Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH)

(Síndrome hiperosmolar não cetótica; coma hiperosmolar não cetótico)

Por

Erika F. Brutsaert

, MD, New York Medical College

Última revisão/alteração completa mai 2019| Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

O estado hiperglicêmico hiperosmolar é uma complicação do diabetes mellitus que costuma ocorrer no diabetes tipo 2.

  • Os sintomas do estado hiperglicêmico hiperosmolar incluem desidratação extrema e confusão.

  • O estado hiperglicêmico hiperosmolar é diagnosticado por meio de exames de sangue que mostram níveis muito elevados de glicose e sangue muito concentrado.

  • O tratamento é com líquidos intravenosos e insulina.

  • As complicações incluem coma, convulsões e morte.

(Consulte também Diabetes Mellitus.)

Existem dois tipos de diabetes mellitus: tipo 1 e tipo 2. No diabetes tipo 1, o organismo quase não produz insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas que faz com que o açúcar (glicose) seja transportado do sangue para dentro das células. No diabetes tipo 2, o organismo produz insulina, mas as células não respondem normalmente à insulina. Em ambos os tipos de diabetes, a quantidade de açúcar (glicose) no sangue está elevada.

Se as pessoas com diabetes tipo 1 não receberem insulina, ou necessitarem de mais insulina devido a uma doença, as células adiposas começam a se decompor para fornecer energia. As células adiposas que se decompõem produzem substâncias chamadas cetonas. As cetonas fornecem alguma energia para as células, mas também tornam o sangue muito ácido (cetoacidose). A cetoacidose diabética é uma doença perigosa e, às vezes, potencialmente fatal.

Uma vez que as pessoas com diabetes tipo 2 produzem um pouco de insulina, elas geralmente não apresentam cetoacidose mesmo quando o diabetes tipo 2 fica sem tratamento por bastante tempo. No entanto, no estado hiperglicêmico hiperosmolar, o valor da glicemia pode ficar extremamente alto (às vezes ultrapassando 1.000 mg por decilitro de sangue ou 55,5 milimoles por litro [mmol/l] de sangue). Esses níveis muito elevados de glicose no sangue levam a pessoa a expelir um alto volume de urina, o que acaba causando uma desidratação grave, fazendo com que o sangue da pessoa fique excepcionalmente concentrado (hiperosmolar). Assim, o distúrbio é denominado estado hiperglicêmico hiperosmolar.

Causas

O estado hiperglicêmico hiperosmolar pode ocorrer por dois motivos principais

  • As pessoas suspendem os medicamentos para seu diabetes

  • Uma infecção ou outra doença que causa estresse ao organismo

Além disso, determinados medicamentos, como corticosteroides, podem aumentar os valores da glicemia e causar o estado hiperglicêmico hiperosmolar. Medicamentos, como os diuréticos, que as pessoas frequentemente tomam para tratar hipertensão arterial, podem piorar a desidratação e desencadear o estado hiperglicêmico hiperosmolar.

Sintomas

O principal sintoma do estado hiperglicêmico hiperosmolar é uma alteração no estado mental. Essa alteração varia desde confusão leve e desorientação a sonolência e coma. Algumas pessoas apresentam convulsões e/ou paralisia parcial temporária parecendo um acidente vascular cerebral. Até 20% das pessoas morrem. Outros sintomas que podem surgir antes da alteração no estado mental incluem micção frequente e sede extrema.

Diagnóstico

  • Exames de sangue para medir o nível de glicose

O médico suspeita da presença de estado hiperglicêmico hiperosmolar quando uma pessoa que recentemente apresentou confusão tiver um nível muito elevado de glicose no sangue. Eles confirmam o diagnóstico realizando exames de sangue adicionais que mostram sangue muito concentrado e níveis baixos de cetonas ou acidez na corrente sanguínea.

Tratamento

  • Líquidos e eletrólitos administrados por via intravenosa

  • Insulina administrada na veia

O tratamento do estado hiperglicêmico hiperosmolar é bastante parecido com o da cetoacidose diabética. Os líquidos e eletrólitos têm de ser repostos por via intravenosa. As pessoas costumam receber insulina por via intravenosa para que ela possa agir rapidamente e para que a dose possa ser ajustada frequentemente. Os níveis de glicose no sangue precisam ser restabelecidos gradativamente até alcançarem o valor normal para evitar deslocamentos repentinos de líquido no cérebro. O nível de glicose no sangue tende a ser mais facilmente controlado do que na cetoacidose diabética, e os problemas de acidez do sangue não são graves.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Nefropatia diabética
Vídeo
Nefropatia diabética
Os rins são um par de pequenos órgãos em forma de feijão localizados na parte posterior do...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Como a insulina funciona
Modelo 3D
Como a insulina funciona

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS