Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Rubéola

(Sarampo Alemão; Sarampo de 3 Dias)

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Recursos do assunto

A rubéola é uma infecção viral contagiosa que pode produzir adenopatia, exantema e, algumas vezes, sintomas constitucionais que são geralmente leves e breves. A infecção durante o início da gestação pode causar aborto espontâneo, natimortalidade, ou defeitos congênitos. O diagnóstico costuma ser clínico. Os casos são notificados às autoridades de saúde pública. O tratamento normalmente é desnecessário. A vacinação é eficaz para prevenção.

A maioria dos vírus que infectam seres humanos pode afetar adultos e crianças e é discutida em outras partes deste Manual. Viroses com efeitos específicos em recém-nascidos são discutidas em Infecções em recém-nascidos. Este capítulo abrange as infecções virais que são normalmente adquiridas durante a infância (embora muitas também possam afetar adultos).

Rubéola é provocada por um vírus de RNA, o vírus da rubéola, o qual é disseminado por meio de gotículas respiratórias por contato íntimo ou pelo ar. Um paciente pode transmitir rubéola de uma infecção assintomática 7 dias antes ou até 15 dias depois do início do exantema; o período de maior risco é alguns dias antes de o exantema aparecer até 7 dias depois do início do enxatema. Lactentes infectados congenitamente podem transmitir rubéola durante muitos meses após o nascimento.

A rubéola é menos contagiosa que o sarampo. A imunidade parece ser duradoura depois da infecção natural. Contudo, em populações não vacinadas, 10 a 15% dos jovens adultos não tiveram infecção na infância e são suscetíveis. Atualmente, a incidência nos EUA alcançou uma queda histórica por causa da vacinação de rotina na infância; todos os casos desde 2004 foram vinculados a emigrantes.

Sinais e sintomas

Muitos casos são leves. Depois de 14 a 21 dias de período de incubação, seguem-se 1 a 5 dias de pródromo, que consiste, em geral, em febre, mal-estar, conjuntivite e linfadenopatia e que ocorre em adultos, podendo ser mínimo ou ausente em crianças. Edema sensível dos nódulos suboccipital, retroauricular e cervical posteriores é característico. Inicialmente, ocorre inflamação da faringe.

O exantema é semelhante ao do sarampo, porém, é menos extenso e mais evanescente; ele costuma ser o primeiro sinal em crianças. Inicia-se na face e no pescoço e dissemina-se de maneira rápida ao tronco e às extremidades. No início, um exantema macular, que desaparece à compressão, pode aparecer, em particular na face. No 2º dia, com frequência torna-se mais escarlatiniforme (alguns pontos salientes), com uma base eritematosa. Petéquias formam-se no palato mole (manchas de Forschheimer), coalescendo mais tarde e tornando-se vermelhas e eritematosas. O exantema dura de 3 a 5 dias.

Sintomas constitucionais em crianças estão ausentes ou são leves e podem incluir mal-estar e artralgias ocasionais. Adultos geralmente não têm sintomas ou têm poucos sintomas constitucionais, mas ocasionalmente ocorrem febre, mal-estar, cefaleia, articulações rígidas, artrite passageira e rinite leve. Febre, de modo geral, resolve-se no 2º dia do exantema.

Encefalite ocorreu durante grandes epidemias em militares, mas é rara. A resolução completa é típica, mas é ocasionalmente fatal. Púrpura trombocitopênica e otite média ocorrem poucas vezes.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

  • Exames sorológicos

Suspeita-se de rubéola em pacientes com adenopatia característica e exantema. O diagnóstico laboratorial só é necessário em gestantes, pacientes com encefalites e recém-nascidos. A avaliação laboratorial também é fortemente encorajada para todos os casos suspeitos de rubéola, por motivos de saúde pública. Um aumento de 4 vezes dos títulos de anticorpos das fases aguda e convalescente (4 a 8 semanas) é confirmatório, assim como a sorologia de anticorpos IgM de rubéola. Também realiza-se detecção de RNA viral por meio de testes com reação em cadeia da polimerase de amostras da garganta, narina ou urina para confirmar o diagnóstico; a análise do genótipo é útil em investigações epidemiológicas.

O diagnóstico diferencial inclui sarampo, escarlatina, sífilis secundária, exantema medicamentoso, eritema infeccioso e mononucleose infecciosa, assim como infecções por ecovírus e coxsackievírus ( Alguns vírus respiratórios). Infecções por enterovírus e parvovírus B-19 (eritema infeccioso) podem ser clinicamente indistinguíveis.

Algumas dessas condições podem ser diferenciadas da rubéola típica como a seguir:

  • Sarampo: a rubéola é diferenciada do sarampo por exantema mais leve e mais evanescente e por sintomas constitucionais mais leves e mais breves, e pela ausência das manchas de Koplik, de fotofobia e de tosse.

  • Febre escarlatina: um dia após o início, a escarlatina normalmente causa faringite e sintomas constitucionais mais intensos do que a rubéola.

  • Sífilis secundária: no sífilis secundário, a adenopatia não é sensível e o exantema, em geral, é proeminente nas palmas das mãos e nas solas dos pés. O diagnóstico laboratorial de sífilis com frequência também está prontamente disponível.

  • Mononucleose infecciosa: pode ser diferenciada por faringite mais intensa, mal-estar mais prolongado e linfocitose atípica, e também com teste para anticorpos do vírus Epstein-Barr.

Tratamento

  • Cuidados de suporte

O tratamento da rubéola é sintomático. Nenhuma terapia específica para encefalite está disponível.

Prevenção

A vacina de vírus vivos é administrada de modo rotineiro ( Cronograma de imunização recomendado para idades de 0–6 anos, Cronograma de imunização recomendado para idades de 7–18 anos). Produz imunidade por 15 anos em > 95% dos imunizados e não parece causar transmissão viral. Como algumas outras infecções são clinicamente indistinguíveis da rubéola, uma história de rubéola não garante a imunidade.

A vacinação é administrada a crianças como uma combinação de vacina de sarampo, caxumba e rubéola, em 2 doses:

  • A primeira dose aos 12 a 15 meses de idade

  • A segunda dose aos 4 anos a 6 anos de idade

Recomenda-se uma dose para todas as pessoas suscetíveis pós-púberes, especialmente estudantes colegiais, recrutas militares, profissionais de saúde, imigrantes recentes e pessoas que trabalham com crianças pequenas. A vacinação rotineira é recomendada imediatamente a todas as mães suscetíveis após o parto. Também é sugerido a triagem de mulheres em idade fértil para anticorpos da rubéola e imunização daquelas suscetíveis. Entretanto, mulheres que recebem a vacina devem evitar a gestação por pelo menos 28 dias, posteriormente. O vírus da vacina pode ser capaz de infectar um feto durante o início da gestação. A vacina não causa asíndrome da rubéola congênita, mas o risco de dano fetal é calculado em 3%. A vacina contra rubéola é contraindicada durante a gestação.

Febre, exantema, linfadenopatia, polineuropatia, artralgia e artrite raramente ocorrem depois da vacinação em crianças; edema doloroso nas articulações ocasionalmente acompanha a vacinação em adultos, geralmente nas mulheres não imunes.

Pontos-chave

  • A rubéola causa exantema escarlatiniforme e muitas vezes febre baixa, mal-estar, conjuntivite, e linfadenopatia (caracteristicamente envolvendo os nódulos suboccipitais, pós-auriculares e cervicais posteriores).

  • A maioria dos casos é leve e há poucas complicações, exceto em casos raros de encefalite e o risco durante a gestação precoce de que a infecção pode causar aborto espontâneo, morte fetal ou defeitos congênitos.

  • O diagnóstico laboratorial é fortemente encorajado para todos os casos suspeitos de rubéola por motivos de saúde pública; testes sorológicos ou por uindo testes rápidos e RT-PCR (polymerase chain reaction [reação em cadeia da polimerase por transcrição reversa) podem ser feitos.

  • Fazer a triagem de mulheres em idade fértil para anticorpos da rubéola e imunizar aquelas suscetíveis, desde que a concepção seja evitada por ≥ 28 dias depois disso.

  • A vacinação é contraindicada durante a gestação.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do vírus da imunodeficiência humana (HIV)
Vídeo
Visão geral do vírus da imunodeficiência humana (HIV)
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística: transporte defeituoso de cloreto
Modelo 3D
Fibrose cística: transporte defeituoso de cloreto

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS