Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Doença granulomatosa crônica (DGC)

Por

James Fernandez

, MD, PhD, Cleveland Clinic Lerner College of Medicine at Case Western Reserve University

Última modificação do conteúdo jun 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

A doença granulomatosa crônica se caracteriza por leucócitos que não conseguem produzir compostos ativos de oxigênio e por defeitos na função microbicida das células fagocíticas. As manifestações incluem infecções recorrentes; lesões múltiplas granulomatosas de pulmões, fígado, linfonodos e tratos gastrointestinal e geniturinário; abscessos; linfadenite; hipergamaglobulinemia; VHS elevada; e anemia. O diagnóstico se faz por avaliação da produção de radicais de oxigênio nos leucócitos mediante o teste de explosão oxidativa por citometria de fluxo. O tratamento se faz com antibióticos, antifúngicos e interferon gama; transfusões de granulócitos podem ser necessárias.

A doença granulomatosa crônica (DGC) é um distúrbio de imunodeficiência primária que envolve defeitos nas células fagocíticas. Mais de 50% dos casos de DGC são herdados como característica recessiva ligada ao X e, portanto, ocorrem apenas em homens; no resto dos casos, a herança é autossômica recessiva. Mutações comumente responsáveis pela DGC afetam os genes gp91phox (forma ligada ao X), p22phox, p47phox e p67phox.

Na DGC, os leucócitos não produzem peróxido de hidrogênio, superóxido, nem outros compostos ativos de oxigênio, pois a atividade de NADPH oxidase é deficiente. A função microbicida do fagócito é deficiente, de forma que bactérias e fungos não são destruídos, apesar da fagocitose normal.

Sinais e sintomas

Em geral, a doença granulomatosa crônica começa com abscessos recorrentes no início da infância, mas em alguns pacientes o início se prorroga até a pré-puberdade. Os patógenos típicos são microrganismos produtores de catalase (p. ex., Staphylococcus aureus; Escherichia coli; Serratia; Klebsiella e Pseudomonas sp; fungos). As infecções por Aspergillus são a principal causa de morte.

Lesões granulomatosas múltiplas ocorrem nos pulmões, fígado, linfonodos e tratos gastrointestinal e geniturinário (causando obstrução). Linfadenite supurativa, hepatoesplenomegalia, pneumonia e evidência hematológica de infecção crônica são comuns. Podem também ocorrer abscessos na pele, nos linfonodos, pulmões, fígado e na região perianal; estomatite e osteomielite.

Pode ocorrer atraso no crescimento.

Diagnóstico

  • Teste de explosão oxidativa por citometria de fluxo

O diagnóstico da doença granulomatosa crônica é feito com o teste de explosão oxidativa por citometria de fluxo para detectar a produção de radicais de oxigênio usando di-hidrorodamina 123 (DHR) ou nitro azul de tetrazólio (NBT). Esse teste também pode identificar mulheres portadoras da forma ligada ao X e formas recessivas.

O exame genético só é realizado em situações envolvendo pesquisa e não é necessário para fazer o diagnóstico. Irmãos geralmente são examinados utilizando DHR logo após o diagnóstico.

Hipergamaglobulinemia e anemia podem ocorrer; o VHS é elevado.

Tratamento

  • Antibióticos profiláticos e normalmente antifúngicos

  • Frequentemente, interferon gamma

  • Em casos de infecções graves, transfusão de granulócitos

  • Transplante de células-tronco hematopoiéticas

O tratamento da DGC é a profilaxia continua com antibióticos, em particular sulfametoxazol-trimetoprima, 160/800 mg VO bid. Administram-se antifúngicos orais como profilaxia primária ou estes são acrescentados caso ocorram infecções fúngicas, mesmo que só uma vez; os mais úteis são

  • Itraconazol VO a cada 12 h (100 mg para pacientes < 13 anos, 200 mg para aqueles ≥ 13 anos ou com peso > 50 kg)

  • Voriconazol VO a cada 12 h (100 mg para aqueles com peso < 40 kg; 200 mg para aqueles com peso ≥ 40 kg)

  • Posaconazol (400 mg bid)

Interferon gama pode reduzir a gravidade e a frequência das infecções e costuma ser incluído no regime de tratamento. A dose usual é de 50 mcg/m2 por via subcutânea, 3 vezes por semana.

A transfusão de granulócitos pode ser essencial para salvar o paciente, no caso de infecções graves.

Após quimioterapia pré-transplante, o transplante de células-tronco hematopoiéticas entre irmãos com HLA idêntico normalmente é bem-sucedido.

A terapia genética encontra-se em estudo.

Pontos-chave

  • Suspeitar de doença granulomatosa crônica (DGC) se os pacientes tiverem abscessos recorrentes durante a infância (às vezes, não antes do início da adolescência), especialmente se o patógeno é um organismo que produz catalase (p. ex., Staphylococcus aureus; Escherichia coli; Serratia, Klebsiella ou Pseudomonas sp; fungos).

  • Utilizar o teste de explosão oxidativa em citometria de fluxo para diagnosticar DGC e identificar os portadores.

  • Tratar a maioria dos pacientes com antibióticos profiláticos, antifúngicos e interferon gama.

  • Para infecções graves, administrar transfusões de granulócitos.

  • Considerar transplante de células-tronco hematopoiéticas.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral da função das células B e T
Vídeo
Visão geral da função das células B e T
Há duas classes principais de linfócitos responsáveis por defesas específicas: as células...
Visão geral da hipersensibilidade do tipo I
Vídeo
Visão geral da hipersensibilidade do tipo I

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS