Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Fratura proximal do úmero

(Fratura do ombro)

Por

Danielle Campagne

, MD, University of San Francisco - Fresno

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Fraturas proximais do úmero são aquelas proximais ao colo cirúrgico (ver figura Características anatômicas fundamentais da região proximal do úmero). A maioria tem desvio e angulação mínimos. O diagnóstico é feito por radiografia simples ou, às vezes, TC. A maioria dessas fraturas pode ser tratada com colocação de tipoia, faixa e imobilização precoce.

(Ver também Visão geral das fraturas.)

As fraturas proximais do úmero são especialmente comuns entre os idosos. Alguns pacientes têm comprometimento dos nervos axilares (diminuindo a sensibilidade na região média do deltoide) ou lesão da artéria axilar. Contraturas podem se desenvolver após poucos dias de imobilização, especialmente em idosos.

Características anatômicas fundamentais da região proximal do úmero

O colo cirúrgico do úmero está fraturado.

Características anatômicas fundamentais da região proximal do úmero

Etiologia

A maioria dessas fraturas resulta de queda sobre o membro superior em extensão; menos frequentemente, por golpe direto.

Classificação

As fraturas são classificadas pelo número de partes resultantes; uma parte é definida como uma estrutura anatômica fundamental com desvio (> 1 cm) ou angulação (> 45°) em relação à sua posição anatômica normal. As 4 estruturas anatômicas fundamentais do segmento proximal do úmero são

  • Colo anatômico

  • Colo cirúrgico

  • Tuberosidade maior

  • Tuberosidade menor

Por exemplo, se nenhuma estrutura tiver desvio ou angulação, a fratura tem uma parte. Se uma estrutura está angulada ou desviada, a fratura tem 2 partes (ver figura Fraturas da região proximal do úmero com uma e 2 partes). Quase 80% das fraturas do segmento proximal do úmero tem uma única parte; costumam ser estáveis, mantidas unidas pela cápsula articular, pelo manguito rotador e/ou pelo periósteo. Fraturas com ≥ 3 partes são incomuns.

Fraturas da região proximal do úmero com uma e 2 partes

Se não houver desvio ou angulação das estruturas, a fratura tem uma parte. Se houver desvio ou angulação das estruturas, a fratura tem 2 partes.

Fraturas da região proximal do úmero com uma e 2 partes

Sinais e sintomas

Há edema e dor no ombro e no membro superior; os pacientes têm dificuldade de elevar o membro superior.

Diagnóstico

  • Radiografias simples

  • Às vezes, TC

As radiografias devem incluir pelo menos

  • Vista da rotação interna anteroposterior verdadeira

  • Visualização em Y transescapular (oblíqua)

  • Incidência axilar para avaliar a articulação glenoumeral

TC é feita se as fraturas forem complexas ou mal visualizadas nas radiografias simples.

Tratamento

  • Normalmente, colocação de tipoia e exercícios precoces de amplitude do movimento

  • Às vezes, redução aberta com fixação interna (RAFI) ou substituição articular com prótese.

As fraturas de uma parte raramente exigem redução; a maioria (quase 80%) é tratada com imobilização com tipoia, às vezes com uma faixa (ver figura Imobilização articular como tratamento agudo: algumas técnicas comumente utilizadas) e exercícios precoces de amplitude do movimento, como os exercícios de Codman. Esses exercícios são particularmente úteis para os idosos. Como há risco de contraturas, a mobilização precoce é desejável, mesmo que o alinhamento esteja anatomicamente imperfeito.

Exercícios de Codman

O paciente se inclina na altura da cintura com o membro superior comprometido pendendo perpendicular ao chão. O membro superior e o ombro devem estar relaxados, e os joelhos fletidos. Os pacientes devem

  • Balançar lentamente o membro superior de um lado para o outro, de trás para frente, e em círculos no sentido horário e anti-horário

  • Alternar o peso entre um pé e o outro na mesma direção que o balanço dos membros superiores

  • Aumentar o arco gradualmente conforme tolerado

Esses exercícios só devem provocar dor mínima. Os pacientes devem fazer cada exercício 2 vezes em cada série e várias séries por dia. Os pacientes devem aumentar gradualmente a duração dos exercícios.

Exercícios de Codman

Fraturas com ≥ 2 partes são imobilizadas, e os pacientes são encaminhados para um cirurgião ortopedista. Essas fraturas podem precisar de RAFI ou cirurgia para inserir um articulação protética (substituição do ombro).

Pontos-chave

  • Classificar as fraturas da porção proximal do úmero com base no número de estruturas fundamentais do úmero (colo anatômico, colo cirúrgico, tubérculo maior e tubérculo menor) apresentando desvio ou angulação.

  • Quase 80% precisam apenas de uma tipoia.

  • Os pacientes, particularmente os idosos, devem iniciar os exercícios de amplitude de movimento assim que possível.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS