Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link
Comparação de métodos contraceptivos

Comparação de métodos contraceptivos

Método

Conveniência

Efeitos colaterais

Outras considerações

Métodos hormonais

Implantes exigem ação apenas uma vez a cada três anos.

O médico insere uma pequena haste contendo progestina sob a pele da parte interna do braço.

Menstruações irregulares ou ausentes durante o primeiro ano

Dores de cabeça e ganho de peso

As restrições de uso geralmente são menores que para contraceptivos contendo estrogênio.

Uma incisão é necessária para remover o implante.

Uma injeção é dada por um médico a cada três meses.

Sangramento irregular (menstruações que ocorrem com mais ou menos frequência), que ocorre com menos frequência com o passar do tempo

Depois de dois anos, muitas vezes ausência de menstruação enquanto as injeções estão sendo usadas

Ganho de peso, dor de cabeça e redução temporária na densidade óssea

Os DIUs com liberação de levonorgestrel exigem que uma ação seja tomada apenas uma vez a cada três ou cinco anos, dependendo do tipo usado.

Os DIUs são colocados e removidos por um médico.

Sangramento irregular e/ou ausência de menstruação

Raramente, perfuração do útero

Ocasionalmente, o DIU é expelido.

Ação diária costuma ser necessária.

Com contraceptivos orais combinados (estrogênio mais uma progestina), a mulher normalmente toma o contraceptivo todos os dias por três semanas, seguido por um comprimido inativo todos os dias por uma semana.

Contraceptivos orais apenas com progestina são tomados todos os dias no mesmo horário.

Uma consulta ao médico é necessária periodicamente para renovar a receita.

Contraceptivos orais combinados: Sangramento intermenstrual (normalmente apenas durante os primeiros meses de uso)

Náusea, inchaço, retenção de líquidos, maior pressão arterial, sensibilidade das mamas, dores de cabeça e ganho de peso

Maior risco de coágulos sanguíneos

Contraceptivos orais apenas com progestina: Efeitos colaterais semelhantes aos dos implantes contraceptivos

Mulheres fumantes com mais de 35 anos não devem usar contraceptivos orais.

Mulheres que tomam contraceptivos orais têm menos propensão a ter cólicas menstruais, distúrbio disfórico pré-menstrual (uma forma grave de tensão pré-menstrual), acne e sangramento uterino anômalo. Elas também estão menos propensas a ter osteoporose e vários tipos de câncer (por exemplo, câncer de endométrio ou câncer de ovário).

A mulher aplica um novo adesivo a cada três semanas, então o remove por uma semana.

Uma consulta ao médico é necessária periodicamente para renovar a receita.

Similar às dos contraceptivos orais

Irritação na pele no local de aplicação

As restrições são similares às dos contraceptivos orais.

Dependendo de quando a mulher começa a usar o adesivo, é possível que ela precise usar um método contraceptivo de apoio durante a primeira semana de uso.

A mulher coloca um anel uma vez a cada três semanas, então o remove por uma semana. Alternativamente, ela pode deixar o anel no lugar por quatro ou até cinco semanas, então removê-lo e substituir por um novo. Um novo anel é usado a cada vez.

Uma consulta ao médico é necessária periodicamente para renovar a receita.

Em geral, similar ao de contraceptivos orais, exceto que sangramento irregular costuma ser menos frequente com o anel

As restrições são similares às dos contraceptivos orais.

Dependendo de quando a mulher começa a usar o anel, é possível que ela precise usar um método contraceptivo de apoio durante a primeira semana de uso.

Os anéis podem ser expelidos. Se eles forem expelidos e recolocados no prazo de três horas, nenhum método contraceptivo de apoio é necessário.

Métodos de barreira

A mulher pode colocar um capuz cervical até 40 horas antes da relação sexual. Ele deve ser deixado no lugar por, pelo menos, seis horas após a relação, mas não por mais de 48 horas.

Reações alérgicas e irritação na pele

Esse método não pode ser usado durante a menstruação.

Os homens aplicam um preservativo imediatamente antes de cada relação sexual.

Os preservativos femininos são colocados na vagina, e o pênis é cuidadosamente conduzido para dentro do preservativo.

Os preservativos são descartados após um uso.

Os preservativos estão disponíveis para venda livre.

Reações alérgicas e irritação

Os preservativos de látex são o único método contraceptivo que oferece proteção contra todas as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) comuns, incluindo a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). Os preservativos feitos de um material sintético, como poliuretano, poli-isopreno ou borracha de silicone fornecem alguma proteção, mas eles são mais finos e têm mais propensão a se romper.

Os preservativos devem ser usados corretamente para serem eficazes.

Esse método exige cuidado e cooperação do parceiro sexual.

A mulher coloca a esponja antes da relação sexual. A esponja pode ser colocada com antecedência e é eficaz por 24 horas. Ela deve ser deixada no lugar por, pelo menos, seis horas após a relação sexual. Ela é descartada após um uso.

As esponjas estão disponíveis para venda livre.

Reações alérgicas e secura ou irritação vaginal

Às vezes, pode ser difícil remover a esponja. Elas devem ser removidas depois de 30 horas.

As esponjas são menos eficazes que diafragmas.

Diafragma com creme ou gel espermicida (que mata os espermatozoides)

A mulher coloca o diafragma antes da relação sexual. O diafragma deve ser deixado no lugar por, pelo menos, seis a oito horas, até 24 horas. Na maioria dos diafragmas, o médico ajusta o diafragma e verifica o ajuste, pelo menos, uma vez por ano e após o parto. O diafragma SILCS é uma exceção, uma vez que o diafragma SILCS é um contraceptivo de barreira descartável que não precisa ser ajustado por um médico.

O creme ou gel espermicida usado com um diafragma pode fazer com que a colocação seja complicada.

Reações alérgicas, irritação e infecções do trato urinário

Depois da colocação inicial do diafragma, mais creme ou gel deve ser colocado na vagina antes de cada relação sexual.

Outros métodos

DIU de cobre

Os DIUs de cobre exigem que uma ação seja tomada apenas uma vez a cada dez anos.

Os DIUs são colocados e removidos por um médico.

Sangramento e/ou dor

Raramente, perfuração do útero

Ocasionalmente, o DIU é expelido.

A mulher monitora seus dias férteis

  • Usando um calendário

  • Verificando o muco cervical quase todos os dias

  • Verificar o muco cervical mais a temperatura corporal e outros sintomas quase todos os dias

Nenhuma

Esse método exige diligência da mulher e abstinência sexual vários dias por mês. É menos eficaz para mulheres com ciclos menstruais irregulares.

Coito interrompido

Os homens retiram o pênis da vagina antes da ejaculação.

Autocontrole e momento preciso são necessários.

Nenhuma

Esse método é menos eficaz que outros métodos, porque os espermatozoides podem ser liberados antes da ejaculação e porque o homem talvez não consiga retirar o pênis antes de ejacular.