Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Ceratoconjuntivite seca

(Olho seco; Ceratite Seca)

Por

Melvin I. Roat

, MD, FACS, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa out 2018| Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A ceratoconjuntivite seca é a secura da conjuntiva (membrana que reveste a pálpebra e cobre o branco do olho) e da córnea (camada transparente na frente da íris e da pupila).

  • São produzidas bem poucas lágrimas, ou as lágrimas podem evaporar muito rápido.

  • Os olhos ficam irritados e sensíveis à luz e podem coçar e queimar.

  • A produção de lágrimas pode ser medida ao se colocar uma tira de papel na borda da pálpebra.

  • Lágrimas artificiais e plugs de pontos lacrimais ajudam a aliviar os sintomas.

O interior do olho

O interior do olho

Causas

Os olhos secos podem ter como causa a produção inadequada de secreção lacrimal (olhos secos e anômalos na composição aquosa da lágrima). Com esse tipo de doença, as glândulas lacrimais não produzem lágrimas suficientes para cobrir na totalidade a conjuntiva e a córnea com uma camada completa de lágrimas. Esse é o tipo mais comum em mulheres na pós-menopausa. Olhos secos são comuns na síndrome de Sjögren. Raramente, olhos secos e anômalos na composição aquosa da lágrima podem ser sintomas de doenças como artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico (lúpus).

A secura dos olhos também pode ser consequência de uma anomalia na composição das lágrimas, que resulta na sua rápida evaporação das lágrimas (olhos secos evaporativos). Apesar de as glândulas lacrimais produzirem uma quantidade suficiente de lágrimas, o grau de evaporação é tão rápido que toda a superfície do olho não consegue se manter coberta com uma camada completa de lágrimas durante algumas atividades ou em determinados ambientes.

A secura também pode ser resultado de os olhos estarem parcialmente abertos por algum tempo à noite (lagoftalmo noturno) ou devido a uma taxa insuficiente de piscadas (como ocorre na doença de Parkinson).

Sintomas

Os sintomas do olho seco são irritação, sensações de ardor, prurido e peso sobre as pálpebras, pressão na zona posterior do olho e sensação de areia nos olhos ou uma sensação de ter um objeto estranho no olho. As lesões disseminadas pela superfície do olho aumentam a sensação de incômodo e a sensibilidade à luz intensa. Os sintomas ficam piores

  • Com atividades nas quais a frequência do piscar diminui, sobretudo aquelas que requerem um grande esforço visual, como leitura, trabalhar no computador, dirigir ou ver televisão.

  • Em locais com vento ou poeira, ou áreas de fumantes e ambientes secos como no interior de aviões e em shopping centers; em áreas de baixa umidade; e espaços com ar condicionado (principalmente nos automóveis) ou quando ventiladores ou aquecedores estão sendo usados.

  • O uso de alguns medicamentos, como a isotretinoína, e alguns tranquilizantes, diuréticos, anti-hipertensivos, contraceptivos orais e anti-histamínicos, e outros medicamentos com efeitos anticolinérgicos

Os sintomas melhoram nos dias frios, chuvosos e nublados e em locais úmidos, como no chuveiro.

Mesmo no caso mais grave de olhos secos, é raro a perda de visão. No entanto, as pessoas acham que a visão embaçada ou a irritação na vista é tão grave, frequente e prolongada que será difícil que volte a funcionar normalmente. Em algumas pessoas com secura grave, a superfície da córnea fica mais espessa e podem surgir úlceras e cicatrizes. Por vezes, os vasos sanguíneos podem crescer através da córnea. As cicatrizes e o crescimento dos vasos sanguíneos podem comprometer a visão.

Diagnóstico

  • Teste de Schirmer e exame do tempo de ruptura do filme lacrimal

Os médicos diagnosticam os olhos secos pelos sintomas e aparência dos olhos e pela realização de alguns exames.

O médico examina os olhos usando uma lâmpada de fenda (instrumento que permite examinar o olho em alta resolução) para determinar se houve lesão ocular. Durante o exame, o médico pode aplicar colírios que contêm um corante amarelo-esverdeado chamado fluoresceína. A fluoresceína temporariamente cora as áreas danificadas da córnea, tornando possível a visualização daquelas que não são visíveis.

O teste de Schirmer – no qual se coloca uma tira de papel de filtro na borda da pálpebra – é utilizado para medir a quantidade de lágrimas produzidas nos 5 minutos de duração do teste.

Também pode avaliar quanto tempo leva para o olho ficar seco quando a pessoa olha fixo (chamado tempo de ruptura lacrimal).

Tratamento

  • Lágrimas artificiais

  • Colírios a base de ciclosporina

  • Plug de ponto lacrimal

As lágrimas artificiais aplicadas em intervalos curtos podem controlar o problema. Lágrimas artificiais são colírios preparados com substâncias que simulam lágrimas reais e ajudam a manter os olhos cobertos com mais umidade. Pomadas lubrificantes aplicadas antes de dormir duram mais do que as lágrimas artificiais e ajudam a evitar a secura pela manhã. Essas pomadas não devem ser usadas durante o dia porque podem embaçar a visão.

Colírios que contêm ciclosporina podem reduzir a inflamação associada à secura. Esses colírios ardem e levam meses antes de se perceber o efeito. A inflamação pode diminuir de modo significativo, embora o colírio funcione apenas em uma parcela da população. Evitar ambientes secos e correntes de ar e fumaça e utilizar umidificadores também pode ajudar.

Um oftalmologista (médico especializado na avaliação e tratamento—cirúrgico e não cirúrgico—de doenças oculares) pode fazer um procedimento em consultório para ajudar o paciente com olhos secos. Durante o procedimento, o oftalmologista insere plugs nos pontos lacrimais (pequenos orifícios no canto interno das pálpebras perto do nariz) para evitar que as lágrimas saiam do olho bloqueando o fluxo de lágrimas da superfície do olho através do canal lacrimal para dentro do nariz. Deste modo mais lágrimas estarão acessíveis por mais tempo para lavar os olhos. Nas pessoas com olhos muito secos, as pálpebras podem ser suturadas parcialmente, para diminuir a evaporação das lágrimas.

Se uma pessoa tiver blefarite, ela é tratada com medidas como compressas quentes, massagem e dispositivos de aquecimento, esfoliações da pálpebra e, às vezes, antibióticos orais.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Miopia e hipermetropia
Vídeo
Miopia e hipermetropia
Durante a visão normal, a luz passa através da córnea, a camada clara que cobre o olho e,...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Neurite óptica
Modelo 3D
Neurite óptica

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS