Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Fatores de risco para reações adversas medicamentosas

Por

Daphne E. Smith Marsh

, PharmD, BC-ADM, CDE , College of Pharmacy, University of Illinois at Chicago

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Muitos fatores podem aumentar a probabilidade de uma reação adversa medicamentosa (quaisquer efeitos indesejados de um medicamento). Incluem

  • Fatores hereditários

  • Determinadas doenças

  • Uso simultâneo de diversos medicamentos

  • Ser muito jovem ou muito idoso

  • Gravidez

  • Amamentação

Fatores hereditários tornam algumas pessoas mais susceptíveis aos efeitos tóxicos de certos medicamentos.

Certas doenças podem alterar a absorção de medicamentos, bem como seu metabolismo, eliminação, além da resposta do corpo a medicamentos ( Interações medicamentosas : Interações entre medicamento e doença), aumentando o risco de reações adversas medicamentosas.

Como as interações entre corpo e mente, como a atitude mental, aparência, confiança em si mesmo e confiança nos profissionais de saúde, influenciam as reações adversas medicamentosas permanece um campo ainda muito pouco explorado.

Uso de vários medicamentos

Utilizar vários medicamentos, sejam prescritos ou de venda livre, contribui para o risco de ocorrer uma reação adversa medicamentosa. O número e a gravidade das reações adversas medicamentosas aumentam desproporcionalmente ao aumento no número de medicamentos tomados. O uso de álcool, o que é tecnicamente um medicamento, também aumenta o risco. Pedir a um médico ou farmacêutico para avaliar periodicamente todos os medicamentos que uma pessoa está utilizando e fazer os ajustes apropriados pode reduzir o risco de uma reação adversa medicamentosa.

Você sabia que...

  • Nos Estados Unidos, 3 a 7% de todas as hospitalizações são para o tratamento de reações adversas medicamentosas.

Idade

Bebês e crianças muito jovens estão em alto risco de reações adversas medicamentosas devido ao fato de sua capacidade de metabolizar medicamentos não estar totalmente desenvolvida. Por exemplo, recém-nascidos não podem metabolizar e eliminar o antibiótico cloranfenicol. Os recém-nascidos que recebem esse medicamento podem desenvolver síndrome do bebê cinzento, uma reação grave e, muitas vezes, fatal. Se tetraciclina, outro antibiótico, for dada a lactentes e crianças pequenas durante o período em que os dentes estão sendo formados (até cerca de oito anos de idade), pode haver descoloração permanente do esmalte do dente. Crianças menores de 18 anos estão em risco de síndrome de Reye se lhes for dada aspirina enquanto estão com gripe ou catapora.

As pessoas idosas estão em alto risco de ter uma reação adversa medicamentosa por vários motivos ( Medicamentos e envelhecimento). Elas são propensas a ter muitos problemas de saúde e, assim, podem estar tomando vários medicamentos de venda livre ou prescritos. Além disso, conforme as pessoas envelhecem, o fígado se torna menos capaz de metabolizar muitos medicamentos e os rins menos capazes de eliminar os medicamentos do corpo, o que aumenta o risco de lesão renal medicamentosa e outras reações adversas medicamentosas. Esses problemas relacionados à idade são muitas vezes agravados pela desnutrição e desidratação, que tendem a se tornar mais comuns conforme as pessoas envelhecem.

As pessoas idosas também são mais sensíveis aos efeitos de muitos medicamentos. Por exemplo, as pessoas idosas são mais propensas a apresentarem tontura, perda de apetite, depressão, confusão e dificuldade de coordenação, o que as coloca em risco de caírem e fraturarem um osso. Medicamentos capazes de causar essas reações incluem muitos anti-histamínicos, soníferos, ansiolíticos, anti-hipertensivos e antidepressivos (veja a tabela Alguns medicamentos particularmente propensos a causar problemas em idosos).

Gravidez e amamentação

Muitos medicamentos, por exemplo, anti-hipertensivos, como inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) e bloqueadores dos receptores da angiotensina II (BRAs) representam um risco à saúde e ao desenvolvimento normal de um feto. Na medida do possível, mulheres grávidas não devem tomar nenhum medicamento, especialmente durante o primeiro trimestre (veja a tabela Alguns medicamentos que causam problemas durante a gravidez). No entanto, para alguns medicamentos, incluindo os inibidores da ECA e BRAs, o risco é maior durante o último trimestre da gravidez. O uso de quaisquer medicamentos prescritos, medicamentos de venda livre e suplementos alimentares (incluindo ervas medicinais) durante a gravidez requer a supervisão de um médico. Drogas sociais (álcool e nicotina) e drogas ilícitas (cocaína e opioides, como a heroína) também trazem riscos para a gestação e para o feto.

Medicamentos e ervas medicinais podem ser transmitidos através do leite materno para o bebê ( Uso de medicamentos/drogas durante a amamentação). Alguns medicamentos não devem ser tomados por mulheres que estão amamentando, enquanto outros podem ser tomados, mas requerem a supervisão de um médico. Alguns medicamentos não costumam prejudicar o bebê amamentado. No entanto, mulheres que estão amamentando devem consultar um profissional de saúde antes de tomarem qualquer medicamento. Drogas sociais e ilícitas podem prejudicar um bebê em fase de amamentação.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Inaladores
Vídeo
Inaladores
Algumas pessoas sentem dificuldade para respirar devido a uma doença que cause constrição...
Considerações gerais sobre a absorção, metabolismo e excreção...
Vídeo
Considerações gerais sobre a absorção, metabolismo e excreção...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS