honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Spotlight on Aging: Delirium

Spotlight on Aging: Delirium

O delirium é mais comum entre os idosos. É um motivo comum entre os familiares de idosos que procuram o auxílio de um médico ou de um hospital. Cerca de 15 a 50% das pessoas mais velhas passam por um quadro de delirium em algum momento durante a internação hospitalar.

Causas

Em pessoas idosas, o delirium pode resultar de qualquer quadro clínico que o cause em pessoas mais jovens. Mas também pode resultar de quadros clínicos menos graves, como os apresentados a seguir:

Determinadas alterações relacionadas à idade fazem com que pessoas mais velhas fiquem mais susceptíveis a desenvolver delirium. Essas alterações incluem

  • Aumento da sensibilidade a medicamentos

  • Alterações no cérebro

  • Presença de quadros clínicos que aumentam o risco de delirium

Medicamentos: As pessoas idosas são mais sensíveis aos efeitos de muitos medicamentos. Em idosos, os medicamentos que afetam a maneira como o cérebro trabalha, como sedativos, são a causa mais comum de delirium. No entanto, os medicamentos que não afetam o funcionamento do cérebro, incluindo muitos medicamentos sem receita (especialmente anti-histamínicos), também podem causar isso. As pessoas idosas são mais sensíveis aos efeitos anticolinérgicos que muitos desses medicamentos têm. Um desses efeitos é a confusão.

Mudanças no cérebro relacionadas à idade: O delirium ocorre mais frequentemente em pessoas idosas, em parte porque algumas mudanças relacionadas à idade no cérebro as tornam mais suscetíveis. Por exemplo, as pessoas idosas tendem a ter menos células cerebrais e níveis mais baixos de acetilcolina, uma substância que permite que as células do cérebro se comuniquem umas com as outras. Qualquer estresse (devido a um medicamento, doença ou situação) que faça com que o nível de acetilcolina diminua ainda mais pode tornar mais difícil o funcionamento do cérebro. Assim, em pessoas idosas, esses estresses são particularmente propensos a causar delirium.

Outras situações: As pessoas idosas também são mais propensas a terem outros quadros clínicos que as tornam mais suscetíveis ao delirium, como:

  • Acidente vascular cerebral

  • Demência

  • Doença de Parkinson

  • Outras doenças que causam a degeneração dos nervos

  • O uso de três ou mais medicamentos

  • Desidratação

  • Desnutrição

  • Imobilidade

O delirium é muitas vezes o primeiro sinal de outra doença e por vezes, uma doença grave.

Sintomas

O delirium tende a durar mais tempo em pessoas idosas.

A confusão, o sintoma mais óbvio, pode ser mais difícil de ser reconhecida em idosos. As pessoas mais jovens com delirium podem estar agitadas, mas as pessoas muito idosas tendem a ficar quietas e retraídas. Nesses casos, fica ainda mais difícil fazer o reconhecimento do delirium.

Se ocorrer o desenvolvimento de uma psicose em pessoas idosas, isso normalmente indica delirium ou demência. Uma psicose devido a um problema psiquiátrico raramente se inicia na velhice.

As pessoas idosas são mais propensas a ter demência, o que torna mais difícil identificar o delirium. Ambas causam confusão. Os médicos tentam distinguir as duas, determinando quão rapidamente a confusão se desenvolveu e qual era o funcionamento mental da pessoa anteriormente. Os médicos também fazem uma série de perguntas para a pessoa, as quais testam vários aspectos do pensamento (exame do estado mental). Por conseguinte, os médicos tratam as pessoas cuja função mental se agrava de repente, mesmo quando têm demência, como se sofressem de delirium, até que se demonstre o contrário. Ter demência aumenta o risco de desenvolver delirium, e algumas pessoas têm ambos.

Tratamento

O delirium e a hospitalização que geralmente é exigida podem causar muitos outros problemas, como desnutrição, desidratação e úlceras de decúbito. Esses problemas podem ter consequências graves em pessoas idosas. Assim, pessoas idosas podem se beneficiar do tratamento gerido por uma equipe interdisciplinar que inclua um médico, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, enfermeiros e assistentes sociais.

Prevenção

Para ajudar a evitar delirium em uma pessoa mais velha durante sua hospitalização, os membros da família podem solicitar ajuda à equipe do hospital realizando o seguinte:

  • Incentivando a pessoa a se deslocar regularmente

  • Colocando um relógio e um calendário no quarto

  • Minimizando as interrupções e os ruídos durante a noite

  • Certificando-se de que a pessoa come e bebe o suficiente

Os familiares podem visitar e falar com a pessoa e, assim, ajudar a manter a pessoa orientada. As pessoas com delirium podem ter medo, e a voz familiar de um membro da família pode ter um efeito calmante.