Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Meningite bacteriana aguda

Por

John E. Greenlee

, MD, University of Utah School of Medicine

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A meningite bacteriana aguda é uma inflamação, que se desenvolve rapidamente, das camadas do tecido que cobrem o cérebro e a medula espinhal (meninges) e o espaço preenchido por líquido entre as meninges (espaço subaracnóideo) quando é causada por bactérias.

  • As crianças mais velhas e adultos desenvolvem um pescoço rígido que faz com que abaixar o queixo até o peito seja difícil ou impossível, geralmente com febre e dor de cabeça.

  • Os bebês podem não desenvolver um pescoço rígido, mas podem parecer doentes no geral e ter uma temperatura corporal alta ou baixa, se alimentar mal ou ficar irritáveis ou sonolentos.

  • A meningite bacteriana é uma emergência médica e é tratada assim que possível, antes do diagnóstico ser confirmado.

  • Para diagnosticar a meningite, os médicos fazem uma punção lombar assim que possível.

  • Os antibióticos são geralmente eficazes se administrados imediatamente, e a dexametasona (um corticosteroide) é muitas vezes administrada para reduzir o inchaço no cérebro.

  • As vacinas podem prevenir alguns tipos de meningite bacteriana.

(Consulte também Introdução à meningite).

O cérebro e a medula espinhal estão cobertos por três camadas de tecidos chamadas meninges. O espaço subaracnóideo está localizado entre a camada média e a camada interna das meninges, que cobrem o cérebro e a medula espinhal. Esse espaço contém o líquido cefalorraquidiano que flui entre as meninges, preenche as cavidades intracerebrais e ajuda a amortecer o cérebro e a medula espinhal.

Tecidos que revestem o cérebro

No crânio, o cérebro é revestido por três camadas de tecido chamadas de meninges:

  • Dura-máter (camada externa)

  • Aracnoide-máter (camada intermediária)

  • Pia-máter (camada interna)

Entre a membrana aracnoide e a pia-máter há o espaço subaracnóideo. Esse espaço contém o líquido cefalorraquidiano que flui entre as meninges, preenche as cavidades intracerebrais e amortece o cérebro e a medula espinhal.

Tecidos que revestem o cérebro

Complicações

Quando as bactérias invadem as meninges e o espaço subaracnóideo, o sistema imunológico acaba por reagir aos invasores, e as células imunológicas se juntam para defender o corpo contra eles. O resultado é inflamação—meningite—que pode causar complicações, tais como:

  • Coágulos sanguíneos: se grave, a inflamação pode se espalhar para os vasos sanguíneos no cérebro e causar a formação de coágulos, por vezes resultando em acidente vascular cerebral.

  • Inchaço no cérebro (edema cerebral): a inflamação pode danificar o tecido do cérebro, causando inchaço e pequenas áreas de sangramento.

  • Aumento da pressão no crânio (pressão intracraniana): o inchaço grave pode aumentar a pressão no crânio, causando deslocamento de partes do cérebro. Se essas partes forem pressionadas pelas pequenas aberturas nos tecidos que separam o cérebro em compartimentos, isso resulta em um distúrbio com risco de morte chamado herniação do cérebro.

  • Excesso de líquido no cérebro: o cérebro produz continuamente líquido cefalorraquidiano. A infecção pode bloquear o seu fluxo pelos espaços dentro do cérebro (ventrículos) e fora do cérebro. O líquido pode se acumular nos ventrículos, fazendo com que eles aumentem (um distúrbio denominado hidrocefalia). À medida que o excesso de líquido se acumula, pode exercer pressão no cérebro.

  • Inflamação dos nervos cranianos: a inflamação pode se espalhar para os nervos cranianos que estão envolvidos na visão, na audição, no paladar e no controle dos músculos faciais e das glândulas. A inflamação desses nervos pode resultar em surdez, visão dupla e outros problemas.

  • Empiema subdural: por vezes, há acúmulo de pus sob a camada mais externa (dura-máter) das meninges, causando um empiema subdural.

  • Problemas generalizados no corpo: Esses problemas incluem choque séptico (pressão arterial perigosamente baixa decorrente de infecção bacteriana da corrente sanguínea) e coagulação intravascular disseminada (desenvolvimento de pequenos coágulos de sangue por toda a corrente sanguínea, o que acaba por causar sangramento excessivo). Esses problemas podem ser fatais.

Causas

Tipos diferentes de bactérias podem causar meningite. As bactérias com maior probabilidade de serem a causa depende de:

  • Idade das pessoas

  • Como adquiriram a meningite (a rota)

  • O quanto o sistema imunológico é forte

Idade

A meningite bacteriana aguda pode se desenvolver em bebês e crianças, principalmente em áreas geográficas onde as crianças não são vacinadas. À medida que as pessoas envelhecem, a meningite bacteriana aguda torna-se mais comum.

Em bebês e crianças novas, as causas mais comuns da meningite bacteriana são:

  • Estreptococos grupo B, principalmente Streptococcus agalactiae

  • Escherichia (E.) coli e bactérias relacionadas (chamadas bactérias Gram-negativas)

  • Listeria monocytogenes

Se a meningite se desenvolver nas primeiras 48 horas após o nascimento, ela é geralmente adquirida da mãe. Ela pode ser transmitida da mãe para o recém-nascido ao passar pelo canal de nascimento. Nesses casos, a meningite é muitas vezes parte de uma infecção séria na corrente sanguínea (sepse).

Em bebês com mais idade, crianças e jovens adultos, as causas mais comuns são:

  • Neisseria meningitidis (também chamada meningococo)

  • Streptococcus pneumoniae (também chamado pneumococo)

Neisseria meningitidis por vezes causa uma infecção rápida e grave chamada meningite meningocócica, resultando em coma e morte em algumas horas. Essa infecção ocorre comumente quando a bactéria de uma infecção do trato respiratório superior entra na corrente sanguínea. A meningite meningocócica é altamente contagiosa. Podem ocorrer pequenas epidemias de meningite meningocócica entre pessoas que vivem nas proximidades, como ocorre em quartéis militares e dormitórios estudantis. A Neisseria meningitidis se torna menos comum com a idade.

O Haemophilus influenzae tipo B é agora uma causa rara de meningite nos Estados Unidos e Europa Ocidental porque a maioria das crianças é vacinada contra esta bactéria. Porém, em áreas onde a vacina não é amplamente usada, essas bactérias são uma causa comum, particularmente em crianças com idade de 2 meses a 6 anos.

Em adultos de meia idade e mais idosos, a causa mais comuns é:

  • Streptococcus pneumoniae

À medida que as pessoas envelhecem, o sistema imunológico enfraquece, aumentando o risco de meningite devido a outras bactérias, tais como Listeria monocytogenes, E. coli ou outras bactérias Gram-negativas.

Em pessoas de todas as idades, o Staphylococcus aureus causa, por vezes, meningite grave.

Via de entrada

A meningite bacteriana pode ser adquirida de maneiras diferentes, incluindo:

  • Quando a bactéria se espalha pela corrente sanguínea, de uma infecção de outra parte do corpo (a rota mais comum)

  • Quando a bactéria se espalha das meninges de outra infecção na cabeça, tal como sinusite ou infecção de ouvido (muitas vezes causada pelo Streptococcus pneumoniae)

  • Após uma ferida penetrar o crânio ou as meninges (muitas vezes causada pelo Staphylococcus aureus)

  • Quando a cirurgia é feita no cérebro ou medula espinhal (muitas vezes causada pela bactéria Gram-negativa)

  • Quando é colocado um dreno no cérebro para diminuir a pressão no crânio e este dreno fica infectado

  • Quando a bactéria entra no cérebro ou na coluna vertebral devido a um defeito congênito (tal como espinha bífida)

Ter qualquer um dos quadros clínicos acima aumenta o risco de desenvolver meningite bacteriana.

Resistência do sistema imunológico

Que bactérias têm probabilidade de causar a meningite depende de o sistema imunológico estar normal ou enfraquecido. Os quadros clínicos que enfraquecem o sistema imunológico aumentam o risco de desenvolvimento de meningite bacteriana. Tais quadros clínicos incluem:

Quais bactérias (ou fungos) têm probabilidade de causar a meningite também depende da causa do enfraquecimento do sistema imunológico e da parte do sistema imunológico que está enfraquecida, como nos seguintes exemplos:

  • AIDS ou linfoma de Hodgkin: Listeria monocytogenes, a bactéria que causa tuberculose, ou fungos (principalmente Cryptococcus neoformans)

  • Problemas na produção de anticorpos (que ajudam o corpo a combater infecção) ou retirada do baço: Streptococcus pneumoniae ou, menos frequentemente, Neisseria meningitidis, que pode causar uma forma de meningite rápida e grave

  • Quimioterapia recente para câncer: Pseudomonas aeruginosa ou bactérias Gram-negativas como E. coli

Em bebês muito novos (principalmente em bebês prematuros) e pessoas mais idosas, certas partes do sistema imunológico podem ficar fracas, aumentando o risco de meningite devido a Listeria monocytogenes.

Sintomas

Os sintomas de meningite bacteriana aguda variam por idade.

Em recém-nascidos e bebês, os sintomas precoces geralmente não sugerem uma causa específica. Mais frequentemente, os sintomas incluem:

  • Temperatura corporal alta ou baixa

  • Problemas de alimentação

  • Vômito

  • Irritabilidade, como inquietação ou choro excessivos que continuam ou pioram após serem confortados e acariciados pela mãe ou cuidador

  • Aperto dos lábios, mastigação involuntária, olhar para direções diferentes, ou ficar manco periodicamente (um tipo de convulsão)

  • Lentidão ou indiferença (letargia)

  • Um choro agudo que é incomum para o bebê

Ao contrário de crianças mais velhas e adultos, a maioria dos recém-nascidos e bebês não apresenta pescoço rígido. Se a meningite se tornar grave, as regiões moles entre os ossos do crânio (chamadas fontanelas), que estão presentes em bebês antes dos ossos do crânio se fecharem, podem criar saliência devido ao aumento de pressão no crânio.

Na maioria das crianças e adultos, a meningite bacteriana começa com sintomas que pioram lentamente por 3 a 5 dias. Esses sintomas podem incluir uma sensação de mal-estar geral, febre, irritabilidade e vômito. Algumas pessoas apresentam dor de garganta, tosse e entupimento do nariz. Esses sintomas vagos podem ser parecidos aos de uma infecção viral.

Sintomas iniciais que sugerem meningite incluem, especificamente:

  • Febre

  • Dor de cabeça

  • Pescoço rígido (geralmente)

  • Confusão ou estado de alerta menor

  • Sensibilidade à luz

O pescoço rígido devido à meningite é mais do que apenas uma sensibilidade. Tentar abaixar o queixo em direção ao peito causa dor e pode ser impossível. Mover a cabeça em outras direções não é tão difícil. Contudo, algumas pessoas não apresentam pescoço rígido e algumas apresentam dor nas costas.

Algumas pessoas apresentam sintomas de acidente vascular cerebral, incluindo paralisia. Algumas pessoas têm convulsões.

À medida que a infecção progride, as crianças e os adultos podem ficar cada vez mais irritáveis, confusos e depois sonolentos. Elas podem, então, ficar em um estado de indiferença (sem resposta) e necessitar de um estímulo forte para despertar. Esse estado mental é chamado de estupor.

Os adultos podem adoecer gravemente em 24 horas e as crianças mais cedo. A meningite pode causar coma e morte dentro de horas. A meningite bacteriana é uma das poucas doenças em que uma pessoa jovem anteriormente saudável pode dormir com sintomas leves e nunca mais acordar. Em crianças mais velhas e adultos, tal morte rápida muitas vezes resulta do inchaço do cérebro.

Na meningite meningocócica, a corrente sanguínea e muitos outros órgãos são, muitas vezes, infectados. A infecção na corrente sanguínea (chamada meningococemia) pode se tornar grave em algumas horas. Como resultado, as áreas dos tecidos podem morrer e pode ocorrer sangramento sob a pele, causando uma erupção cutânea roxa avermelhada de minúsculos pontos ou manchas maiores. Pode ocorrer sangramento no aparelho digestivo e outros órgãos. As pessoas podem vomitar sangue ou evacuar fezes com sangue ou de cor negra. Sem tratamento, a pressão arterial diminui, levando ao choque e à morte. Geralmente, o sangramento ocorre nas glândulas adrenais, que param de funcionar, piorando o choque. Esse distúrbio, chamado síndrome de Waterhouse-Friderichsen, muitas vezes é fatal, a menos que seja tratado imediatamente.

Em algumas situações, os sintomas de meningite bacteriana são muito mais leves do que o normal, dificultando o reconhecimento da doença por parte dos médicos. Os sintomas são mais leves do que em pessoas sendo tratadas com antibióticos por outra razão. Por exemplo, elas podem ser tratadas para outra infecção (tal como infecção do ouvido ou garganta) quando a meningite se desenvolve, ou a meningite prematura pode ser confundida com outra infecção e ser tratada com antibióticos.

Os sintomas também podem ser mais leves em pessoas com o sistema imunológico debilitado devido ao uso de medicamentos ou a distúrbios que suprimem o sistema imunológico (como AIDS), em alcoólatras e em pessoas muito idosas. No caso de pessoas muito idosas, o único sintoma pode ser a confusão.

Se a meningite bacteriana se desenvolver após uma cirurgia no cérebro ou na medula espinhal, os sintomas muitas vezes levam dias para se desenvolverem.

Diagnóstico

  • Exames de sangue

  • Punção lombar e análise do líquido cefalorraquidiano

Se uma criança de 2 anos ou menos apresentar uma febre e o pai ou mãe perceberem que a criança está inexplicavelmente irritável ou sonolenta, eles deverão chamar imediatamente um médico, principalmente se os sintomas não cessarem após uma dose adequada de paracetamol.

As crianças precisam de atenção imediata, geralmente em um departamento de emergência, se acontecer um dos seguintes:

  • Estiverem cada vez mais irritáveis ou excepcionalmente sonolentas

  • Tiverem temperatura corporal baixa

  • Recusarem-se a comer

  • Tiverem convulsões

  • Desenvolverem um pescoço rígido

Os adultos necessitam de assistência médica imediata, se acontecer um dos seguintes:

  • Cefaleia e rigidez no pescoço, sobretudo se tiverem febre

  • Confusão ou estado de alerta menor

  • Lentidão ou indiferença

  • Convulsões

  • Erupção cutânea com febre ou pescoço rígido

Durante o exame físico, os médicos procuram sinais indicativos de meningite, principalmente rigidez do pescoço. Eles também procuram uma erupção cutânea, especialmente em crianças, adolescentes e jovens adultos e outros sintomas que possam sugerir uma causa. Os médicos podem suspeitar fortemente de meningite bacteriana com base nos sintomas e resultados do exame, mas são necessários testes para confirmar o diagnóstico e identificar a bactéria específica que a está causando.

Assim que os médicos suspeitam de meningite bacteriana, eles primeiramente coletam uma amostra de sangue para cultivo (cultura) em laboratório e análise. Em seguida, eles começam imediatamente o tratamento com antibióticos e corticosteroides, sem esperar pelos resultados de testes, porque a meningite pode progredir rapidamente.

Você sabia que...

  • Quando os médicos suspeitam de meningite bacteriana, eles começam imediatamente o tratamento com antibióticos, sem esperar pelos resultados de testes, porque a meningite pode progredir rapidamente.

Exames

Uma vez iniciado o tratamento, os médicos fazem rapidamente uma punção lombar, se parecer seguro, para confirmar o diagnóstico.

Porém, se suspeitarem que a pressão dentro do crânio aumentou muito (por exemplo, por um abscesso, tumor ou outra massa no cérebro), pode ser feita primeiramente uma tomografia computadorizada (TC) ou ressonância nuclear magnética (RM) para verificar a presença de tais massas. Fazer a punção lombar quando a pressão no crânio é maior pode ser perigoso. Partes do cérebro podem se deslocar para baixo. Se essas partes forem pressionadas pelas pequenas aberturas nos tecidos que separam o cérebro em compartimentos, isso resulta em um distúrbio com risco de morte chamado herniação do cérebro. Depois que a pressão dentro do crânio for reduzida ou se nenhuma massa for detectada, é feita uma punção lombar, e os médicos ajustam o tratamento, se necessário, após obterem os resultados.

Durante a punção lombar, é introduzida uma agulha fina entre as vértebras na parte inferior da coluna vertebral, com o objetivo de obter uma amostra de líquido cefalorraquidiano.

Em seguida, são feitos os seguintes procedimentos:

  • Exame atento do líquido cefalorraquidiano: O líquido normalmente é límpido, mas pode estar turvo em pessoas com meningite.

  • Medição da pressão no espaço subaracnóideo (que contém o líquido cefalorraquidiano) à medida que o líquido cefalorraquidiano é retirado: A pressão arterial é geralmente elevada na meningite.

  • Análise do líquido cefalorraquidiano em um laboratório: Os níveis de glicose e proteínas e a quantidade e o tipo de glóbulos brancos no líquido são determinados. Essas informações ajudam os médicos a diagnosticar a meningite e a distinguir entre meningite bacteriana e viral.

  • Exame do líquido cefalorraquidiano ao microscópio para detectar e identificar as bactérias. Uma coloração especial (coloração de Gram) é usada para mostrar as bactérias mais nitidamente e ajudar a identificá-las.

  • Outros exames

Podem ser usados outros testes para identificar rapidamente certos tipos de bactérias, como a Neisseria meningitidis e Streptococcus pneumoniae. Alguns desses testes identificam bactérias específicas ao detectar proteínas específicas (antígenos) na superfície da bactéria. A técnica de reação em cadeia de polimerase (PCR), que produz várias cópias de um gene, pode ser usada para identificar a sequência exclusiva de DNA da bactéria. Alguns testes podem analisar rapidamente grandes trechos de material genético. Esses testes podem identificar micro-organismos no líquido cefalorraquidiano que, do contrário, não seriam detectáveis. No entanto, estes testes nem sempre estão disponíveis.

É feita a cultura do líquido cefalorraquidiano (para fazer a bactéria crescer). A cultura ajuda os médicos a determinar se há bactérias presentes e, se houver, quais são elas e quais os antibióticos que podem ser mais eficazes. Os resultados da cultura levam 24 horas ou mais. Se a cultura ou outros testes detectarem bactérias no líquido cefalorraquidiano, a meningite bacteriana é confirmada.

Até a causa da meningite ser confirmada, podem ser realizados outros testes usando amostras de líquido cefalorraquidiano ou sangue para verificar a presença de vírus, fungos, células cancerígenas e outras substâncias que os testes de rotina não identificam. Os exames para vírus do herpes simples, que pode infectar o cérebro (causando encefalite), são particularmente importantes.

Os médicos também obtêm amostras de sangue, urina e muco do nariz e da garganta. Em pessoas com erupção cutânea, eles podem usar uma pequena agulha para remover líquido e tecido por baixo da pele, onde a erupção cutânea se encontra. Essas amostras são cultivadas e examinadas ao microscópio para verificar a presença de bactérias.

Tratamento

  • Antibióticos

  • Dexametasona (um corticosteroide)

  • Reposição de líquidos

Visto que a meningite bacteriana aguda pode levar ao dano permanente do cérebro ou nervo, ou à morte dentro de horas, o tratamento deve ser iniciado de imediato, sem esperar os resultados dos exames diagnósticos, e muitas vezes antes de ser feita a punção lombar.

Neste ponto, os médicos não sabem qual a bactéria específica envolvida e, assim, não podem saber quais os antibióticos mais eficazes. Dessa forma, eles escolhem os antibióticos indicados para as bactérias com maior probabilidade de serem a causa da infecção, e, geralmente, usam dois ou mais antibióticos que são eficazes contra muitas bactérias. Os antibióticos são administrados por via intravenosa. Além disso, como a inflamação do cérebro (encefalite) devido ao herpesvírus pode parecer meningite bacteriana, muitas vezes é dado um medicamento antiviral que é eficaz contra esse vírus. Uma vez identificado e testado o organismo que causa a infecção, geralmente uma espécie específica de bactéria, os antibióticos são mudados para aqueles mais eficazes contra o tal organismo e os antibióticos e medicamentos antivirais desnecessários são interrompidos.

A dexametasona (um corticosteroide) é administrada para controlar o inchaço no cérebro. Ela é administrada 15 minutos antes ou ao mesmo tempo em que a primeira dose de antibiótico porque o inchaço pode piorar à medida que os antibióticos desmembram a bactéria. A dexametasona é mantida por 4 dias. A dexametasona pode também reduzir a pressão no crânio. Se as adrenais estiverem danificadas (como ocorre na síndrome de Waterhouse-Friderichsen), a dexametasona ou outro corticosteroide podem substituir os corticosteroides normalmente produzidos por essas glândulas.

Outras infecções, que podem ter causado ou terem sido causadas pela meningite, também requerem tratamento. As infecções incluem sepse, pneumonia e uma infecção cardíaca chamada endocardite bacteriana.

Os líquidos perdidos devido à febre, à sudorese, ao vômito e à falta de apetite são repostos, geralmente administrados por via intravenosa.

Como a meningite bacteriana muitas vezes afeta muitos órgãos e causa sérias complicações, as pessoas são geralmente internadas na unidade de terapia intensiva.

Tratamento das complicações

As complicações podem exigir tratamento específico.

  • Convulsões: São administrados medicamentos anticonvulsivantes.

  • Choque: podem ser administrados líquidos suplementares e, por vezes, medicamentos (por via intravenosa) para aumentar a pressão arterial e tratar o choque, como pode acontecer na síndrome de Waterhouse­-Friderichsen.

  • Coma: por vezes, é necessária a ventilação mecânica.

  • Aumento perigoso da pressão no crânio (hipertensão intracraniana): A cabeceira da cama é elevada e são usados corticosteroides para reduzir a pressão no crânio. Se a pressão tiver de ser baixada rapidamente, é usada ventilação mecânica. A ventilação mecânica diminui a quantidade de dióxido de carbono no sangue e, assim, reduz rapidamente, mas de forma breve, a pressão no líquido cefalorraquidiano. Além disso, pode ser administrado manitol por via intravenosa. O manitol faz com que líquidos no cérebro passem para a corrente sanguínea e, por conseguinte, reduz a pressão dentro do crânio. A pressão dentro do crânio pode ser monitorada com a ajuda de um pequeno tubo (cateter) conectado a um medidor. O cateter é introduzido por um orifício minúsculo perfurado no crânio. O cateter é utilizado para remover o líquido cefalorraquidiano, reduzindo a pressão quando necessário.

  • Empiema subdural: um cirurgião pode ter que drenar o pus para assegurar uma recuperação bem-sucedida.

Prognóstico

Com tratamento precoce, a maioria das pessoas com meningite se recupera bem. Mas quando o tratamento é postergado, é mais provável a ocorrência de dano cerebral ou do nervo permanente, ou até a morte, sobretudo nas crianças muito pequenas ou nas pessoas com mais de 60 anos.

Em algumas pessoas, as convulsões resultantes da meningite requerem tratamento durante toda a vida.

As pessoas que tiveram meningite podem ter problemas como comprometimento mental permanente, problemas de memória ou concentração, dificuldades de aprendizagem, problemas comportamentais, paralisia, visão dupla e perda parcial ou completa da audição.

Prevenção

As pessoas com meningite bacteriana aguda (particularmente meningite meningocócica) são geralmente colocadas em isolamento até que a infecção seja controlada e elas não possam mais propagar a infecção, geralmente por cerca de 24 horas.

Estão disponíveis vacinas para várias formas de meningite bacteriana.

Meningite meningocócica

Uma vacina (vacina meningocócica) pode ajudar a prevenir a meningite meningocócica. Ela é administrada às seguintes pessoas:

  • Crianças de 2 meses a 10 anos de idade, se elas tiverem um sistema imunológico enfraquecido (por exemplo, se tiverem uma doença decorrente de imunodeficiência) ou se não tiverem o baço funcionando

  • Todas as crianças de 11 a 12 anos de idade e uma dose de reforço aos 16 anos

  • Crianças mais velhas e estudantes que moram em dormitórios se já não tiverem sido vacinados

  • Recrutas militares se já não tiverem sido vacinados

  • Pessoas que estiverem viajando para ou que morem em áreas onde a infecção é comum

  • Pessoas que possam ser repetidamente expostas à bactéria, como o pessoal de laboratório

A vacina também é utilizada quando se desencadeia uma epidemia, quando existe uma ameaça de epidemia em um grupo de pessoas vivendo juntas nas proximidades (como aquelas que vivem em quartéis militares).

Meningite devido a Streptococcus pneumoniae

Uma vacina que ajuda a proteger contra esta infecção (vacina pneumocócica) é administrada rotineiramente a crianças (consulte a figura A vacinação de bebês e crianças).

Meningite devido a Haemophilus influenzae

Atualmente, as crianças são imunizadas de forma rotineira com a vacina contra o Haemophilus influenzae tipo b (consulte a figura A vacinação de bebês e crianças). Em países desenvolvidos, essa vacina virtualmente eliminou o que já foi a causa mais comum de meningite em crianças.

Prevenção após exposição à meningite

Os familiares, o pessoal médico e qualquer pessoa que esteja em contato próximo com pessoas com meningite meningocócica devem receber um antibiótico (como rifampicina ou ciprofloxacino tomado por via oral ou ceftriaxona tomada por injeção), como medida preventiva. Geralmente são necessários antibióticos preventivos somente para meningite meningocócica e meningite causada por Haemophilus influenzae.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Punção lombar
Vídeo
Punção lombar
A medula espinhal é um feixe de nervos que percorre desde a base do cérebro por todas as costas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Angioplastia com implantação de stent
Modelo 3D
Angioplastia com implantação de stent

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS