Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Anfetaminas

Por

Gerald F. O’Malley

, DO, Grand Strand Regional Medical Center;


Rika O’Malley

, MD, Albert Einstein Medical Center

Última revisão/alteração completa ago 2017| Última modificação do conteúdo ago 2017
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto
  • As anfetaminas aumentam o estado de alerta, melhoram o vigor físico e produzem euforia e uma sensação de bem-estar.

  • As anfetaminas suprimem o apetite e algumas pessoas utilizam indevidamente as anfetaminas para perder peso.

  • Uma overdose pode provocar agitação extrema, delirium e um ataque cardíaco ou AVC que pode ser letal.

  • Um exame de urina pode detectar a maioria das anfetaminas.

  • O tratamento da overdose inclui sedativos, medicamentos para reduzir a pressão arterial e, às vezes, terapia de resfriamento.

(Consulte também Uso e abuso de drogas.)

As anfetaminas incluem anfetamina e suas muitas variantes, como a metanfetamina (speed ou cristal) e a metilenodioximetanfetamina (MDMA, Ecstasy ou Adam). A metanfetamina é a anfetamina mais comumente consumida nos Estados Unidos. O uso de MDMA está aumentando em popularidade. As anfetaminas são ingeridas, normalmente, por via oral, mas também podem ser inaladas, fumadas ou injetadas.

Como algumas anfetaminas são amplamente consumidas como tratamento para o transtorno do déficit de atenção/hiperatividade, obesidade e narcolepsia, há um suprimento pronto que pode ser direcionado para o uso ilegal. Algumas anfetaminas não estão aprovadas para uso clínico e outras são fabricadas e consumidas ilegalmente.

Alguns usuários de anfetaminas estão deprimidos e usam os efeitos de exaltação do ânimo desses estimulantes para aliviar, temporariamente, a depressão. Outras pessoas usam as anfetaminas em atividades de alto dispêndio de energia. As anfetaminas fazem com que mais dopamina seja liberada no cérebro. (A dopamina é um neurotransmissor, uma substância que ajuda as células nervosas a se comunicarem.) Esse efeito é provavelmente o que causa a elevação do humor. A MDMA difere das demais anfetaminas quanto à sua interferência na recaptação de serotonina (outro neurotransmissor) no cérebro. Os usuários de anfetaminas frequentemente desenvolvem dependência, algo que costuma ser chamado de transtorno relacionado ao uso de substâncias.

Você sabia que...

  • Altas doses de anfetamina podem elevar a temperatura do corpo a níveis perigosos.

Sintomas

Efeitos imediatos

Os efeitos a seguir representam alguns dos efeitos imediatos causadas pelo uso de anfetaminas:

  • Aumento do estado alerta

  • Diminuição da fadiga

  • Aumento da concentração

  • Redução do apetite

  • Aumento do desempenho físico

As anfetaminas podem produzir uma sensação de bem-estar, de euforia e de perda das inibições. Além disso, a pessoa transpira profusamente e as pupilas ficam dilatadas.

As bebedeiras (geralmente por vários dias) levam à exaustão extrema e a uma necessidade de dormir.

Overdose

Altas doses (overdose) aumentam a pressão arterial e a frequência cardíaca. Esses aumentos podem ser letais. A pessoa pode ficar extremamente paranoica, violenta e fora de controle.

A pessoa pode se tornar delirante. Ocorreram ataques cardíacos, mesmo em atletas jovens e saudáveis. A pressão arterial pode ficar tão alta, que causa a ruptura de um vaso sanguíneo no cérebro, provocando um acidente vascular cerebral. Outros efeitos incluem tontura, náusea, vômito, diarreia, convulsões e temperatura do corpo tão elevada que pode vir a ser letal (hipertermia).

Efeitos no longo prazo

As pessoas que normalmente consomem anfetaminas desenvolvem rapidamente uma tolerância, como parte da dependência. Essas pessoas precisarão usar cada vez mais para ter o mesmo efeito. A quantidade consumida, no fim, pode superar em várias vezes a dose original. A maioria das pessoas que consome doses muito elevadas durante vários dias ou semanas se torna confusa e psicótica, porque as anfetaminas podem provocar ansiedade intensa, paranoia e alteração do sentido da realidade.

As reações psicóticas incluem ouvir e ver coisas que não estão lá (alucinações auditivas e visuais) e crenças falsas (delírios), como a sensação de ter poder ilimitado (onipotência) ou de ser perseguido (paranoia). A memória pode ser afetada. A confusão, a perda de memória e os delírios podem durar durante meses. Embora esses efeitos possam surgir em qualquer usuário, as pessoas com transtornos de saúde mental, como esquizofrenia, são mais vulneráveis a esses efeitos.

Os usuários de metanfetaminas apresentam um alto índice de bruxismo (ranger os dentes) e de cáries graves, afetando vários dentes. As causas incluem salivação reduzida, substâncias corrosivas na fumaça e higiene oral deficiente, chamada “boca de metanfetamina”.

Sintomas de abstinência

Quando uma anfetamina é repentinamente interrompida, os sintomas variam. Pessoas dependentes de anfetaminas sentem-se cansadas ou com sono, um efeito que pode durar dois a três dias depois da interrupção da droga. Como resultado, elas são mais propensas a lesões.

Algumas pessoas ficam intensamente ansiosas e inquietas, e outras, especialmente aquelas com tendência à depressão, tornam-se deprimidas quando param. Podem se tornar suicidas, mas é possível que durante vários dias não tenham força para tentar se suicidar.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Antecedentes de uso de anfetaminas

Os médicos baseiam o diagnóstico nos sintomas das pessoas que sabem que ingerem anfetaminas. Exames de urina podem ser realizados se o diagnóstico for incerto, mas o exame pode não detectar a presença de metanfetamina e metilfenidato.

Outros exames, como eletrocardiografia, tomografia computadorizada e exames de sangue, podem ser realizados para procurar complicações.

Tratamento

O tratamento da overdose pode incluir

  • Sedativos

  • Medicamentos para baixar a pressão arterial

  • Terapia de resfriamento para a hipertermia (uma temperatura corporal tão elevada que chega a ser perigosa)

  • Tratamento para depressão e tendências suicidas durante o período de abstinência

  • Terapia cognitivo-comportamental para evitar a recaída

Os benzodiazepínicos (uma classe de medicamentos sedativos), como o lorazepam, são administrados por via intravenosa em pessoas com sintomas graves, como hipertensão arterial, agitação extrema ou convulsões.

Medicamentos para hipertensão arterial, como labetalol ou hidralazina, são administrados por via intravenosa se a pressão arterial permanecer elevada.

Talvez seja necessário utilizar uma terapia de resfriamento, como molhar o paciente e usar um ventilador para soprar a pele ou utilizar mantas frias especiais para corrigir a hipotermia.

Durante a abstinência, os usuários de longa data podem precisar ser hospitalizados, para que sejam observados com relação a comportamento suicida. Antidepressivos podem ser administrados se a depressão persistir. Caso contrário, não é necessário nenhum tratamento para as pessoas que passam pela abstinência.

A terapia cognitivo-comportamental (uma forma de psicoterapia) ajuda algumas pessoas a se livrarem do vício das anfetaminas.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Raios X
Vídeo
Raios X
A tecnologia de raios X utiliza raios de alta energia que podem atravessar certos tecidos...
Angiografia cerebral: Inserção de cateter
Vídeo
Angiografia cerebral: Inserção de cateter
A angiografia é utilizada para obter informações diagnósticas sobre os vasos sanguíneos que...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS