Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Feridas e inflamações bucais

(Estomatite)

Por

Bernard J. Hennessy

, DDS, Texas A&M University, College of Dentistry

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

As feridas e inflamações bucais variam de aspecto e tamanho e podem afetar qualquer parte da boca, inclusive os lábios (consulte Feridas e inflamação nos lábios).

As pessoas podem ter inchaço e vermelhidão da mucosa da boca ou úlceras dolorosas individuais. Uma úlcera é uma ferida que forma um orifício no revestimento da boca quando a camada superficial das células se rompe. Muitas úlceras aparecem vermelhas, mas algumas são brancas por causa das células mortas e restos de alimentos do lado de dentro da porção central. Bolhas são feridas elevadas e cheias de líquido transparente (elas são chamadas vesículas ou empolas, dependendo do tamanho). Raramente, a boca parece normal, embora as pessoas tenham sintomas de inflamação da boca (síndrome de ardor bucal).

Úlceras não cancerosas (benignas) são geralmente doloridas até que estejam bem curadas. A dor faz com que fique difícil comer, o que às vezes leva a desidratação e subnutrição. Algumas feridas vão embora, mas retornam.

Causas

Há muitos tipos e causas de feridas bucais. As feridas bucais podem ser causadas por uma infecção, uma doença sistêmica, um irritante físico ou químico ou uma reação alérgica (consulte a tabela Algumas causas das feridas bucais). Em geral, a causa é desconhecida. Geralmente, como o fluxo normal de saliva ajuda a proteger o revestimento da boca, qualquer problema de saúde que diminua a produção de saliva faz com que aumentem as chances de feridas bucais ( Boca seca).

As causas específicas mais comuns das feridas da boca são

  • Infecções virais (especialmente herpes simples e herpes zoster)

  • Outras infecções (causadas por fungos e bactérias)

  • Lesões ou alimentos irritantes ou produtos químicos

  • Tabagismo

  • Medicamentos (especialmente fármacos para quimioterapia) e radioterapia

  • Doenças sistêmicas

Infecções virais

As viroses são as causas infecciosas mais comuns das feridas bucais. Herpes labial e, menos comumente, úlceras no palato causadas pelo vírus do herpes simples são talvez as mais conhecidas. No entanto, muitos outros vírus podem causar as feridas bucais. Varicela zoster, o vírus responsável pela varicela, assim como o distúrbio cutâneo doloroso chamado cobreiro, podem causar múltiplas feridas formadas de um lado da boca. Estas feridas são o resultado de uma reativação do vírus, que, assim como o vírus do herpes simples, nunca deixam o corpo. Geralmente, a boca fica dolorida por meses ou anos, ou mesmo permanentemente após as feridas serem curadas.

Outras infecções

Uma infecção bacteriana pode levar a feridas e inchaços na boca. As infecções podem ser causadas pelo crescimento excessivo de organismos normalmente presentes na boca, ou por organismos que foram introduzidos recentemente, como as bactérias que causam a sífilis ou a gonorreia. As infecções bacterianas dos dentes ou gengivas podem se espalhar para formar uma infecção de uma bolsa cheia de pus (abscesso) ou provocar uma inflamação disseminada (celulite).

Sífilis pode produzir uma ferida vermelha e indolor (cancro) que surge na boca ou nos lábios durante os estágios iniciais da infecção. A ferida normalmente se cura após várias semanas. Cerca de 4 a 10 semanas depois, uma área branca (placa mucosa) pode se formar nos lábios ou dentro da boca se a sífilis não tiver sido tratada. Tanto o cancro como a placa mucosa são altamente contagiosos e o beijo pode espalhar a doença durante esses estágios. Na sífilis em estágio mais avançado, um orifício (granuloma) pode aparecer no palato ou na língua. A doença não é contagiosa neste estágio.

O fungo Candida albicans é um residente comum da boca. No entanto, pode crescer excessivamente em pessoas que tenham usado antibióticos ou corticosteroides ou que tenham um sistema imunológico fraco, como as pessoas com AIDS. A Candida pode causar manchas esbranquiçadas com aspecto de queijo que destroem a camada superior do revestimento da boca (candidíase) quando removidas. Algumas vezes só aparecem áreas vermelhas e planas.

Lesões ou irritações

Qualquer tipo de dano ou lesão na boca, por exemplo, quando o lado de dentro da bochecha é acidentalmente mordido ou escoriado por dentes irregulares ou quebrados ou por dentaduras mal encaixadas, pode causar bolhas (vesículas ou empolas) ou úlceras que se formam na boca. Normalmente, a superfície de uma bolha se rompe com rapidez (rupturas), formando uma úlcera.

Muitos alimentos e produtos químicos podem ser irritantes ou provocar um tipo de reação alérgica, causando feridas na boca. Alimentos ácidos, aromas de canela ou adstringentes podem ser particularmente irritantes, bem como certos ingredientes com substâncias em comum como creme dental, enxaguante bucal, doces e gomas de mascar.

Tabaco

O uso do tabaco pode causar feridas na boca. As feridas provavelmente resultam da exposição a substâncias irritantes, toxinas e carcinógenos encontrados naturalmente nos produtos derivados do tabaco, mas também podem ser oriundas dos efeitos da secura no revestimento da boca, das altas temperaturas na boca, das alterações na acidez da boca, ou da resistência diminuída a infecções fúngicas, virais e bacterianas.

Medicamentos e radioterapia

Os medicamentos mais comuns que causam feridas na boca incluem certos medicamentos para quimioterapia contra o câncer. Os medicamentos que contêm ouro, que antigamente eram usados para tratar artrite reumatoide e outros distúrbios autoimunes, também podem causar feridas bucais, mas esses medicamentos raramente são usados porque agora estão disponíveis medicamentos mais seguros e eficazes. A radioterapia também é uma causa comum das feridas bucais. Raramente, as pessoas podem desenvolver feridas bucais após o uso de antibióticos.

Doenças sistêmicas

Muitas doenças afetam a boca juntamente com outras partes do corpo. A doença de Behçet, uma doença inflamatória que afeta muitos órgãos, inclusive os olhos, genitais, pele, articulações, vasos sanguíneos, cérebro e trato gastrointestinal, pode causar feridas bucais dolorosas e reincidentes. A síndrome de Stevens-Johnson, um tipo de reação alérgica, causa bolhas na pele e feridas bucais. Algumas pessoas com doença inflamatória intestinal também desenvolvem feridas bucais. Pessoas com doença celíaca grave, que é causada por uma intolerância a glúten (um componente do trigo e alguns outros grãos), geralmente desenvolvem feridas bucais. O líquen plano, uma doença de pele, pode, raramente, causar feridas bucais, embora essas feridas geralmente não sejam tão desconfortáveis como aquelas na pele. O pênfigo vulgar e o penfigoide bolhoso, ambas doenças de pele, também podem causar bolhas na boca.

Deficiências nutricionais de ferro, vitamina B e vitamina C também podem causar feridas bucais.

Avaliação

Nem todas as doenças bucais exigem uma avaliação imediata por um médico. As seguintes informações podem ajudar a pessoa a decidir se a avaliação médica é necessária e a saber o que esperar durante a avaliação.

Sinais de alerta

Em pessoas com doenças bucais, certos sintomas e características são motivos de preocupação de doenças sistêmicas. Incluem

  • Febre

  • Bolhas na pele

  • Inflamação dos olhos

  • Quaisquer feridas em pessoas com um sistema imunológico fraco (como as pessoas com infecção por HIV)

Quando consultar um médico

Pessoas que possuem sinais de alerta devem procurar um médico imediatamente. As pessoas que não têm sinais de alerta mas têm muita dor, geralmente se sentem doentes e/ou têm problemas de se alimentar devem consultar um médico no prazo de alguns dias. Todas as pessoas com feridas que durem 10 dias ou mais devem ser examinadas por um médico ou dentista para certificar que não sejam cancerosas ou pré-cancerosas.

O que o médico faz

Primeiro, os médicos fazem perguntas sobre os sintomas e o histórico médico. Os médicos perguntam às pessoas sobre o consumo ou exposição a alimentos, medicamentos e outras substâncias (como tabaco, produtos químicos, pasta de dentes, enxaguantes bucais, metais, fumaça ou poeira). Os médicos precisam saber sobre todos os quadros clínicos conhecidos atualmente que podem causar feridas bucais (como herpes simples, doença de Behçet ou doença inflamatória intestinal), quadros clínicos que são fatores de risco para feridas bucais (como sistema imunológico enfraquecido, câncer ou infecção por HIV) e o histórico sexual da pessoa.

Em seguida, os médicos fazem um exame físico. A boca é inspecionada, notando o local e a natureza de qualquer ferida. Os médicos fazem então um exame geral em busca de sinais de distúrbios sistêmicos que podem afetar a boca. A pele, os olhos e os genitais são examinados para verificar qualquer ferida, bolhas ou erupções cutâneas.

O que os médicos encontrarem durante o histórico e o exame físico geralmente sugere uma causa das feridas bucais e os testes que precisam ser feitos.

Tabela
icon

Algumas causas das feridas bucais

Categoria

Exemplos

Infecções bacterianas

Boca de trincheira (gengivite ulcerativa necrosante aguda)

Infecções fúngicas

Infecções por Candida (mais comuns)

Varicela (varicela zoster)

Infecção por herpes simples (primária ou secundária)

Cobreiro (reativação da varicela zoster)

Outros (como infecções por vírus Coxsackie, citomegalovírus, vírus Epstein-Barr ou HIV, bem como verrugas genitais, gripe e sarampo)

Doenças sistêmicas

Neutropenia cíclica

Distúrbios das plaquetas

Trombocitopenia trombótica

Medicamentos

Ouro

Iodetos*

Irritação física

Hábito de morder a bochecha ou os lábios

Dentaduras que se encaixam mal

Dentes irregulares ou quebrados

Irritações e alergias

Alimentos ácidos

Reação alérgica a ingredientes do creme dental, dos enxaguantes bucais, doces, gomas de mascar, corantes ou batons

Aspirina quando aplicada a tecidos dentro da boca

Aparelhos dentários que contenham níquel ou paládio

A exposição ocupacional a corantes, metais pesados, vapores ácidos ou pó de metal ou mineral

Tabaco (mascar e/ou fumar)

Outros

Radioterapia da cabeça e do pescoço

*Causas raras de feridas bucais.

Exames

  • Às vezes, culturas, exames de sangue ou biopsia

A necessidade dos testes depende do que os médicos encontrarem na anamnese e no exame físico, particularmente se estiverem presentes sinais de alerta. As pessoas com episódios breves de feridas bucais e sem sintomas ou fatores de risco de uma doença sistêmica provavelmente não precisam fazer o teste. Em pessoas com vários episódios de feridas bucais, cultura viral e bacteriana, diversos exames de sangue são feitos. Pode ser feita uma biópsia para feridas persistentes que não têm uma causa óbvia.

Eliminar alimentos da dieta, um de cada vez, ou mudar de marca de pasta de dentes, goma de mascar ou enxaguante bucal podem ser úteis para determinar se um alimento específico ou produto de cuidados bucais está causando as feridas.

Tratamento

  • Tratamento da causa

  • Evitar alimentos e substâncias irritantes

  • Tratamentos tópicos

Os médicos tratam as causas, se conhecidas. Por exemplo, as pessoas recebem antibióticos para infecções bacterianas. É recomendado evitar qualquer substância ou medicamentos que estejam causando as feridas bucais. Escovar os dentes com frequência e suavemente com uma escova macia e bochechos com água salgada pode ajudar a evitar que as feridas fiquem infectadas.

A dor pode ser aliviada evitando alimentos ácidos ou altamente salgados e quaisquer outras substâncias que são irritantes.

Tratamentos tópicos

Tratamentos tópicos são substâncias aplicadas diretamente na parte afetada do corpo. Tratamentos tópicos para feridas bucais incluem

  • Anestésicos

  • Revestimentos de proteção

  • Corticosteroides

  • Queimar com laser ou produtos químicos

Um anestésico, como a diclonina ou a lidocaína podem ser usados como enxaguantes bucais. No entanto, uma vez que estes enxaguantes bucais adormecem a boca e a garganta e, portanto, podem tornar difícil engolir, as crianças que os utilizam devem ser observadas para garantir que não se engasguem com a comida. A lidocaína em uma preparação mais espessa (lidocaína viscosa) pode também ser esfregada diretamente na ferida bucal.

Os revestimentos de proteção que contém sucralfato e os antiácidos de magnésio e alumínio podem ser tranquilizantes quando aplicados como bochecho. Muitos médicos adicionam outros ingredientes tais como a lidocaína e/ou difenidramina (um anti-histamínico). A pasta de anlexanox é outra alternativa. Os enxaguantes bucais que contêm álcool (etanol) devem ser evitados, uma vez que podem efetivamente piorar as feridas bucais.

Uma vez que os médicos tiverem certeza que a ferida não é causada por uma infecção, eles podem receitar um bochecho de corticosteroide ou gel para ser aplicado em cada ferida.

Algumas feridas bucais podem ser tratadas com um laser de baixa potência, que alivia a dor imediatamente e geralmente previne que as feridas retornem. Queimar a ferida quimicamente com um pequeno bastão revestido com nitrato de prata pode aliviar a dor de forma semelhante, mas não é tão eficaz como um laser.

Pontos-chave

  • Uma ferida bucal que dura mais de 10 dias deve ser avaliada por um médico ou dentista.

  • Feridas bucais isoladas em pessoas sem nenhum outro sintoma ou fatores de risco de uma doença sistêmica são causadas geralmente por uma infecção viral ou estomatite aftosa recorrente.

  • Sintomas do lado de fora da boca, erupção cutânea ou ambos sugerem a necessidade mais imediata de um diagnóstico.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Canal radicular
Vídeo
Canal radicular
Depois de comer, partículas de alimentos e líquidos contendo açúcar e amido são deixadas nos...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Interior do dente
Modelo 3D
Interior do dente

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS