Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Fraturas claviculares

Por

Danielle Campagne

, MD, University of San Francisco - Fresno

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

As fraturas da clavícula são as fraturas mais comuns, especialmente em crianças. O diagnóstico é dado por meio de radiografia simples. A maioria dos tipos é imobilizada com ataduras.

(Ver também Visão geral das fraturas.)

Etiologia

A fratura da clavícula geralmente resulta de queda sobre o ombro ipsolateral ou, menos frequentemente, por golpe direto.

Classificação

Tradicionalmente, a base do tratamento segue esta classificação.

Fraturas de classe A envolvem o terço médio do osso e são responsáveis por cerca de 80% das fraturas de clavícula. O segmento proximal frequentemente se desloca para cima porque é puxado pelo músculo esternocleidomastoideo. Os vasos subclávios raramente são comprometidos.

As fraturas de classe B envolvem o terço distal do osso e são responsáveis por cerca de 15% das fraturas de clavícula. Elas costumam resultar de traumas diretos. Há 3 subtipos:

  • Tipo I: extra-articular e sem desvio, geralmente indicando que o ligamento coracoclavicular está funcionalmente intacto (um ligamento forte e estruturalmente importante)

  • Tipo II: extra-articular e com desvio, geralmente indicando ruptura do ligamento coracoclavicular, com o fragmento proximal tipicamente deslocado para cima porque é puxado pelo músculo esternocleidomastoideo

  • Tipo III: envolvendo a superfície intra-articular da articulação acromioclavicular, aumentando assim o risco de osteoartrite (ver figura Fraturas de clavícula de classe B)

Fraturas de classe C envolvem o terço proximal do osso e representam cerca de 5% das fratura de clavícula. Essas fraturas geralmente resultam de grande força e, assim, podem ser acompanhadas de lesões intratorácicas ou lesão na articulação esternoclavicular.

Fraturas de clavícula de classe B

Fraturas de clavícula de classe B

Sinais e sintomas

A área ao longo da fratura é dolorosa, e os pacientes costumam perceber o movimento dos fragmentos e a instabilidade da fratura. Alguns pacientes relatam dor no ombro. A abdução do membro superior é dolorosa.

As fraturas de classe A e as fraturas extra-articulares de classe B geralmente causam deformidade visível e palpável. As fraturas muito deslocadas podem tensionar significativamente a pele.

Diagnóstico

  • Radiografias simples

A avaliação clínica costuma ser diagnóstica, mas normalmente se faz radiografias simples anteroposteriores, e às vezes uma incidência apical lordótica ou inclinada cefálica a 45°. No entanto, algumas fraturas de classe C e intra-articulares de classe B exigem outros tipos de exames de imagem (p. ex., TC).

Tratamento

  • Tipoia

  • Se houver ruptura do ligamento coracoclavicular, normalmente a correção é cirúrgica

Muitas fraturas com desvio mínimo podem ser tratadas com a colocação de uma tipoia para diminuir a dor durante 4 a 6 semanas. Suportes em forma de oito não são mais recomendados porque a tipoia simples é igualmente eficaz e geralmente mais confortável.

Em geral, não é necessária redução mesmo em fraturas com angulações significativas.

No entanto, se houver envolvimento significativo da pele (geralmente nas fraturas de classe A), pode ser necessária uma consulta imediata com o ortopedista. Normalmente, essas fraturas ainda são tratadas com sucesso com a colocação de uma tipoia, mas, se não forem tratadas rapidamente, o osso pode perfurar a pele, evoluindo para fratura exposta.

Nas fraturas tipo II da classe B, a ruptura do ligamento coracoclavicular geralmente requer tratamento cirúrgico pelo cirurgião ortopedista. Por exemplo, se os pacientes tiverem uma fratura distal da clavícula com desvio superior do fragmento proximal, devem ser encaminhados ao cirurgião ortopedista para avaliar a necessidade de correção cirúrgica do ligamento coracoclavicular.

Para as fraturas tipo III da classe B, a mobilização precoce pode ajudar a diminuir o risco de osteoartrite.

Dicas e conselhos

  • Encaminhar os pacientes com fratura distal da clavícula e desvio superior do fragmento proximal ao cirurgião ortopedista para avaliação da necessidade de correção cirúrgica do ligamento coracoclavicular.

Fraturas de classe C com desvio exigem redução pelo cirurgião ortopedista.

Pontos-chave

  • A maioria das fraturas claviculares é evidente com base em achados clínicos.

  • Tratar a maioria das fraturas claviculares com colocação de uma tipoia.

  • O cirurgião ortopedista é necessário para reduzir as fraturas da classe C com desvio e, geralmente, fazer a correção cirúrgica das fraturas tipo II da classe B.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS