Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Cuidado da pele do membro residual

Por

Jan J. Stokosa

, CP, Stokosa Prosthetic Clinic

Última revisão/alteração completa dez 2019| Última modificação do conteúdo dez 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A pele que entra em contato com o soquete da prótese deve ser cuidada e cuidadosamente examinada para prevenir ruptura e infecção da pele. A ruptura da pele ocorre quando a pele é danificada e desenvolve bolhas ou ulcerações. Dor é o primeiro indício de um problema. Quando a pessoa sente algo desagradável pela primeira vez, ela deve remover a prótese e inspecionar a pele.

Os problemas de pele podem ser sérios e devem ser avaliados e tratados, conforme necessário, por um profissional de saúde juntamente com um protesista ortopédico (um especialista que projeta, adequa, fabrica e ajusta próteses). À medida que os pacientes se familiarizam com problemas recorrentes, eles podem conseguir identificar quais problemas são pequenos e controlá-los sozinhos. No entanto, qualquer coisa incomum, persistente, dolorida ou preocupante deverá ser avaliada por um profissional da área de saúde.

Fatores de risco para problemas de pele

Distúrbios que reduzem a circulação nos membros inferiores (como doenças de vasos sanguíneos ou diabetes) e colocam as pessoas em risco de amputação também aumentam o risco de ruptura e infecção da pele depois da amputação.

Alguns desses distúrbios (como o diabetes) e outros (como distúrbios neurológicos) afetam a capacidade de sentir dor e outras sensações. Os pacientes com esses distúrbios podem não sentir desconforto ou dor quando há ruptura da pele ou uma infecção se apresenta e, portanto, não observam esses problemas. Esses pacientes deverão remover a prótese várias vezes ao dia para verificar se há vermelhidão ou outros sinais de ruptura ou infecção na pele. Outros pacientes deverão procurar esses sinais na pele pelo menos uma vez ao dia.

Problemas de pele são mais prováveis quando o membro residual tem determinadas características, incluindo excesso de tecido na extremidade do osso, pele frouxa, pele queimada, enxertos de pele, cicatrizes espessas ou profundas e caroços ou pontas agudas na extremidade óssea.

Se o soquete da prótese tiver um encaixe ideal, problemas de pele são mínimos. Mas, mesmo com bom ajuste, alterações normais do membro, como encolhimento muscular e diferenças diárias no volume de fluido podem alterar a relação entre o coto e o soquete e aumentar o risco de problemas. Se a porção superior do soquete estiver muito apertada, a circulação fica comprometida e o membro pode inchar, aumentando a pressão sobre o membro residual distal e o risco de problemas em camadas mais profundas da pele. Se o soquete estiver muito folgado, uma pressão excessiva será aplicada à extremidade do membro e às proeminências ósseas, causando problemas de pele.

Ruptura da pele

A ruptura da pele geralmente ocorre quando há pressão e/ou fricção sobre a pele, especialmente quando a pressão é aplicada para cima, para baixo ou lateralmente na superfície da pele. O risco é maior quando a pele está molhada ou úmida (como pelo suor).

O primeiro sinal de ruptura da pele é vermelhidão e uma sensação de queimação, que pode ser seguida por dor, inchaço, bolhas e úlceras. Continuar a usar a prótese causa lesões mais sérias na pele e pode levar a infecção da pele.

Embora não seja possível prevenir todas as rupturas de pele, várias medidas podem ajudar a prevenir ou retardar a ruptura da pele:

  • Praticar bons hábitos de higiene do coto: Uma boa higiene inclui lavar o membro residual com sabão neutro e enxaguar cuidadosamente duas vezes ao dia (mais frequentemente para pessoas que transpiram mais do que normal); o protesista ortopédico pode fornecer produtos antitranspirantes especificamente elaborados para pessoas com próteses

  • Manter a interface e o soquete ajustados

  • Manter o peso corporal estável: Essa é a melhor maneira de garantir que a prótese continuará servindo; pois até mesmo pequenas mudanças no peso podem afetar o ajuste

  • Ter uma dieta saudável e beber água durante todo o dia: Isso ajuda a controlar o peso corporal e manter a pele saudável.

  • Monitoramento e controle do açúcar no sangue (para pessoas com diabetes)

  • Garantir o alinhamento ideal da prótese (para pessoas com prótese de membro inferior)

Quando as pessoas detectam sinais de ruptura da pele, elas devem consultar o protesista ortopédico e, se necessário, ajustar a prótese. Quando possível, as pessoas devem evitar o uso da prótese até que ela possa ser ajustada. Se a prótese não for a causa ou se os ajustes do encaixe não corrigirem o problema, o médico precisará realizar uma avaliação médica.

Infecção cutânea

Na pele normal, seca e intacta, bactérias e fungos são mantidos em equilíbrio. No entanto, a interface (algum tipo de camada de gel ou plástico) que fica em contato com a pele do coto cria um ambiente quente e úmido que estimula o crescimento de bactérias e fungos e o desenvolvimento de infecção. A pele úmida também tende a se romper, oferecendo entrada fácil para as bactérias no corpo. Como resultado, a infecção pode se espalhar.

Sinais de infecção incluem sensibilidade, vermelhidão, úlceras e secreção purulenta. Um odor ruim pode indicar infecção ou má higiene. Se uma pequena infecção bacteriana progredir para celulite ou produzir um abscesso, a pessoa pode ter febre e se sentir mal.

Qualquer sinal de infecção precisa ser avaliado por um médico. Os sintomas a seguir requerem avaliação imediata para evitar que a infecção se torne letal:

  • O membro residual está frio (indicando redução da circulação).

  • A área afetada está vermelha e sensível.

  • A área afetada tem um odor ruim.

  • Os gânglios linfáticos na virilha ou nas axilas estão inchados.

  • Pus ou uma secreção espessa está presente.

  • A pele se torna cinza e mole ou preta (qualquer um desses sinais pode indicar gangrena).

O tratamento de infecção bacteriana normalmente envolve limpeza local e antibióticos tópicos. Às vezes, é necessário remover a pele morta ou usar antibióticos orais ou ambos. Normalmente, a prótese não deve ser usada até que a infecção da pele seja resolvida.

Infecções fúngicas devem ser tratadas com um creme antifúngico de venda livre.

Medidas para prevenir a ruptura da pele também ajudam a prevenir infecções.

Outros problemas de pele

Pelos encravados e infecção de um folículo piloso (foliculite), embora não sejam perigosos, podem causar dor e desconforto. Não retirar os pelos do membro residual pode ajudar a evitar esses problemas.

O surgimento de caroços ásperos e verrugosos, geralmente na extremidade do membro residual, costuma resultar de um soquete mal ajustado. Se não for tratado, esse distúrbio, chamado hiperplasia verrucosa, pode causar infecções sérias. Se aparecerem caroços semelhantes a verrugas, a pessoa deve procurar um protesista ortopédico imediatamente para ajustar o soquete da prótese. Se isso não corrigir o problema em duas a quatro semanas, a pessoa deve procurar seu médico. Remover a prótese por uma semana e ajustar o encaixe do soquete geralmente corrige o problema dentro de duas a quatro semanas.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Raios X
Vídeo
Raios X
A tecnologia de raios X utiliza raios de alta energia que podem atravessar certos tecidos...
Como proteger sua saúde enquanto viaja para o exterior
Vídeo
Como proteger sua saúde enquanto viaja para o exterior

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS