Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Linfocitopenia

Por

Mary Territo

, MD, David Geffen School of Medicine at UCLA

Última revisão/alteração completa jan 2020| Última modificação do conteúdo jan 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

A linfocitopenia é um número anormalmente baixo de linfócitos (um tipo de glóbulo branco) no sangue.

  • Muitos distúrbios podem reduzir o número de linfócitos no sangue, mas infecções virais (incluindo AIDS) e desnutrição são os mais comuns.

  • As pessoas podem não apresentar sintomas ou podem ter febre e outros sintomas de uma infecção.

  • É usada uma amostra de sangue para se fazer o diagnóstico de linfocitopenia, mas pode ser necessária uma amostra de medula óssea ou de linfonodo para se determinar a causa.

  • Os médicos tratam a causa da linfocitopenia.

  • Algumas pessoas recebem gamaglobulina e algumas se beneficiam de transplante de células-tronco.

Os linfócitos são um tipo de glóbulo branco que desempenha diversas funções no sistema imunológico, incluindo a proteção contra bactérias, vírus, fungos e parasitas. Os linfócitos normalmente constituem cerca de 20 a 40% de todos os glóbulos brancos na corrente sanguínea. A contagem de linfócitos está normalmente acima de 1.500 células por microlitro de sangue (1,5 × 109 por litro) nos adultos e acima de 3.000 células por microlitro de sangue (3 × 109 por litro) nas crianças. Uma redução no número de linfócitos pode não causar uma diminuição observável do número total de glóbulos brancos.

Tipos de linfócitos

Existem três tipos de linfócitos:

  • Linfócitos B (células B):

  • Linfócitos T (células T):

  • Células natural killer (células NK)

Todos os três tipos têm funções importantes no sistema imunológico. A escassez de células B pode levar a uma redução do número de células plasmáticas que produzem anticorpos. A diminuição da produção de anticorpos pode causar um aumento de infecções bacterianas.

As pessoas com escassez de linfócitos T ou de células NK têm problemas para controlar certas infecções, especialmente virais, fúngicas e parasitárias. Deficiências linfocíticas graves podem resultar em infecções sem controle que podem ser fatais.

Causas

Diversos distúrbios e quadros clínicos, incluindo infecção por vírus como o vírus da imunodeficiência humana (HIV) – o vírus que causa a AIDS – e o vírus da gripe, podem reduzir o número de linfócitos no sangue. A linfocitopenia pode ser:

  • Aguda: ocorre brevemente durante certas doenças e depois geralmente se soluciona

  • Crônica: ocorre por períodos mais longos devido a distúrbios duradouros

Did You Know...

  • AIDS e desnutrição são as causas mais comuns de linfocitopenia crônica.

Causas de linfocitopenia aguda

O número de linfócitos pode diminuir temporariamente durante:

  • Certas infecções virais (como gripe e hepatite)

  • Jejum

  • Épocas de tensão física intensa

  • Uso de corticosteroides (como prednisona)

  • Quimioterapia e/ou radioterapia para câncer

Causas de linfocitopenia crônica

O número de linfócitos pode permanecer reduzido por um longo período quando as pessoas têm:

O número de linfócitos pode ficar muito reduzido permanentemente em certos distúrbios de imunodeficiência hereditária como a síndrome de DiGeorge, a síndrome de Wiskott-Aldrich, aimunodeficiência grave combinada e a ataxia-telangiectasia.

Sintomas

A linfocitopenia leve pode não causar nenhum sintoma. Às vezes, os sintomas da doença que causou a linfocitopenia podem estar presentes. Por exemplo, as pessoas podem apresentar:

  • Linfonodos aumentados e baço aumentado, sugerindo câncer ou infecção por HIV

  • Tosse, coriza e febre, sugerindo uma infecção viral respiratória

  • Tonsilas ou linfonodos pequenos, sugerindo um distúrbio hereditário do sistema imunológico

  • Articulações inchadas, dolorosas e erupção cutânea, sugerindo artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico

Um número drasticamente reduzido de linfócitos resulta em infecções repetidas por bactérias, vírus, fungos e parasitas e os sintomas dessas infecções variam amplamente, de acordo com o local de infecção e o micro-organismo específico.

Diagnóstico

  • Hemograma completo

A linfocitopenia leve é normalmente diagnosticada por acaso, quando um hemograma completo é feito por outras razões. O hemograma completo também é feito em pessoas com infecções graves ou recorrentes e em pessoas com infecções causadas por organismos que geralmente não causam infecções. Esse exame pode revelar linfocitopenia grave como explicação da razão pela qual a pessoa desenvolveu infecções incomuns ou recorrentes.

Quando o número de linfócitos está drasticamente reduzido, os médicos fazem um exame de sangue para detectar o vírus da imunodeficiência humana (HIV) e outras infecções e às vezes coletam uma amostra de medula óssea para examinar ao microscópio (exame da medula óssea).

O número de tipos específicos de linfócitos (células T, células B e células NK) no sangue também pode ser determinado. A diminuição de certos tipos de linfócitos pode ajudar os médicos a diagnosticar certos distúrbios, como AIDS, ou certos distúrbios de imunodeficiência hereditária.

Tratamento

  • Tratamento da causa

O tratamento de linfocitopenia depende principalmente da causa. A linfocitopenia causada por um medicamento geralmente começa a se resolver dias depois de a pessoa parar de tomar o medicamento. Se a linfocitopenia for resultado de AIDS, a terapia de combinação com pelo menos três medicamentos antivirais de diferentes classes pode aumentar o número de células T e prolongar a sobrevida.

Pode ser administrada gamaglobulina (uma substância rica em anticorpos) para ajudar a prevenir infecções em pessoas com escassez de células B (que, em consequência, apresentam deficiência na produção de anticorpos).

Pessoas com um distúrbio de imunodeficiência hereditária podem se beneficiar de um transplante de células-tronco.

Em caso de desenvolvimento de infecção, é administrado um antibiótico, antifúngico, antiviral ou antiparasítico específico direcionado contra o organismo infeccioso.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS