Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Larva Migrans Cutânea

(Creeping Eruption)

Por

James G. H. Dinulos

, MD, Geisel School of Medicine at Dartmouth

Última revisão/alteração completa jun 2020| Última modificação do conteúdo jun 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A larva migrans cutânea é uma infecção por ancilóstomos transmitida a partir da terra úmida e quente, ou quando a pele fica exposta à areia.

A larva migrans cutânea é causada por uma espécie de ancilóstomo denominada Ancylostoma. Ancilóstomos são parasitas. Parasitas são organismos que vivem sobre ou dentro de outro organismo (o hospedeiro) e dependem do hospedeiro para se alimentarem e sobreviver. Esta espécie de ancilóstomo é um parasita, porque durante uma parte da sua vida, ele vive normalmente no intestino de cães e gatos e, durante outra parte da sua vida, ele vive na pele humana. Os ovos do ancilóstomo são excretados nas fezes de cães e gatos e desenvolvem-se em larvas, quando deixados na terra ou areia quente e úmida. As larvas amadurecem assumindo uma forma que pode penetrar a pele de uma pessoa caminhando descalça ou deitada ao sol, sobre solo ou areia contaminados.

A larva migrans cutânea ocorre no mundo inteiro, mas é mais comum em ambientes tropicais.

Tendo início no ponto da infestação – geralmente os pés, as pernas, as nádegas ou as costas – o ancilóstomo cava um buraco junto a um trato aleatório, provocando uma erupção cutânea acastanhada, sinuosa, filiforme e inchada. A erupção coça intensamente. Também podem ocorrer pequenas protuberâncias e bolhas. Muitas vezes, coçar as protuberâncias e bolhas resulta em uma infecção bacteriana da pele.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

Os médicos baseiam o diagnóstico de larva migrans cutânea no aspecto e na localização da erupção cutânea e no histórico do paciente de contato recente com terra ou areia.

Tratamento

  • Tiabendazol em líquido ou creme

  • Albendazol ou ivermectina

A infecção desaparece por si só depois de algumas semanas a meses, mas o tratamento alivia a coceira e reduz o risco de infecção bacteriana que às vezes resulta do ato de coçar. Um preparado de tiabendazol em líquido ou creme, aplicado sobre a área afetada, trata a infecção de maneira eficaz.

Às vezes, os médicos também administram albendazol ou ivermectina por via oral para matar os ancilóstomos e curar a infecção.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS