Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Leucodistrofia metacromática

(Lipidose sulfatida)

Por

Matt Demczko

, MD, Sidney Kimmel Medical College of Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo jul 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Leucodistrofia metacromática é uma esfingolipidose, um distúrbio metabólico hereditário, causada pela deficiência de arilsulfatase, que provoca paralisia progressiva e demência, resultando em morte aos 10 anos de idade.

Para informações adicionais, ver Tabela Algumas esfingolipidoses.

Na leucodistrofia metacromática, a deficiência de arilsulfatase A faz com que lípideos metacromáticos se acumulem na substância branca do sistema nervoso central, nervos periféricos, rim, baço e outros órgãos viscerais; o acúmulo no sistema nervoso causa desmielinização central e periférica. Existem numerosas mutações e variações quanto a idade de acometimento e velocidade de progressão da doença.

A forma infantil é caracterizada por paralisia progressiva e demência que se inicia geralmente antes dos 4 anos de idade e leva à morte após cerca de 5 anos do início dos sintomas.

A forma juvenil se manifesta entre 4 e 16 anos de idade com distúrbios da marcha, regressão intelectual e sinais de neuropatia periférica. Diferentemente da forma infantil, os reflexos tendíneos profundos são acentuados.

Existe, ainda, uma forma adulta mais leve.

Sugere-se clinicamente o diagnóstico da leucodistrofia metacromática pela diminuição da velocidade de condução nervosa; confirma-se por análise de DNA e/ou detecção da deficiência enzimática nos leucócitos ou cultura de fibroblastos da pele. (Ver também Teste para doenças hereditárias metabólicas suspeitas.)

Atualmente não há tratamento eficaz para leucodistrofia metacromática nos pacientes com sintomas avançados. O transplante de medula ou de células-tronco pode estabilizar a função neurocognitiva nas formas levemente sintomáticas da doença. Várias outras opções terapêuticas estão sendo investigadas, principalmente nas formas infantis tardias da doença, incluindo terapia gênica, terapia de reposição enzimática, terapia de redução de substratos e, potencialmente, terapia de aumento de enzimas.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS