Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Osteomielite

Por

Steven Schmitt

, MD, Cleveland Clinic Lerner College of Medicine at Case Western Reserve University

Última revisão/alteração completa jan 2019| Última modificação do conteúdo jan 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A osteomielite é uma infecção óssea geralmente causada por bactérias, micobactérias ou fungos.

  • As bactérias, micobactérias ou fungos podem infeccionar os ossos, disseminando-se através da corrente sanguínea ou, mais frequentemente, disseminando-se a partir de tecidos próximos infectados ou de uma ferida aberta contaminada.

  • As pessoas sentem dor em uma parte do osso, bem como febre e perda de peso.

  • São feitos exames de sangue e exames de diagnóstico por imagem e os médicos removem uma amostra de osso para exames.

  • São administrados antibióticos por várias semanas e pode ser necessária cirurgia para remover o osso infectado.

A osteomielite ocorre mais comumente em crianças pequenas e em pessoas idosas, porém, todas as faixas etárias estão em risco. A osteomielite também é mais frequente em pessoas com quadros clínicos graves.

Quando um osso se torna infectado, a parte mole e interna (medula óssea) muitas vezes incha. À medida que o tecido inflamado pressiona a rígida parede externa do osso, os vasos sanguíneos da medula óssea podem ser comprimidos, o que reduz ou corta o fornecimento de sangue ao osso.

Sem um fornecimento de sangue adequado, partes do osso podem morrer. É difícil curar a infecção dessas áreas de osso morto, pois é difícil para as células que combatem infecções naturais do corpo e para os antibióticos alcançarem essa região.

A infecção também pode se espalhar para fora do osso e formar coleções de pus (abscessos) nos tecidos moles adjacentes, como músculos. Abscessos ocasionalmente drenam espontaneamente através da pele.

Causas

Os ossos, que normalmente estão bem protegidos de infecções, podem ser infectados por três vias:

  • Pela corrente sanguínea (que pode levar uma infecção de outra parte do corpo até os ossos)

  • Invasão direta (via fraturas expostas, cirurgia ou objetos que perfuram o osso)

  • Infecções em estruturas próximas, como articulações naturais ou artificiais e tecidos moles

Lesões, um corpo estranho (como uma articulação artificial infectada) e redução do fornecimento de sangue a órgãos ou tecidos (isquemia) podem causar osteomielite.

A osteomielite pode se formar sob úlceras de decúbito profundas.

A maioria das osteomielites resulta de invasões diretas ou infecções em tecidos moles adjacentes (como uma úlcera no pé causada por má circulação ou diabetes).

Disseminação através do sangue

Quando os organismos que causam a osteomielite disseminam-se pela corrente sanguínea, a infecção geralmente ocorre

  • Nas extremidades dos ossos da perna e do braço em crianças

  • Na co­luna vertebral (vértebras) em adultos, particularmente em idosos

Infecções das vértebras são denominadas osteomielite vertebral. Pessoas idosas, debilitadas (como as que vivem em casas de repouso), que têm anemia falciforme, que são submetidas à diálise renal ou que injetam drogas usando agulhas não esterilizadas são particularmente suscetíveis à osteomielite vertebral.

Staphylococcus aureus é a bactéria mais frequentemente responsável ​​pela osteomielite que se dissemina pela corrente sanguínea. Mycobacterium tuberculosis (a bactéria que causa a tuberculose) e fungos podem se disseminar pela mesma via e causar osteomielite, particularmente em pessoas que apresentam um sistema imunológico enfraquecido (como aquelas que apresentam infecção pelo HIV, com determinados cânceres ou que se submeteram ao tratamento com medicamentos que suprimem o sistema imunológico) ou que vivem em áreas onde determinadas infecções fúngicas são comuns.

Invasão direta

As bactérias ou sementes fúngicas (chamadas esporos) podem infectar o osso diretamente através de fraturas expostas, durante uma cirurgia óssea ou através de objetos contaminados que perfuram o osso.

A osteomielite pode ocorrer após uma peça de metal ter sido ligada cirurgicamente a um osso, como ocorre na reparação de fraturas do quadril ou outras ( Reparação de uma fratura do quadril). Além disso, bactérias ou esporos fúngicos podem infectar o osso no qual uma articulação artificial (prótese) está implantada ( Artrite infecciosa na articulação artificial). Os organismos podem ser transportados para a área de osso adjacente à articulação artificial durante a operação para substituir a articulação ou a infecção pode ocorrer posteriormente.

Disseminação a partir de estruturas adjacentes

A osteomielite também pode resultar de uma infecção nos tecidos moles adjacentes. A infecção se espalha para o osso após vários dias ou semanas. Esse tipo de disseminação ocorre particularmente em pessoas idosas.

Tal infecção pode começar em uma área danificada por uma lesão ou cirurgia, radioterapia ou câncer ou em uma úlcera cutânea (particularmente uma úlcera no pé) causada ​​por má circulação ou diabetes. Uma infecção nos seios nasais, gengivas ou dentes pode se espalhar para o crânio.

Sintomas

Na osteomielite aguda, infecções dos ossos das pernas e dos braços causam febre e, às vezes, dor no osso infectado. A área sobre o osso pode ficar dolorida, avermelhada, quente ou inchada e o movimento pode ser doloroso. A pessoa pode perder peso e sentir-se cansada.

Quando a osteomielite resulta de infecções nos tecidos moles adjacentes ou da invasão direta por um organismo, a área sobre o osso incha e fica dolorida. Podem se formar abscessos no tecido circundante. Essas infecções podem não provocar febre.

Infecções ao redor de uma articulação artificial ou membro infectados normalmente provocam dor persistente na área.

A osteomielite vertebral geralmente se desenvolve gradualmente, causando uma dor persistente nas costas e sensibilidade ao toque. A dor piora com o movimento e não melhora com o repouso, compressas quentes ou medicamentos para aliviar a dor (analgésicos). As pessoas geralmente não têm febre, que é geralmente o sinal mais óbvio de infecção.

Pode se desenvolver osteomielite crônica se a osteomielite não for tratada com sucesso. Trata-se de uma infecção persistente e muito difícil de ser recuperada. Às vezes, a osteomielite crônica permanece indetectável por um longo período, sem causar sintomas durante meses ou anos. Mais comumente, a osteomielite crônica causa dor óssea, infecções recorrentes do tecido mole sobre o osso e drenagem constante ou intermitente de pus através da pele. Essa drenagem ocorre quando uma passagem (trato sinusal) se forma entre o osso infectado e a superfície da pele e ocorre a drenagem de pus através do trato sinusal.

Diagnóstico

  • Exames de sangue

  • Exames de imagem, como radiografias, tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM), cintilografia óssea ou cintilografia de leucócitos

Os sintomas e achados encontrados pelos médicos durante um exame físico podem sugerir osteomielite. Por exemplo, os médicos podem suspeitar de osteomielite em uma pessoa com dor persistente em parte de um osso, que pode ou não ter febre, e que se sente cansada a maior parte do tempo.

Se os médicos suspeitarem de osteomielite, eles realizarão exames de sangue para inflamação, medindo-se um dos seguintes:

  • Velocidade de hemossedimentação (VHS – um exame que mede a velocidade em que as hemácias se depositam no fundo de um tubo de ensaio contendo sangue)

  • Nível de proteína C-reativa (uma proteína que circula no sangue e o nível aumenta drasticamente quando existe inflamação)

Geralmente, há inflamação presente se a VHS e o nível de proteína C-reativa estiverem aumentados. Além disso, os exames de sangue frequentemente indicam níveis elevados de leucócitos. Os resultados desses exames de sangue não são suficientes para fazer o diagnóstico de osteomielite. No entanto, os resultados que mostram pouca ou nenhuma inflamação podem sugerir que a pessoa não tem osteomielite.

Uma radiografia pode mostrar alterações características de osteomielite, mas às vezes, essas alterações só aparecem duas a quatro semanas após os primeiros sintomas.

Se os resultados da radiografia não estiverem claros ou os sintomas forem graves, uma tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM) será realizada. A TC e a RM podem identificar as áreas ou articulações infectadas e revelar infecções próximas, como abscessos.

Alternativamente, uma cintilografia óssea (imagens do osso realizadas após a injeção de uma substância chamada tecnécio radioativo) pode ser realizada. A área infectada quase sempre parece anormal em varreduras ósseas, exceto em bebês pois as varreduras não indicam anormalidades em ossos em fase de crescimento de forma confiável. No entanto, uma cintilografia óssea nem sempre distingue infecções de outras doenças ósseas. As cintilografias com leucócitos (imagens feitas após injeção de leucócitos marcados com índio radiativo em uma veia) podem ajudar a distinguir infecções de outras doenças em áreas que são anormais em exames de imagem dos ossos.

Para diagnosticar uma infecção óssea e identificar os organismos causadores, os médicos podem coletar amostras de sangue, pus, líquido articular ou do próprio osso para exame. Normalmente, para a osteomielite vertebral, as amostras de tecido ósseo são removidas com uma agulha ou durante uma cirurgia.

Prognóstico

O prognóstico para pessoas com osteomielite geralmente é bom com tratamento precoce e adequado. No entanto, às vezes, ocorre o desenvolvimento de osteomielite crônica e um abscesso ósseo pode reaparecer semanas, meses ou mesmo anos depois.

Tratamento

  • Antibióticos ou antifúngicos

  • Às vezes, cirurgia

  • Para abscessos, geralmente drenagem

Antibióticos e antifúngicos

Para crianças e adultos que desenvolveram infecções ósseas através da corrente sanguínea recentemente, antibióticos são o tratamento mais eficaz. Se as bactérias responsáveis pela infecção não puderem ser identificadas, são usados antibióticos eficazes contra Staphylococcus aureus e muitos tipos de bactérias (antibióticos de amplo espectro). Dependendo da gravidade da infecção, podem ser administrados antibióticos pela veia (por via intravenosa) por cerca de quatro a oito semanas. Logo, os antibióticos podem ser continuados por via oral por um longo período de tempo, dependendo de como a pessoa responde a eles. Algumas pessoas têm osteomielite crônica e precisam de meses de tratamento antibiótico.

Se uma infecção fúngica for identificada ou suspeita, são necessários medicamentos antifúngicos por vários meses. Se a infecção for detectada em uma fase precoce, em geral não é necessária cirurgia.

Cirurgia e drenagem

Para adultos que têm osteomielite bacteriana das vértebras, o tratamento comum inclui antibióticos por quatro a oito semanas. Às vezes, é necessário repouso e a pessoa pode precisar usar um colete. Pode ser necessária cirurgia para drenar abscessos ou estabilizar vértebras afetadas (para evitar que as vértebras entrem em colapso e, assim, danifiquem nervos e vasos sanguíneos adjacentes ou a medula espinhal).

Quando a osteomielite é resultado de uma infecção dos tecidos moles adjacentes, o tratamento é mais complexo. Normalmente, todo o tecido e osso mortos são removidos cirurgicamente e o espaço vazio resultante é envolto com pele ou outro tecido saudável. Em seguida, a infecção é tratada com antibióticos. Antibióticos de amplo espectro podem ser necessários por mais de três semanas após a cirurgia.

Quando um abscesso está presente, ele normalmente precisa ser drenado cirurgicamente. Também pode ser necessária cirurgia para pessoas com febre persistente e perda de peso.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Biópsia
Vídeo
Biópsia
Uma biópsia é um procedimento em que uma amostra de tecido é retirada do corpo para exame...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Bursite
Modelo 3D
Bursite

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS