Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Esofagite eosinofílica

Por

Kristle Lee Lynch

, MD, Perelman School of Medicine at The University of Pennsylvania

Última revisão/alteração completa out 2020| Última modificação do conteúdo out 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

A esofagite eosinofílica é um distúrbio inflamatório no qual a parede do esôfago se enche de grandes números de eosinófilos, um tipo de glóbulo branco.

  • Esse distúrbio pode ser causado por alergias alimentares.

  • Crianças talvez se recusem a comer e percam peso, e os adultos podem vir a ter alimentos alojados no esôfago e dificuldade em engolir.

  • O diagnóstico toma por base os resultados de uma endoscopia e de uma biópsia que, às vezes, são acompanhadas por radiografias.

  • O tratamento inclui inibidores da bomba de próton, corticosteroides, mudanças na dieta e, às vezes, dilatação do esôfago.

O esôfago é um tubo oco que conecta a garganta (faringe) ao estômago. (consulte também Considerações gerais sobre o esôfago).

A esofagite eosinofílica pode começar em qualquer momento entre a infância e o começo da idade adulta. Ocasionalmente, ocorre em adultos idosos e é mais comum entre homens.

Os eosinófilos são um tipo de glóbulo branco que desempenha um papel importante na resposta do organismo a reações alérgicas, asma e infecção parasitária. A esofagite eosinofílica pode ser causada por uma reação alérgica a determinados alimentos em pessoas que apresentam fatores de risco genéticos. A reação alérgica causa uma inflamação que irrita o esôfago. Se não for tratada, a inflamação pode eventualmente causar o estreitamento (estenose) crônico do esôfago.

Sintomas

Bebês e crianças talvez se recusem a comer e apresentem vômitos, perda de peso e dor abdominal, dor torácica ou uma combinação desses.

Os adultos que apresentam estenose (normalmente aqueles com esofagite de longa data) costumam ter dificuldade em engolir (disfagia) e podem vir a ter alimentos alojados no esôfago (um quadro clínico denominado impactação alimentar esofágica). A pessoa pode apresentar sintomas semelhantes aos da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) particularmente azia (sensação de queimação atrás do osso esterno).

Com frequência, a pessoa também apresenta outros distúrbios alérgicos, como asma ou eczema.

Diagnóstico

  • Endoscopia e biópsia

  • Às vezes, radiografia com deglutição de bário

O médico suspeita que um diagnóstico de esofagite eosinofílica está presente no caso de pessoas de qualquer idade que têm outros distúrbios alérgicos e dificuldade em engolir alimentos sólidos. Essa suspeita de diagnóstico também ocorre no caso de pessoas que têm sintomas de DRGE que não desaparecem com tratamento tradicional.

Para diagnosticar o distúrbio, o médico visualiza o esôfago com um tubo flexível (endoscopia). Durante a endoscopia, o médico retira amostras de tecido para analisar em um microscópio (chamado biópsia).

Às vezes, o médico também realiza um exame de deglutição de bário. Nesse exame, a pessoa toma um líquido contendo bário antes de tirar a radiografia. O bário delineia o esôfago, facilitando a visualização das anormalidades.

É possível que o médico realize exames de alergias alimentares para identificar possíveis fatores desencadeantes, mas eles trazem pouco benefício.

Tratamento

  • Inibidores da bomba de prótons

  • Corticosteroides

  • Alterações na dieta

  • Às vezes, dilatação do esôfago

Adultos recebem inibidores da bomba de prótons (IBPs), que são medicamentos que reduzem a produção de ácido no estômago e conseguem reduzir os sintomas. No caso de crianças, fazer mudanças na dieta com frequência é eficaz, porém os IBPs costumam ser usados caso as mudanças na dieta não tiverem ajudado.

Caso os IBPs não sejam eficazes, os corticosteroides (por exemplo, fluticasona e budesonida) que são deglutidos para revestir o esôfago podem ajudar a reduzir a inflamação. A pessoa pode usar um inalador de fluticasona e borrifar o medicamento dentro da boca sem inalar e, em seguida, engoli-lo. Dessa maneira, o medicamento reveste o esôfago e não entra nos pulmões. A budesonida líquida também pode ser misturada com um substituto do açúcar ou espessante (por exemplo, maisena) antes de ser ingerida. A pessoa possivelmente enxagua a boca depois, para ajudar a prevenir a infecção fúngica da boca (candidíase).

É possível que o médico oriente a pessoa a modificar a dieta. A pessoa pode seguir uma dieta que elimina trigo, laticínios, peixe/marisco, amendoim/nozes, ovos e soja (consulte dieta de eliminação). Essa é a dieta mais frequentemente recomendada para a esofagite eosinofílica e é melhor e mais simples que a eliminação de alimentos baseada nos resultados de exames de pele e de sangue para alergia. A dieta elementar, pela qual a pessoa recebe a maior parte dos nutrientes por meio de uma fórmula líquida que costuma incluir aminoácidos, gorduras, açúcares, vitaminas e minerais, é bem-sucedida tanto para adultos como crianças, porém com frequência sua administração para adultos não é prática.

Se a pessoa apresentar um estreitamento do esôfago, o médico infla um balão no esôfago durante a endoscopia para dilatá-lo. Frequentemente, o médico utiliza balões maiores de forma progressiva para evitar que o esôfago se rompa.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS