honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Estenose cervical

Por

Charlie C. Kilpatrick

, MD, MEd, Baylor College of Medicine

Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Estenose cervical é o estreitamento do óstio cervical interno.

A estenose cervical pode ser congênita ou adquirida.

As causas mais comuns adquiridas da estenose cervical são

  • Menopausa

  • Cirurgia cervical (p. ex., conização, cauterização)

  • Procedimentos de ablação endometrial para tratar anormalidades que causam menorragia uterina

  • Câncer cervical ou uterino

  • Radioterapia

A estenose cervical pode ser total ou parcial.

Pode resultar em:

  • Hematometra (acúmulo de sangue no útero)

  • Em mulheres na pré-menopausa, fluxo menstrual retrógrado na pelve, possivelmente causando endometriose.

  • Piometra (acúmulo de pus no útero), sobretudo em mulheres com câncer cervical ou uterino.

Sinais e sintomas

A estenose cervical geralmente é assintomática.

Os sintomas, quando presentes, podem ser amenorreia, dismenorreia, sangramento anormal e infertilidade em mulheres na pré-menopausa. Mulheres na pós-menopausa podem ser assintomáticas por um longo período.

Hematometra ou piometra podem causar distensão uterina ou, às vezes, massa palpável.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

Em geral, diagnostica-se a estenose cervical apenas quando os médicos têm dificuldade de acessar a cavidade uterina durante os exames realizados por um motivo diferente. Pode-se suspeitar de estenose cervical com base em sinais e sintomas (especialmente o desenvolvimento de amenorreia ou dismenorreia após cirurgia cervical), ou quando não é possível obter células endocervicais ou uma amostra endometrial para testes diagnósticos (p. ex., para teste de Papanicolau).

O diagnóstico de estenose total é estabelecido se uma sonda de 1 a 2 mm de diâmetro não passar para o interior da cavidade uterina.

Em mulheres na pós-menopausa, sem história de testes de Papanicolau anormais, não é necessário avaliação adicional.

Se a estenose cervical provoca sintomas ou anomalias uterinas (hematometra, piometra), deve-se realizar citologia cervical, biópsia endometrial ou dilatação e curetagem (D & C) para excluir câncer.

Tratamento

  • Dilatação cervical e colocação de stent cervical

Em geral, a estenose cervical não requer tratamento. Indica-se o tratamento apenas se houver sintomas ou anomalias uterinas e tipicamente envolve dilatação cervical e colocação de stent cervical.

Pontos-chave

  • Estenose cervical pode ser congênita ou adquirida (p. ex., causada por menopausa, cirurgia cervical, ablação endometrial, câncer cervical ou uterino ou radioterapia).

  • A estenose cervical costuma ser assintomática.

  • Suspeitar de estenose cervical com base nos sinais e sintomas ou impossibilidade de obter amostras endocervicais ou endometriais para os testes; impossibilidade de passar uma sonda de 1 a 2 mm de diâmetro pela cavidade uterina confirma estenose completa.

  • Se sintomas ou anormalidades uterinas (p. ex., hematometra, piometra) estão presentes, excluir câncer por meio de citologia cervical ou biópsia endometrial ou D & C, então dilatar a cérvice e inserir um stent.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS