Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Processo de doação de sangue

Por

Ravindra Sarode

, MD, The University of Texas Southwestern Medical Center

Última revisão/alteração completa fev 2020| Última modificação do conteúdo fev 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Pessoas saudáveis doam uma pequena quantidade de seu sangue para ser usado para transfusões de sangue. As pessoas geralmente doam cerca de 450 mililitros (aproximadamente menos de 1/10 da quantidade total de sangue no corpo) e, frequentemente, diferentes componentes do sangue (consulte Derivados do sangue) são separados e administrados a pessoas diferentes.

Todo o processo de doação de sangue total (isto é, sangue com todas as células componentes) leva cerca de uma hora. Os doadores devem ter pelo menos 17 anos de idade e pesar no mínimo 50 kg. Além disso, eles devem ser saudáveis. O pulso, a pressão arterial e a temperatura deles são medidos e uma amostra de sangue é examinada em busca de sinais de baixa contagem sanguínea (anemia). Os doadores respondem a uma série de perguntas sobre sua saúde, fatores que possam afetar sua saúde e países que já visitaram. Certos quadros clínicos e fatores podem desqualificar pessoas permanente ou temporariamente como doadores de sangue. Os fatores desqualificadores são aqueles que poderiam tornar a doação perigosa para o doador ou o risco de transmitir um distúrbio ao receptor. A decisão de aceitar ou desqualificar um doador pode ser complicada. A Cruz Vermelha norte-americana oferece informações detalhadas no seu website (consulte Exigências de elegibilidade para a doação de sangue).

Você sabia que...

  • Pouquíssimos distúrbios desqualificam uma pessoa permanentemente como doadora de sangue.

  • A maioria das pessoas pode acabar por doar sangue mesmo tendo sido desqualificadas de início, uma vez que muitos quadros clínicos desqualificadores são temporários.

  • O sangue doado é testado relativamente a muitas infecções. Assim, a chance de se contrair uma doença do sangue doado é muito pequena.

Tabela
icon

Alguns quadros clínicos que desqualificam pessoas como doadoras de sangue

Quadro clínico

Desqualificação permanente ou temporária

Comentários

Participação em certas atividades de alto risco

Permanente

Isso inclui qualquer teste positivo para HIV, sempre.

Atividades de alto risco incluem

  • Uso de drogas intravenosas (sempre).

  • Participação em sexo mediante compensação (sempre).

Atividades que aumentam o risco de infecção por HIV

Temporária

A FDA alterou as recomendações para alguns outros tipos de atividades de alto risco, as quais passaram de desqualificação permanente para temporária (por até doze meses) desde a última prática dessa atividade. As atividades incluem

  • Homens que praticam sexo com homens (HSH) e mulheres que praticam sexo com HSH.

  • Contato sexual com uma pessoa que já teve um teste de HIV positivo, já participou de sexo mediante compensação ou já usou drogas intravenosas.

Anemia (um nível baixo de hemoglobina no sangue)

Temporária

As pessoas podem doar sangue após a resolução da anemia.

Asma, grave

Permanente

Distúrbios hemorrágicos, congênitos

Permanente

Cânceres envolvendo células sanguíneas (leucemia, linfoma ou mieloma, por exemplo)

Permanente

As pessoas não podem doar mesmo estando livres do câncer.

Cânceres, outros

Temporária

As pessoas podem doar se estiverem livres do câncer e o tratamento tiver sido concluído há mais de doze meses.

As pessoas com formas brandas e tratáveis (tais como pequenos cânceres de pele) podem doar antes do prazo de doze meses.

Medicamentos (alguns), tais como acitretina, dutasterida, etretinato, finasterida e isotretinoína

Temporária

Por quanto tempo as pessoas precisam esperar depende do medicamento.

A maioria dos medicamentos não desqualifica as pessoas como doadores.

Doenças cardíacas, graves

Permanente

Hepatite, doença

Permanente

Pessoas que já tiveram hepatite devido a um vírus não podem doar sangue.

Hepatite, exposição à

Temporária

As pessoas precisam esperar doze meses após a possível exposição (viver ou ter relações sexuais com uma pessoa com hepatite, por exemplo, ou ter sido encarcerado em uma prisão por mais de 72 horas, ter sofrido uma mordida humana com perfuração da pele).

Temporária

As pessoas podem doar após a pressão arterial ter sido controlada.

Exposição anterior a doenças causadas por príons, tais como a variante da doença de Creutzfeldt-Jakob (também chamada doença das vacas loucas)

Permanente

Pode ocorrer exposição quando

  • As pessoas usaram insulina derivada de vacas.

  • As pessoas estiveram na Europa desde a década de 1980 (abrangendo mais de três meses a cinco anos, dependendo do país)

  • Militares norte-americanos que viveram em bases na Europa por mais de seis meses durante 1980-1996.

Malária ou exposição à malária

Temporária

As pessoas precisam esperar um a três anos.

Gravidez

Temporária

As mulheres precisam esperar seis semanas após o parto.

Cirurgia de grande porte recente

Temporária

Tatuagens

Temporária

As pessoas devem esperar doze meses.

Transfusões

Temporária ou permanente

As pessoas que tiverem recebido transfusões nos Estados Unidos devem esperar doze meses.

Pessoas que receberam uma transfusão no Reino Unido desde 1980.

Vacinas (algumas)

Temporária

Por quanto tempo as pessoas precisam esperar depende da vacina.

Temporária

No caso de infecção por vírus Zika recente, a FDA norte-americana recomenda um período de espera de 120 dias a partir da resolução dos sintomas ou do último teste positivo, o que for mais longo.

A FDA não recomenda mais a triagem do doador para detecção de fatores de risco; em vez disso, todo o sangue doado é testado para pesquisar a presença do vírus Zika.

FDA = Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (Food and Drug Administration); HIV = vírus da imunodeficiência humana (human immunodeficiency virus).

Em geral, os doadores não podem doar sangue mais do que uma vez a cada 56 dias. A prática de oferecer pagamento a doadores de sangue praticamente desapareceu porque encorajava pessoas em necessidade a se apresentar como doadores e, às vezes, negar serem portadores de quadros clínicos que as desqualificariam.

Uma pessoa considerada elegível para doar sangue se senta em uma cadeira reclinável ou deita em uma maca. Um profissional de saúde examina a face interna do cotovelo da pessoa e determina qual veia usar. Depois de a área imediatamente ao redor da veia ser cuidadosamente limpa, é inserida uma agulha na veia e temporariamente fixada com uma cobertura estéril. É normal sentir uma sensação de picada quando a agulha é introduzida, mas o processo é de resto indolor. O sangue flui através da agulha e entra numa bolsa de coleta. A coleta real de sangue demora apenas cerca de dez minutos, mas todo o processo, desde o histórico de saúde até um breve período de recuperação demora cerca de uma hora.

A quantidade padrão de sangue aceita para doação é de cerca de 450 mililitros. O sangue recém-obtido é selado em bolsas de plástico contendo conservantes e um componente anticoagulante. Uma pequena amostra de cada doação é testada para detectar alguns organismos infecciosos.

Testagem do sangue doado em busca de sinais de infecção

As transfusões de sangue podem transmitir organismos infecciosos transportados pelo sangue do doador. É por isso que as autoridades sanitárias restringiram os critérios de elegibilidade para os doadores e tornaram a testagem do sangue meticulosa. Todas as doações de sangue são testadas em busca de infecções pelos organismos causadores de hepatites virais, AIDS e outros distúrbios virais selecionados (tais como infecções causadas pelo vírus Zika e o vírus do oeste do Nilo), doença de Chagas e sífilis.

Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS)

Nos Estados Unidos, o sangue doado é testado em busca do vírus da imunodeficiência humana (HIV), a causa da AIDS. A testagem não é 100% precisa porque não é positiva durante as primeiras semanas após a pessoa adquirir a infecção por HIV. Contudo, os doadores potenciais são entrevistados como parte do processo de triagem. Os entrevistadores fazem perguntas sobre fatores de risco para a AIDS como, por exemplo, se os possíveis doadores ou seus parceiros sexuais injetaram drogas ou tiveram relações com homens com parceiros do sexo masculino. Graças às análises do sangue e à entrevista de triagem, o risco de contrair infecção por HIV através de uma transfusão de sangue nos Estados Unidos é extremamente baixo: 1 em 1.500.000 a 2.000.000 de acordo com estimativas recentes.

Hepatite viral

O sangue doado é testado para detectar a presença de infecções pelos vírus causadores dos tipos de hepatite viral (tipos B e C) que são transmitidos através de transfusões de sangue.

Esses testes não conseguem identificar todos os casos de sangue infectado, mas com a testagem rigorosa e com os rigorosos procedimentos de triagem dos doadores, uma transfusão não representa praticamente risco nenhum de transmissão de hepatite C. O risco atual é de menos de 1 infecção para cada 2.000.000 de unidades de sangue transfundidas nos Estados Unidos.

A hepatite B continua a ser a doença potencialmente grave mais comumente transmitida por transfusões de sangue, hoje com um risco de cerca de 1 infecção para cada 1.000.000 de unidades de sangue transfundidas nos Estados Unidos.

Sífilis

As transfusões de sangue raramente transmitem sífilis. Além de os doadores de sangue serem triados e as doações testadas em busca do organismo causador da sífilis, o sangue doado também é refrigerado a baixas temperaturas, o que mata os organismos infecciosos.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS