Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Coreia, atetose e hemibalismo

Por

Hector A. Gonzalez-Usigli

, MD, HE UMAE Centro Médico Nacional de Occidente

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Coreia caracteriza-se por movimentos involuntários repetitivos, breves, irregulares e relativamente rápidos que começam em uma parte do corpo e passam para outra parte, de modo abrupto, imprevisível e, geralmente, contínuo. A coreia normalmente envolve a face, a boca, o tronco e os membros. Atetose é um fluxo contínuo de movimentos involuntários lentos, contínuos e contorcidos. Geralmente afeta as mãos e os pés. O hemibalismo é um tipo de coreia, geralmente envolvendo estiramentos involuntários e violentos de um braço e/ou perna. Os movimentos são amplos e mais intensos em relação à coreia
.

  • A coreia e a atetose geralmente são sintomas de outra doença, embora a coreia possa se desenvolver sozinha em pessoas mais velhas ou gestantes.

  • A coreia e a atetose podem ocorrer concomitantemente, geralmente causando contorções e movimentos que se parecem com uma dança.

  • O hemibalismo afeta um membro (um braço mais frequentemente do que uma perna) de um lado do corpo, fazendo com que ele seja arremessado violentamente.

  • Para coreia e atetose, o tratamento da causa pode ajudar, assim como os medicamentos de antipsicóticos.

Coreia e atetose, que podem ocorrer junto com a coreoatetose, não são doenças. São sintomas que podem ter origem em várias doenças muito diferentes.

Causas

Coreia e atetose resultam da hiperatividade dos gânglios basais, a parte do cérebro que ajuda a iniciar e suavizar, bem como coordenar os movimentos intencionais (voluntários) iniciados pelos impulsos nervosos provenientes do cérebro. Na maioria das formas de coreia, um excesso de dopamina, o principal neurotransmissor dos gânglios basais, impede que esses gânglios funcionem normalmente. Os medicamentos e as perturbações que aumentam os níveis de dopamina, ou que aumentam a sensibilidade das células nervosas a ela, tendem a agravar a coreia e a atetose.

Localizando os gânglios basais

Os gânglios basais são conjuntos de células nervosas localizados profundamente no cérebro. Elas incluem as seguintes:

  • Núcleo caudado (uma estrutura em forma de C que se afunila em uma cauda fina)

  • Putâmen

  • Globo pálido (localizado dentro do putâmen)

  • Núcleo subtalâmico

  • Substância negra

Os gânglios basais ajudam a iniciar e suavizar os movimentos voluntários dos músculos, suprimir os movimentos involuntários e coordenar alterações na postura.

Localizando os gânglios basais

A coreia e a atetose estão presentes na doença de Huntington, uma doença degenerativa hereditária.

A coreia também pode ocorrer com os seguintes:

  • Coreia de Sydenham (também chamada dança de S. Vito ou doença de Sydenham), uma complicação da febre reumática (uma infecção da infância causada por determinado estreptococo) que é caracterizada por movimentos espasmódicos, movimentos incontroláveis e que podem durar diversos meses

  • Hiperatividade da glândula tireoide (hipertireoidismo)

  • Um nível de açúcar no sangue elevado (hiperglicemia)

  • Níveis baixos de hormônio da paratireoide (hipoparatireoidismo)

  • Um tumor ou acidente vascular cerebral afetando uma parte do gânglio basal chamado de núcleo caudado

  • Síndromes paraneoplásicas (sintomas causados por hormônios produzidos pelo tumor ou por anticorpos produzidos pelo sistema imunológico em resposta ao tumor)

  • Gravidez, causando uma condição chamada coreia gravídica que ocorre nos primeiros três meses de gravidez mas desaparece sem tratamento pouco tempo depois do parto.

  • Raramente, uso de contraceptivos orais

  • Uso de determinados medicamentos, como levodopa em pessoas com doença de Parkinson, fenitoína e cocaína

Em algumas pessoas, os medicamentos antipsicóticos podem causar uma coreia denominada discinesia tardia (caracterizada, por exemplo, por contrair os lábios e a língua ou por coreoatetose).

Às vezes, a coreia se desenvolve em pessoas mais velhas sem motivo aparente. Esta coreia, chamada coreia senil, tende a afetar os músculos em volta da boca e dentro dela. No entanto, se tais movimentos se desenvolvem, as pessoas devem marcar uma consulta com um médico.

Normalmente, o hemibalismo é causado por um acidente vascular cerebral, que afeta uma zona pequena, exatamente sob os gânglios basais chamada núcleo subtalâmicoEssa estrutura ajuda a controlar movimentos voluntários.

Sintomas

A coreia normalmente envolve as mãos, os pés e a face. O nariz pode enrugar, os olhos podem continuamente piscar e a boca ou a língua podem mover-se continuamente. Os movimentos não são ritmados, mas eles parecem passar de um músculo a outro e podem parecer uma dança. Os movimentos podem se fundir de modo imperceptível em ações intencionais ou semi-intencionais, às vezes, dificultando a identificação da coreia.

A atetose geralmente afeta as mãos e os pés. Os movimentos contorcidos e lentos geralmente se alternam ao manter partes dos membros em certas posições (posturas) para produzir um fluxo de movimento contínuo.

Quando a coreia e a atetose ocorrem concomitantemente, os movimentos são contorções, parecidos com uma dança e mais lentos do que na coreia mas mais rápidos do que na atetose.

O hemibalismo afeta um lado do corpo. Os braços são afetados com mais frequência do que as pernas. O hemibalismo pode, temporariamente, deixar a pessoa incapacitada, pois, quando ela tenta mover o membro, o mesmo pode se lançar de um modo incontrolável.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Às vezes, exames para identificar a causa

O diagnóstico de coreia, atetose e hemibalismo é baseado em sintomas. Os médicos também perguntam quais medicamentos a pessoa está tomando para verificar se há medicamentos que estejam causando os sintomas.

Testes podem ser realizados para identificar a causa. Esses exames podem incluir

  • Exames de sangue para medir os níveis de hormônios tireoidianos e/ou glicose

  • Imagens do cérebro, como imagem por ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC), são feitas para verificar tumores ou evidências de um acidente vascular cerebral

  • Algumas vezes outros testes, dependendo de qual causa é suspeita

Tratamento

  • Tratamento da causa

  • Medicamentos para ajudar a controlar movimentos anormais

A coreia em pessoas que apresentam hipertireoidismo ou hiperglicemia geralmente diminui quando essa doença é tratada. A coreia de Sydenham e a coreia causada por um AVC, em geral, diminuem gradualmente, sem tratamento. Se a coreia é causada por um medicamento, pode ser útil a suspensão do tratamento, mas a doença nem sempre desaparece.

Gestantes com coreia podem ser tratadas com barbituratos durante a gravidez. No entanto, após o parto, a coreia se atenua e acaba desaparecendo por si só.

Se as pessoas apresentarem coreia e atetose, tratamentos que ajudam a aliviar a coreia tendem também a ajudar a aliviar a atetose.

Medicamentos que bloqueiam a ação da dopamina podem ajudar a controlar os movimentos anormais. Esses medicamentos incluem os medicamentos antipsicóticos, como flufenazina, haloperidol e risperidona. Medicamentos que reduzem a quantidade de dopamina liberada, como reserpina e tetrabenazina, também podem ajudar. Entretanto, a melhora pode ser limitada.

O hemibalismo costuma desaparecer ao fim de vários dias, ainda que possa persistir durante 6 ou 8 semanas. Os medicamentos antipsicóticos podem auxiliar a suprimir o hemibalismo.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Vídeo
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Todos os movimentos voluntários no corpo são controlados pelo cérebro. As células nervosas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Doença de Parkinson mesencefálica
Modelo 3D
Doença de Parkinson mesencefálica

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS