Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Gota

Por

N. Lawrence Edwards

, MD, Department of Medicine, University of Florida College of Medicine

Última revisão/alteração completa mai 2018| Última modificação do conteúdo mai 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Gota é uma doença na qual há o acúmulo de depósitos de cristais de ácido úrico nas articulações devido a concentrações elevadas de ácido úrico no sangue (hiperuricemia). O acúmulo de cristais causa exacerbações (crises) inflamatórias dolorosas nas articulações ou ao seu redor.

  • Os acúmulos de cristais de ácido úrico podem causar inflamação e dor grave intermitente nas articulações ou nos tecidos.

  • Os médicos removem o líquido das articulações e verificam a presença de cristais de ácido úrico.

  • São administrados medicamentos para aliviar a inflamação e a dor, prevenir novas exacerbações e, às vezes, diminuir os níveis de ácido úrico no sangue para diminuir depósitos de cristais de urato nas articulações.

Gota é mais comum em homens do que em mulheres. Geralmente, ela se desenvolve em homens de meia-idade e em mulheres após a menopausa. A gota é rara em jovens, mas geralmente é muito mais grave em pessoas que desenvolvem a doença antes dos 30 anos.

A gota, causada devido a concentrações elevadas no sangue de ácido úrico (hiperuricemia), pode afetar vários membros da mesma família.

Os níveis no sangue de ácido úrico tendem a ser elevados em pessoas com síndrome metabólica. Esta síndrome é caracterizada por grande circunferência da cintura (devido ao excesso de gordura abdominal), hipertensão arterial, resistência aos efeitos da insulina (chamada resistência à insulina) ou níveis elevados de açúcar no sangue e por níveis anormais de colesterol e outras gorduras no sangue.

Doença arterial coronariana e síndrome metabólica são comuns em pessoas com gota.

Causas

Normalmente, o ácido úrico, um subproduto da quebra de ácidos nucleicos (ácido ribonucleico [RNA] e ácido desoxirribonucleico [DNA]) nas células, está presente em pequenas quantidades no sangue, devido ao fato de o corpo destruir células e formar novas células continuamente. Além disso, o corpo transforma prontamente substâncias presentes em alimentos chamadas purinas em ácido úrico. As purinas são os principais constituintes do RNA e DNA.

Níveis de ácido úrico anormalmente elevados no sangue resultam de

  • Eliminação diminuída de ácido úrico pelos rins (causa mais comum)

  • Consumo excessivo de alimentos ricos em purina e/ou álcool

  • Produção exacerbada de ácido úrico

Frequentemente, o nível de ácido úrico no sangue se torna anormalmente alto quando os rins não podem eliminar ácido úrico na urina suficientemente. Essa causa é geralmente determinada pelos genes da pessoa. Muito ácido úrico no sangue pode resultar em cristais de ácido úrico sendo formados e depositados nas articulações ou ao seu redor. Os quadros clínicos que podem comprometer a capacidade de o rim eliminar o ácido úrico também incluem

  • Alguns tipos de doenças renais

  • Certos medicamentos

  • Envenenamento por chumbo

Consumo excessivo de alimentos ricos em purina (como fígado, rim, anchovas, aspargos, arenques, caldos e molhos de carne, cogumelos, mexilhões, sardinhas e pães doces) podem aumentar os níveis de ácido úrico no sangue. No entanto, uma dieta estrita baixa em purina reduz os níveis de ácido úrico em apenas uma pequena quantidade. No passado, quando o consumo de carnes e peixes era escasso, a gota era considerada uma doença que acometia pessoas ricas.

A combinação de uma dieta rica em purinas com álcool ou bebidas contendo xarope de milho rico em frutose pode piorar a situação, porque todas estas bebidas podem aumentar a produção de ácido úrico e interferir na sua eliminação pelos rins.

Por motivos desconhecidos, nem todas as pessoas que possuem hiperuricemia desenvolvem gota.

Fatores de risco para o desenvolvimento de gota

Você sabia que...

  • No passado, quando o consumo de carnes e peixes (alimentos ricos em purina) era escasso, a gota era considerada uma doença que acometia pessoas ricas.

Menos comumente, outro distúrbio faz com que o corpo produza ácido úrico em excesso. (Gota causada por outro distúrbio é chamada gota secundária). Esses distúrbios incluem

  • Qualquer tipo de doença renal crônica

  • Doenças que levam as células a se multiplicarem e/ou serem destruídas rapidamente, como leucemia, linfoma e anemia hemolítica

  • Medicamentos que levam as células a se multiplicarem e/ou se destruírem rapidamente, como certos medicamentos antineoplásicos e radioterapia

Geralmente, os níveis altos de ácido úrico no sangue levam a níveis altos de ácido úrico nas articulações. Esse processo pode resultar na formação de cristais de ácido úrico no tecido das articulações e no líquido ao redor das articulações (líquido sinovial).

A gota muito frequentemente afeta as articulações dos pés, especialmente a base do hálux (inchaço, dor e vermelhidão do hálux é chamado podagra). Porém, afeta com mais frequência outras áreas: tornozelos, dorso dos pés, joelhos, pulsos e cotovelos. A gota tende a afetar essas áreas mais frias, já que os cristais de ácido úrico se formam mais rapidamente em áreas frias do que em áreas quentes. A gota raramente afeta as articulações das partes mais quentes e centrais do corpo, como a coluna vertebral, quadris ou ombros.

Exacerbações (crises) graves repentinas de gota (chamadas artrite gotosa aguda) podem ocorrer. Estas podem ser desencadeadas por

  • Uma lesão

  • Doença (como pneumonia ou outra infecção)

  • Cirurgia

  • Uso de diuréticos tiazídicos

  • Início de tratamento com determinados medicamentos (como alopurinol, febuxostate, probenecida e nitroglicerina, especialmente nitroglicerina administrada por via intravenosa que contenha álcool) que podem repentinamente alterar os níveis de ácido úrico no sangue

  • Consumo de grandes quantidades de álcool ou alimentos ricos em purina

Sintomas

Geralmente, dor intensa ocorre de forma repentina em uma ou mais articulações, frequentemente durante a noite. A dor noturna ocorre provavelmente porque o líquido que se acumulou na articulação durante o dia sai da articulação mais rapidamente do que o ácido úrico quando a pessoa se deita, aumentando a concentração de ácido úrico e sua prontidão em formar cristais. A dor piora progressivamente e geralmente é extrema, particularmente quando a articulação é movida ou tocada.

A articulação fica inflamada — ela incha, fica quente e a pele sobre a articulação pode ter aparência avermelhada ou roxa, enrijecida e reluzente.

Outros sintomas de uma exacerbação às vezes incluem

  • Febre (que pode atingir 38,9 °C [102 °F])

  • Uma rápida frequência cardíaca (taquicardia)

  • Uma sensação geral de doença

  • Calafrios (raramente)

Geralmente, as primeiras exacerbações afetam apenas uma articulação e duram alguns dias.

Os sintomas desaparecem gradativamente, a função da articulação retorna e nenhum sintoma fica evidente até a próxima exacerbação. Porém, se a doença progredir, as exacerbações não tratadas podem durar por mais tempo, ocorrer com maior frequência e afetar diversas articulações. Se não forem tratadas, as exacerbações posteriores podem durar até três semanas.

Após exacerbações repetidas, a gota pode se tornar grave e persistente e pode resultar em deformidade articular.

Com o tempo, o movimento da articulação se torna progressivamente restrito pela lesão causada por depósitos de cristais de ácido úrico nas articulações e tendões.

Tofos

Inicialmente, nódulos de cristais de ácido úrico rígidos (tofos) se depositam no revestimento ou cartilagem da articulação (sinoviais) ou no osso próximo às articulações e, finalmente, na pele a seu redor. Os tofos também podem se desenvolver nos rins e outros órgãos e abaixo da pele das orelhas. Eles normalmente se desenvolvem nos dedos, mãos, pés, no tendão rígido que se estende dos músculos da panturrilha ao calcanhar (tendão calcâneo) ou ao redor dos cotovelos.

Os tofos normalmente são indolores, mas podem ficar inflamados e dolorosos.

Se não forem tratados, os tofos dentro e ao redor da articulação podem se romper e liberar massas calcárias de cristais de ácido úrico na pele e podem acabar por causar deformidades e osteoartrite.

Complicações da gota

Cerca de 20% das pessoas que têm gota desenvolvem cálculos renais (urolitíase) que são compostos de ácido úrico. Os cálculos podem bloquear o trato urinário, resultando em dor extrema e, se não tratados, podem causar infecção e lesões renais.

Em pessoas com gota que também têm outra doença que afeta os rins (como diabetes ou hipertensão arterial), uma função renal progressivamente deficiente reduz a excreção de ácido úrico e provoca piora da gota das articulações.

Gota crônica aumenta o risco de desenvolver osteoartrite.

Diagnóstico

  • Análise do líquido articular ao microscópio

  • Às vezes, radiografias e/ou ultrassonografia ou ressonância magnética (RM)

Os médicos suspeitam da gota com base nos sintomas distintos e em um exame das articulações afetadas. As seguintes características sugerem o diagnóstico de gota:

  • Podagra (inchaço súbito, dor e vermelhidão do hálux)

  • Inflamação recorrente da pisada interna

  • Um histórico de exacerbações anteriores que tiveram início subitamente e se resolveram espontaneamente

Muitas pessoas com gota apresentam níveis altos de ácido úrico no sangue. O nível de ácido úrico, entretanto, é muitas vezes normal, especialmente durante uma exacerbação aguda. Muitas pessoas apresentam níveis altos de ácido úrico no sangue, mas não apresentam exacerbações de gota.

O diagnóstico de gota geralmente é confirmado quando cristais de ácido úrico em forma de agulha são identificados em uma amostra de tofo ou no líquido articular removido através de uma agulha (aspiração articular) e observado em um microscópio especial com luz polarizada.

Radiografias podem mostrar a lesão articular e a presença de tofos. Os médicos também podem solicitar uma ultrassonografia ou RM para verificar a presença de depósitos de ácido úrico.

A gota é muito similar a outros tipos de artrite e muitas vezes confundida com eles.

Prognóstico

Com o diagnóstico precoce, o tratamento permite que a maioria das pessoas vivam normalmente. Para muitas pessoas com doença avançada, a diminuição significativa dos níveis de ácido úrico no sangue pode solucionar os tofos e melhorar a função da articulação.

A gota normalmente é mais grave em pessoas cujos sintomas iniciais aparecem antes dos 30 anos. Síndrome metabólica e doença arterial coronariana provavelmente contribuem para morte prematura em pessoas com gota.

Algumas pessoas não melhoram suficientemente com o tratamento. Os motivos podem incluir falha em seguir a posologia dos medicamentos, subdosagem de medicamentos e alcoolismo.

Tratamento

  • Medicamentos para aliviar dor e inchaço resultante da inflamação

  • Repouso, imobilização de uma articulação dolorosa com uma tala e gelo

  • Alterações da dieta e perda de peso para diminuir os níveis de ácido úrico e ajudar a prevenir outras exacerbações

  • Medicamentos para evitar exacerbações através da prevenção da inflamação causada por cristais

  • Medicamentos para abaixar os níveis de ácido úrico e dissolver os cristais

O tratamento da gota tem três objetivos:

  • Aliviar a exacerbação aguda da inflamação

  • Prevenir exacerbações futuras

  • Prevenir o depósito adicional de ácido úrico nos tecidos ao diminuir os níveis de ácido úrico no sangue

Aliviar exacerbações agudas de gota

Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides(AINEs) geralmente são eficientes no alívio da dor e do inchaço da articulação. Em alguns casos, analgésicos complementares são necessários para controlar a dor.

O tratamento com AINEs deve ser continuado por diversos dias após a dor e a inflamação terem se resolvido para prevenir que ocorram novamente (um quadro clínico chamado recaída).

A colchicina é o tratamento tradicional, mas não o mais comum nem a primeira opção. Geralmente, a dor nas articulações começa a diminuir de 12 a 24 horas após o tratamento com colchicina e, em alguns casos, desaparece após três a sete dias. Em geral se tomam dois comprimidos de colchicina assim que for possível após o início dos sintomas de uma exacerbação. Um terceiro comprimido é tomado uma hora depois. Esta terapia é continuada no dia seguinte com o uso de um comprimido uma ou duas vezes ao dia durante sete a dez dias.

Corticosteroides, como prednisona, algumas vezes são úteis para reduzir a inflamação da articulação (incluindo o inchaço) em pessoas que não toleram outros medicamentos.

Se apenas uma ou duas articulações estiverem afetadas, uma suspensão de corticosteroide, como tebutato de prednisolona, pode ser injetada utilizando-se a mesma agulha utilizada para remover líquido de uma articulação.

Como ocorre com a terapia com AINEs e colchicina, os corticosteroides, que são tomados por via oral, devem ser continuados até que a exacerbação melhore completamente para evitar uma recaída.

Algumas combinações destes medicamentos são administradas.

Além dos AINEs, colchicina ou corticosteroides, outros analgésicos, repouso, imobilização com uma tala e gelo podem ser utilizados para diminuir a dor. Se a pessoa não puder tolerar corticosteroides, colchicina ou AINEs, medicamentos que inibem o sistema imunológico e o sistema inflamatório (como anacinra) podem ser usados. Se houver problemas subjacentes, como doença renal crônica ou úlcera péptica, ou se a pessoa estiver tomando determinados medicamentos (como anticoagulantes), os tratamentos habituais para gota podem não ser utilizados ou podem ser modificados.

Prevenir exacerbações futuras da gota

As seguintes recomendações podem ajudar:

  • Evitar bebidas alcoólicas (como cerveja ou licor) e cerveja não alcoólica

  • Perda de peso

  • Trocar os medicamentos que causam níveis elevados de ácido úrico no sangue

  • Ingerir quantidades menores de alimentos ricos em purina

  • Substituir produtos lácteos com baixo teor de gordura por outros alimentos

Mas essas medidas são, geralmente, insuficientes.

A maioria das pessoas que têm gota primária estão com sobrepeso. Conforme perdem peso gradativamente, seus níveis de ácido úrico no sangue geralmente voltam ao normal ou próximos do normal e as exacerbações de gota, subsequentemente, cessam.

Pode ser necessário tratamento medicamentoso preventivo diário para pessoas que sofrem exacerbações graves repetidas. A colchicina pode ser ingerida diariamente para prevenir exacerbações ou reduzir significativamente sua frequência. AINEs tomados diariamente também podem prevenir exacerbações. Esses medicamentos ajudam a evitar que os cristais causem inflamação que resulte em exacerbações. No entanto, a colchicina e AINEs podem causar alguns efeitos colaterais.

Pessoas com gota que tomam um diurético (como hidroclorotiazida) para tratar hipertensão arterial podem ter menos exacerbações se tomarem losartana ou um medicamento similar ao invés de um diurético para controlar a pressão arterial. Contudo, a prevenção de exacerbações trocando um diurético para losartana ou outro medicamento para tratar a hipertensão arterial não previne nem cura lesões articulares já existentes causadas por cristais de ácido úrico, porque os cristais ainda estão nas articulações entre as exacerbações de gota. Além disso, esses medicamentos alternativos podem ter efeitos colaterais.

Como reduzir níveis de ácido úrico no sangue

Um nível alto de ácido úrico no sangue causa problemas para pessoas com gota e pode aumentar o risco de doença renal em pessoas sem gota. A diminuição dos níveis de ácido úrico no sangue ajuda a dissolver depósitos de ácido úrico nos tecidos e a prevenir exacerbações futuras, bem como a ocorrência de lesões crônicas nos rins e articulações.

Entre as pessoas com gota que necessitam reduções dos níveis de ácido úrico no sangue em particular estão aquelas que têm:

  • Exacerbações graves e frequentes (mais do que 2 por ano) a despeito do uso de colchicina, um AINE ou ambos

  • Tofos

  • Cálculos de ácido úrico nos rins

  • Quadros clínicos que fazem com que seja arriscado tomar AINEs ou corticosteroides (como úlcera péptica e doença renal crônica)

Pessoas que usam medicamentos que diminuem o nível de ácido úrico no sangue devem conhecer seu nível, assim como pessoas com hipertensão arterial devem conhecer sua pressão arterial. O objetivo da terapia medicamentosa é diminuir o nível para menos de seis miligramas por decilitro. Se o nível sanguíneo for mantido abaixo de seis, o ácido úrico não se depositará mais nas articulações e tecidos moles, sendo que os depósitos existentes se dissolverão com o passar do tempo.

Medicamentos podem diminuir o nível de ácido úrico ao reduzirem a produção de ácido úrico do corpo ou aumentarem a excreção de ácido úrico na urina.

O alopurinol é utilizado mais comumente para diminuir o nível de ácido úrico no sangue. Esse medicamento bloqueia a produção de ácido úrico no corpo. Porém, o alopurinol pode afetar o estômago e, às vezes, pode causar eritemas, redução da contagem de glóbulos brancos, lesão hepática ou inflamação dos vasos sanguíneos (vasculite). O alopurinol também pode desencadear uma exacerbação aguda no início do tratamento (exacerbação de mobilização). Como a colchicina em doses baixas ou um AINE pode diminuir esse risco, um desses medicamentos geralmente é administrado quando é iniciado o tratamento com alopurinol (ou febuxostate) e continua por alguns meses.

Febuxostate é outro medicamento que diminui os níveis de ácido úrico no sangue. Ele é muito útil em pacientes que não podem tomar alopurinol ou para os quais este medicamento não é eficaz. Como com o alopurinol, podem ocorrer exacerbações enquanto o nível de ácido úrico no sangue diminui.

Pegloticase é outro medicamento usado para diminuir os níveis de ácido úrico no sangue. Ele é administrado por infusão intravenosa a cada duas semanas e é prescrito principalmente para pessoas com gota prolongada que não obtiveram sucesso com outros tratamentos. Pegloticase não é usado com outros medicamentos que diminuem os níveis de ácido úrico no sangue.

Medicamentos uricosúricos (medicamentos que aumentam a excreção de ácido úrico na urina) também podem ser utilizados para diminuir os níveis de ácido úrico no sangue em pessoas com função renal normal. Probenecida e lesinurade são medicamentos uricosúricos.

Probenecida é tomada mais de uma vez ao dia e pode ser combinada ao alopurinol ou febuxostate.

Lesinurade é tomado diariamente e precisa ser tomado com alopurinol ou febuxostate.

A aspirina pode bloquear os efeitos da probenecida e doses elevadas de aspirina não devem ser administradas simultaneamente com a probenecida. As doses baixas que protegem o coração (81 miligramas diariamente) devem ser continuadas, pois a doença arterial coronariana é considerada um risco considerável em pessoas com gota. Doses baixas de aspirina podem aumentar os níveis já elevados de ácido úrico no sangue (hiperuricemia), mas apenas um pouco.

O medicamento para reduzir a pressão arterial, losartana, e o medicamento para reduzir triglicérides, fenofibrato, levam à excreção de ácido úrico na urina. Estes medicamentos podem reduzir o ácido úrico de pessoas que os estejam tomando por outros motivos.

Exacerbações de mobilização

Qualquer tratamento que diminua os níveis de ácido úrico no sangue pode desencadear uma exacerbação aguda (às vezes chamada exacerbação de mobilização). Exacerbações de mobilização são particularmente comuns logo após o início do uso de um medicamento. Uma exacerbação de mobilização pode ser um sinal de que o medicamento está funcionando bem para reduzir os níveis de ácido úrico.

Durante uma exacerbação de mobilização, as pessoas não devem interromper o uso dos medicamentos que reduzem o nível de ácido úrico.

Colchicina em doses baixas ou um AINE pode ser administrado por alguns meses depois do tratamento para ajudar a prevenir ou tratar as exacerbações de mobilização.

Outros tratamentos

Apesar de os medicamentos uricosúricos diminuírem a concentração de ácido úrico no sangue, eles podem aumentar a concentração de ácido úrico na urina. Ingerir bastante líquido — pelo menos três litros por dia — pode ajudar a diminuir o risco de formação de cálculos de ácido úrico no trato urinário. Tornar a urina básica (alcalina) ou menos ácida tomando acetazolamida ou citrato de potássio (que ajuda a dissolver o ácido úrico na urina) pode ser um auxílio adicional para reduzir o risco de formação de cálculos de ácido úrico no trato urinário. Porém, se a urina se tornar muito alcalina, podem se formar cristais ou cálculos de um tipo mais perigoso – oxalato de cálcio e, menos frequentemente, fosfato de cálcio.

A maioria dos tofos nas orelhas, mãos ou pés diminuem lentamente quando o nível de ácido úrico se torna suficientemente baixo (menos de 6 miligramas por decilitro).

Os cálculos de ácido úrico no trato urinário podem ser destruídos e, então, expelidos na urina, através de um ultrassom direcionado aos cálculos e emitido de fora do corpo (litotripsia extracorpórea por ondas de choque – consulte Extração de um cálculo através de ondas sonoras).

Tabela
icon

Medicamentos utilizados para tratar gota

Medicamento

Alguns efeitos colaterais

Comentários

Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs)

Todos os AINEs

Desconforto estomacal

Hemorragia

Lesão renal

Níveis de potássio elevados

Retenção de sódio e potássio

Inchaço ou hipertensão arterial (algumas vezes)

Utilizado para tratar uma exacerbação aguda (repentina) ou prevenir uma exacerbação

Medicamentos antigota

Colchicina

Desconforto estomacal e diarreia

Supressão de produção de células sanguíneas na medula óssea (ocorre muito raramente se o medicamento for utilizado adequadamente)

Dor muscular e fraqueza (incomum)

A interação com muitos medicamentos pode, às vezes, causar efeitos colaterais graves

Usada para prevenir e tratar exacerbações

Corticosteroides

Prednisona (tomada por via oral)

Retenção de sódio, com inchaço ou hipertensão arterial

Efeitos colaterais múltiplos se usada em longo prazo

Usada para tratar exacerbações agudas

Tebutato de prednisolona ou triancinolona hexacetonida (administrados por injeção)

Dor

Desconforto

Lesão nas articulações com uso excessivo

Inflamação (ocasionalmente)

Infecção (raramente)

Injetados na articulação apenas se uma ou duas articulações estiverem afetadas

Medicamentos uricosúricos (medicamentos que aumentam a secreção de ácido úrico na urina)

Probenecida

Erupção cutânea

Náusea

Vômitos

Cálculos renais

Podem ser utilizados em longo prazo para diminuir os níveis de ácido úrico no sangue e prevenir exacerbações

Lesinurade

Problemas renais

Deve ser usado com alopurinol ou febuxostate

Medicamentos que podem bloquear a produção de ácido úrico

Alopurinol

Desconforto estomacal

Erupção cutânea (que pode ser séria)

Diminuição da quantidade de leucócitos

Lesão hepática (rara)

Podem ser usados em longo prazo para diminuir os níveis de ácido úrico no sangue, prevenir exacerbações e remover os cristais do corpo ou os cálculos dos rins

Febuxostate

Náusea

Dores nas articulações

Erupção cutânea

Especialmente útil em pacientes que não podem tolerar alopurinol em doses elevadas ou para os quais este medicamento é ineficaz

Pegloticase

Hematoma

Constipação

Náusea e vômito

Alto risco de exacerbação de mobilização

Reações alérgicas

Pode ser usado por longos períodos para o tratamento de gota prolongada

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Biópsia
Vídeo
Biópsia
Uma biópsia é um procedimento em que uma amostra de tecido é retirada do corpo para exame...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Bainhas dos tendões flexores dos dedos
Modelo 3D
Bainhas dos tendões flexores dos dedos

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS