mulheres tomaram altas doses de óleo de peixe e suplementos de vitamina D durante a gravidez, seus bebês apresentam um risco cerca de 40% menor de desenvolver crupe.

Crupe é uma infecção viral do tórax que atinge principalmente crianças com menos de 3 anos de idade. Os sintomas incluem tosse que parece uma foca latindo, voz rouca e chiado agudo ao respirar. Crupe geralmente é leve, mas algumas crianças precisarão de tratamento mais intensivo.

“Atualmente, não há vacina contra o patógeno que causa essa doença”, explicou o autor do estudo Nicklas Brustad. Ele é médico e pesquisador de pós‑doutorado que trabalha nos estudos prospectivos sobre a asma na infância em Copenhague (Copenhagen Prospective Studies on Asthma in Childhood) no Hospital Universitário de Copenhague, na Dinamarca. “Portanto, outras estratégias preventivas são necessárias, e medidas iniciadas durante a gravidez podem ser importantes, uma vez que a crupe ocorre em bebês e crianças pequenas.”

É aí que podem entrar megadoses de óleo de peixe e suplementos de vitamina D durante a gravidez, acrescentou ele.

Os pesquisadores não sabem ao certo o que há na vitamina D e no óleo de peixe que protege contra o crupe, mas eles têm uma teoria. “Podem estimular o sistema imunológico para ajudar bebês e crianças pequenas a eliminar infecções de forma mais eficaz”, observou Brustad.

Para o estudo, 736 mulheres grávidas foram divididas em quatro grupos: alta dose de suplemento de vitamina D (2.800 unidades diariamente) e óleo de peixe; alta dose de vitamina D e azeite de oliva; dose padrão de vitamina D (400 unidades diariamente) e óleo de peixe; e dose padrão de vitamina D e azeite de oliva.

De acordo com os National Institutes of Health dos EUA, a ingestão diária de vitamina D recomendada atualmente para mulheres grávidas é de 600 unidades. No entanto, os NIH observam que ingestões diárias mais altas, até 4.000 unidades diárias, permanecem seguras para adultos com menos de 70 anos. Além disso, é sempre uma boa ideia informar o seu médico sobre quaisquer alterações no uso de suplementos.

As mulheres no estudo tomaram os suplementos todos os dias a partir da 24ª semana de gestação e continuaram até uma semana após o nascimento de seus bebês. As crianças foram acompanhadas até seu terceiro aniversário, para ver se desenvolveram crupe. Houve 97 casos de crupe durante o período do estudo.

O estudo mostrou que crianças cujas mães tomaram óleo de peixe apresentaram um risco de crupe de 11%, em comparação com 17% entre crianças cujas mães tomaram azeite de oliva. Crianças cujas mães tomaram altas doses de vitamina D apresentaram um risco de crupe de 11%, em comparação com um risco de 18% observado naquelas cujas mães tomaram a dose padrão de vitamina D.

Pode ser hora de começar a recomendar esse regime para mulheres grávidas, disse Brustad.

“Sempre queremos que mais estudos confirmem os resultados antes de mudar as diretrizes, mas os suplementos são considerados relativamente seguros e baratos, pelo que essa pode ser uma estratégia potencial de baixo custo contra uma das doenças respiratórias mais comuns da infância”, disse Brustad.

Os achados foram apresentados recentemente na reunião anual da Sociedade Respiratória Europeia, em Barcelona. Achados apresentados em reuniões médicas devem ser considerados preliminares até serem publicados em um periódico revisado por colegas.

Dr. James Antoon, professor adjunto de pediatria do Hospital Pediátrico Monroe Carell Jr. em Vanderbilt, Nashville, Tennessee, rotineiramente trata crianças com crupe.

“Crupe é extremamente comum”, disse Antoon. “É causada por inflamação na garganta quando as vias aéreas começam a se fechar.”

Não pressione imediatamente o botão de pânico quando ouvir a tosse latida, disse ele. “Considere procurar atendimento médico quando os sintomas estiverem aparecendo enquanto a criança estiver em repouso ou se ela parecer estar tendo dificuldade para respirar”, sugeriu Antoon.

Algumas crianças podem ser tratadas com segurança em casa, mas outras podem precisar de tratamento mais agressivo.

“Um tratamento respiratório no hospital elimina a inflamação no curto prazo e, em seguida, administramos esteroides orais de ação prolongada para evitar que a inflamação se reacumule”, disse Antoon.

Ele acrescentou que a única maneira de prevenir crupe é prevenir a doença viral. Isso significa lavar as mãos regularmente, cobrir a boca ao tossir e ficar em casa quando estiver doente, muitas das coisas que foram aplicadas durante a fase inicial da pandemia. Elas funcionam, disse ele.

“Durante o início da pandemia, observamos uma diminuição muito notável nos casos de crupe em crianças”, observou Antoon. “Foi sem precedentes e muito impressionante.”

Mais informações

A Academia Americana de Pediatria tem mais informações sobre o tratamento de crupe em crianças.

FONTES: Nicklas Brustad, PhD, médico, pesquisador de pós‑doutorado, Copenhagen Prospective Studies on Asthma in Childhood, Hospital Universitário de Copenhague, Dinamarca; Dr. James Antoon, PhD, MPH, professor adjunto, pediatria, departamento de medicina hospitalar, Hospital Pediátrico Monroe Carell Jr. em Vanderbilt, Nashville, Tennessee; reunião anual da Sociedade Respiratória Europeia, Barcelona, 4 a 6 de setembro de 2022