Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Fármacos para ajudar a intubação

Por

Charles D. Bortle

, EdD, Einstein Medical Center

Última modificação do conteúdo jan 2017
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Um paciente sem pulso e apneico ou fortemente embotado pode (e deve) ser entubado sem auxílio farmacológico. Outros pacientes recebem fármacos sedativos e paralisantes para minimizar o desconforto e facilitar a intubação (denominada intubação em sequência rápida).

Pré-tratamento antes da intubação

O pré-tratamento tipicamente é feito com

  • Oxigênio a 100%

  • Lidocaína

  • Às vezes, atropina, um bloqueador neuromuscular ou ambos

Se o tempo permitir, o paciente deverá respirar oxigênio a 100% durante 3 a 5 min; isso pode manter uma oxigenação satisfatória em pacientes previamente hígidos durante até 8 min. Todavia, a demanda de oxigênio e os tempos seguros de apneia são muito dependentes de frequência cardíaca, função pulmonar, contagem de hemácias e numerosos outros fatores metabólicos.

A laringoscopia causa uma resposta pressórica mediada pelo sistema nervoso simpático, com aumento de frequência cardíaca, pressão arterial (PA) e, possivelmente, pressão intracraniana. Para embotar essa resposta, quando o tempo permite, alguns médicos administram lidocaína IV, 1,5 mg/kg, 1 a 2 minutos antes da sedação e paralisia.

Frequentemente, crianças e adolescentes têm uma resposta vagal (bradicardia pronunciada) em resposta à intubação e recebem simultaneamente atropina IV, 0,02 mg/kg (mínimo de 0,1 mg em bebês e de 0,5 mg em crianças e adolescentes).

Alguns médicos incluem uma pequena dose de bloqueador neuromuscular (BNM), como vecurônio 0,01 mg/kg IV, em pacientes com > 4 anos, para evitar fasciculações musculares causadas por doses integrais de succinilcolina. Fasciculações podem resultar em dor muscular ao despertar e causar hiperpotassemia transitória; contudo, o benefício real de tal pré-tratamento é incerto.

Sedação e analgesia para intubação

Laringoscopia e intubação são desconfortáveis; em pacientes conscientes, um fármaco IV de curta duração com propriedades sedativas ou sedativas e analgésicas combinadas é obrigatório.

Etomidato 0,3 mg/kg, um hipnótico não barbitúrico, pode ser o agente preferido. Fentanila, 5 mcg/kg (2 a 5 mcg/kg em crianças; nota: essa dose é maior do que a dose analgésica) também funciona bem e não provoca depressão cardiovascular. Fentanil é um opioide e, portanto, tem propriedades analgésicas e sedativas. No entanto, em doses mais altas, pode ocorrer rigidez da parede torácica. Cetamina 1 a 2 mg/kg é um anestésico dissociativo com propriedades cardioestimulantes. É geralmente seguro, mas pode causar alucinações ou comportamento bizarro ao despertar. Tiopental, 3 a 4 mg/kg, e metoexital, 1 a 2 mg/kg, são eficazes, mas tendem a causar hipotensão e são usados com menos frequência.

Fármacos para provocar paralisia na intubação

O relaxamento da musculatura esquelética com um BNM IV facilita pronunciadamente a intubação.

Succinilcolina (1,5 mg/kg IV, 2,0 mg/kg para bebês), um BNM despolarizante, tem o início de ação mais rápido (30 s a 1 min) e a menor duração (3 a 5 min). Ela deve ser evitada em pacientes com queimaduras, lesões musculares por esmagamento com > 1 ou 2 dias de idade, lesão de coluna vertebral, doença neuromuscular, insuficiência renal ou lesão ocular possivelmente penetrante. Cerca de 1/15.000 crianças (e um número menor de adultos) tem suscetibilidade genética a hipertermia maligna decorrente de succinilcolina. A succinilcolina deve ser sempre administrada com atropina em crianças, devido à possibilidade de ocorrer bradicardia pronunciada.

BNMs não despolarizantes alternativos têm maior duração de ação (> 30 min), mas também têm início de ação mais lento, exceto se usados em altas doses que prolonguem significantemente a paralisia. Os fármacos incluem atracúrio, 0,5 mg/kg; mivacúrio, 0,15 mg/kg; rocurônio, 1,0 mg/kg; e vecurônio, 0,1 a 0,2 mg/kg, injetado ao longo de 60 s.

Anestesia tópica para intubação

A intubação de um paciente desperto (tipicamente não efetuada em crianças) requer anestesia do nariz e da faringe. Uma preparação comercial em aerossol de benzocaína, tetracaína, aminobenzoato de butila (butambeno) e benzalcônio é comumente usada. Alternativamente, lidocaína a 4% pode ser nebulizada e inalada via máscara facial.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como inserir uma linha de infusão intraóssea manualmente
Vídeo
Como inserir uma linha de infusão intraóssea manualmente
Como fazer uma cricotiroidotomia com fio guia
Vídeo
Como fazer uma cricotiroidotomia com fio guia

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS