Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Dieta à base de plantas pode ajudar a afastar o câncer de mama

Notícias
22/00/22 By Alan Mozes HealthDay Reporter

QUARTA-FEIRA, 22 de junho de 2022 (HealthDay News) – Uma nova pesquisa francesa indica que mulheres que seguem uma dieta saudável à base de plantas após a menopausa parecem enfrentar um risco substancialmente menor de câncer de mama.

Depois de acompanhar mais de 65.000 mulheres por duas décadas, os investigadores descobriram que aquelas que consumiam uma dieta saudável, principalmente à base de plantas, viram seu risco de desenvolver qualquer tipo de câncer de mama cair em média 14%.

Mas a ênfase está em “saudável”. O risco de câncer de mama caiu apenas entre mulheres cujas dietas incluíam uma quantidade significativa de grãos integrais, frutas, vegetais, nozes, legumes, óleos vegetais e chá ou café, mesmo que carne vermelha e de aves ocasionalmente aparecessem consideradas na equação.

Por outro lado, nenhum benefício protetor foi observado entre mulheres mais velhas cuja dieta primariamente à base de plantas foi considerada relativamente não saudável, devido a uma grande quantidade de sucos de frutas açucarados, grãos refinados, batatas, bebidas açucaradas e/ou sobremesas. Na verdade, essas mulheres viram o seu risco de câncer de mama aumentar em cerca de 20%.

A autora principal do estudo, Sanam Shah, disse que os achados “destacam que aumentar o consumo de alimentos vegetais saudáveis e diminuir o consumo de alimentos vegetais menos saudáveis pode ajudar a prevenir todos os tipos de câncer de mama”.

Mas a ressalva, ela acrescentou, é clara: “Nem todas as dietas à base de plantas são igualmente saudáveis.”

Considerando que, em geral, “dietas excluindo carne geralmente têm uma imagem de saúde ‘positiva’”, algumas pessoas podem achar essa conclusão surpreendente, disse Shah, uma estudante de PhD em epidemiologia na Universidade de Paris-Saclay, na França.

Mas Shah e seus colegas não se concentraram em mulheres que cortaram a carne completamente. Nenhuma das mulheres era vegetariana ou vegana.

Em vez disso, os investigadores se concentraram em mulheres cujas dietas incluíam carne e aves, enquanto ainda eram principalmente à base de plantas.

Eles então investigaram se alimentos vegetais mais saudáveis apresentavam um impacto diferente no risco de câncer de mama em comparação com opções menos saudáveis, um ângulo normalmente negligenciado em investigações anteriores.

Para o estudo, as participantes francesas do sexo feminino (idade média de 53 anos) preencheram questionários nutricionais em 1993 e, novamente, em 2005.

As mulheres foram classificadas como seguindo uma dieta principalmente à base de animais ou uma dieta principalmente à base de plantas.

Durante um período médio de acompanhamento de cerca de 21 anos, quase 4.000 mulheres desenvolveram câncer de mama.

A equipe do estudo descobriu que aquelas que costumavam comer os alimentos à base de plantas mais saudáveis enfrentaram um risco notavelmente menor de câncer de mama; aquelas que consumiram as dietas à base de plantas menos saudáveis viram seu risco aumentar consideravelmente.

Quanto ao motivo, Shah teorizou que o alto teor de fibras de dietas mais saudáveis à base de plantas “pode diminuir o risco de câncer por meio de efeitos anti‑inflamatórios e antioxidantes”.

Mas ela também enfatizou que são necessárias mais pesquisas, já que “os mecanismos causais da ligação entre dietas saudáveis à base de plantas e o risco de câncer de mama ainda precisam ser inteiramente determinados”.

Shah também alertou que ainda não está claro se os achados podem ser aplicados a mulheres mais jovens. Isso porque “existem diferenças entre os cânceres de mama na pré‑menopausa e na pós‑menopausa em relação ao desenvolvimento de câncer de mama”.

Os resultados do estudo foram apresentados por Shah on-line na terça‑feira na reunião anual da Sociedade Americana de Nutrição (American Society for Nutrition). Os achados devem ser considerados preliminares até serem publicados em um periódico médico revisado por colegas.

Lona Sandon, especialista em nutrição em Dallas, concordou que são necessárias mais pesquisas.

Ainda assim, adotar uma dieta saudável à base de plantas é quase sempre uma vantagem, especialmente para aqueles que começam jovens, disse Sandon, diretora do programa de nutrição clínica na Escola de Profissões da Saúde do Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas (School of Health Professions at University of Texas Southwestern Medical Center). Ela não participou do estudo.

“O que distingue entre um alimento saudável à base de plantas e um alimento não saudável à base de plantas é, em grande parte, o método de processamento ou preparação”, observou Sandon. “Em geral, quanto mais processamento, maior perda de qualidade devido a alterações nos nutrientes ou ingredientes adicionados.”

Com essa distinção em mente, “parece não haver uma desvantagem em escolher alimentos à base de plantas minimamente processados para qualquer pessoa quando se trata do risco de câncer”, acrescentou ela.

“No entanto, precisamos ser realistas quanto às expectativas”, alertou Sandon. “Se você esperar até completar 55 anos, células danificadas ou cancerosas podem já ter começado a progredir. Portanto, seu benefício de reduzir o risco provavelmente será muito menor em comparação com se você mantivesse uma dieta saudável à base de plantas desde os 20 anos de idade.”

Mais informações

Há mais informações sobre dietas à base de plantas e câncer na Cleveland Clinic.

FONTES: Sanam Shah, MBBS, FCPS, MPH, estudante de PhD, epidemiologia, Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Saúde da População, Universidade de Paris‑Saclay, França; Lona Sandon, PhD, RDN, LD, diretora do programa e professora adjunta, departamento de nutrição clínica, Escola de Profissões da Saúde, Centro Médico do Sudoeste da Universidade do Texas, Dallas; reunião virtual da Sociedade Americana de Nutrição, 14 a 16 de junho de 2022