Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Disartria

Por

Juebin Huang

, MD, PhD, Memory Impairment and Neurodegenerative Dementia (MIND) Center, University of Mississippi Medical Center

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A disartria é a perda da capacidade de articular as palavras de forma normal.

  • A fala pode ser espasmódica, com a respiração interrompida, irregular, imprecisa ou monótona mas as pessoas podem compreender a linguagem e usá-la corretamente.

  • Os profissionais avaliam a força muscular e o movimento, pedindo à pessoa para realizar algumas tarefas simples envolvendo sua boca e língua e repetir palavras e frases.

  • A fonoaudiologia auxilia alguns indivíduos com disartria.

Ainda que a disartria se assemelhe a um problema de linguagem, trata-se, de fato, de um problema para controlar os músculos da fala (um problema motor).

Causas

A disartria pode ser causada pela lesão do seguinte:

  • Partes do cérebro que controlam os movimentos musculares.

  • Cerebelo: o cerebelo, que está localizado entre o telencéfalo e o tronco encefálico, coordena os movimentos do corpo.

  • Gânglios basais: esse amplo conjunto de células nervosas ajuda a coordenar e suavizar os movimentos (consulte a figura Localizando os gânglios basais).

  • Tronco cerebral: o tronco cerebral controla os músculos que estão sendo utilizados ​​na respiração e aqueles utilizados para ajudar a fazer sons.

  • As fibras nervosas que ligam a camada externa do telencéfalo (córtex cerebral) ao tronco cerebral: essas fibras nervosas transmitem informações necessárias para controlar e coordenar os músculos utilizados ​​para produzir a fala, incluindo músculos dos lábios, da língua, do palato e das cordas vocais.

  • Articulação neuromuscular: os nervos ligam-se aos músculos na junção neuromuscular.

Sintomas

Indivíduos com disartria são capazes de pronunciar sons, semelhantes às palavras que querem dizer e na ordem correta. No entanto, a fala pode ser espasmódica, com a respiração interrompida, irregular, imprecisa ou monótona, dependendo do local da lesão.

Uma vez que a capacidade para compreender e para utilizar a linguagem não foi afetada, a maior parte das pessoas com disartria lê e escreve normalmente.

O problema que provoca disartria também pode causar dificuldade na mastigação e deglutição.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Testes das funções cerebrais

  • Exames de diagnóstico por imagem

Para diagnosticar disartria, o médico pergunta à pessoa sobre os sintomas e realiza exames físicos. Um fonoaudiólogo muitas vezes ajuda na avaliação. O profissional também pode realizar o seguinte:

  • Solicitar à pessoa que realize algumas tarefas simples, como soprar uma vela, morder o lábio inferior e botar a língua para fora: Observar a pessoa realizando essas tarefas ajuda os profissionais a avaliar a força e movimento dos músculos envolvidos na fala.

  • Solicitar à pessoa para repetir palavras e frases, cantar e contar: Observar a pessoa produzindo sons ajuda o profissional a detectar problemas com a fala, como respiração e fala espasmódica.

Um neuropsicólogo ou fonoaudiólogo podem aplicar testes padronizados de função cerebral (testes neuropsicológicos). Esses testes também ajudam os profissionais a planejarem o tratamento e a determinarem como provavelmente será a recuperação.

São realizados exames de diagnóstico por imagem, como a tomografia computadorizada (TC) ou a imagem por ressonância magnética (RM) para ajudar a identificar a causa.

Podem ser realizados outros testes de acordo com a causa suspeita. Esses testes podem incluir exames de sangue e urina, uma punção lombar, uma eletroencefa­lografia (EEG), uma eletromiografia e estudos de condução nervosa.

Tratamento

  • Fonoaudiologia

  • Algumas vezes, uso de um dispositivo de comunicação

A fonoaudiologia auxilia alguns indivíduos com disartria. A fonoaudiologia pode envolver exercícios de respiração e musculares e a repetição de palavras ou frases.

Se a disartria for grave, os terapeutas podem recomendar o uso de uma carta ou cartão de imagem ou de um dispositivo baseado em um computador com um teclado e uma tela de mensagem.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Vídeo
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Todos os movimentos voluntários no corpo são controlados pelo cérebro. As células nervosas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Doença de Parkinson mesencefálica
Modelo 3D
Doença de Parkinson mesencefálica

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS