Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Tipos de distúrbios virais

Por

Laura D Kramer

, PhD, Wadsworth Center, NYSDOH

Última modificação do conteúdo fev 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Recursos do assunto

Categorizar as infecções virais pelo sistema de órgãos mais comumente afetado (p. ex., pulmões, trato gastrintestinal GI], pele, fígado, sistema nervoso central, mucosas) pode ser clinicamente útil, mas certas doenças virais (p. ex., sarampo) são difíceis de serem categorizadas. Muitos vírus específicos e as doenças que causam também são discutidos em outra parte deste Manual.

(Ver também Visão geral dos vírus.)

Infecções respiratórias

As infecções virais mais comuns são provavelmente as infecções do trato respiratório superior. As infecções respiratórias são mais propensas a provocar sintomas graves nos lactentes, nos idosos e nos pacientes com doença pulmonar ou cardíaca.

Em 2012, um novo coronavírus, o coronavírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV), apareceu no Kuwait; ele pode causar doença respiratória aguda grave e, algumas vezes, fatal.

Vírus respiratórios são tipicamente transmitidos de pessoa para pessoa pelo contato com gotículas respiratórias infectadas.

Tabela
icon

Alguns vírus respiratórios

Síndromes principais

Prevalência e distribuição

Terapia específica

Prevenção específica*

Vírus epidêmicos da influenza A, B e C, e vírus da gripe aviária

AFRD

A e B: epidemia sazonal (inverno), ocasionalmente pandêmica

C: endêmica

Global

A e B: oseltamivir ou zanamivir

A e B: vacina, oseltamivir ou zanamivir

H5N1 aviário e o H7N9 aviário: associados a aves domésticas

Oseltamivir

Evitar contato com pássaros

Vírus da parainfluenza 1–4

DRFA (crianças)

Bronquite aguda e pneumonia

Crupe

1: epidemias locais

1, 2 e 3: disseminado em crianças

Nenhuma

Vacinas sob investigação

Adenovírus

DRFA (crianças)

Doença respiratória aguda (adultos)

Febre faringoconjuntival aguda

Ceratoconjuntivite epidêmica

Pneumonia viral

Conjuntivite folicular aguda

Diarreia

Cistite hemorrágica

Global

Principalmente em crianças

Nenhuma

Vacina contendo os tipos 4 e 7 para epidemias em populações militares

Orto-hantavirose

Síndrome pulmonar por hantavírus (p. ex., pelo hantavírus Sin Nombre, vírus do Canal Black Creek, vírus Bayou ou vírus New York)

Américas Central, do Norte e do Sul

Nenhum

Nenhum

Vírus sincicial respiratório e metapneumovírus humano

Doença nas vias respiratórias inferiores (crianças)

Doença leve nas vias respiratórias superiores (adultos)

Disseminado em crianças

Ribavirina algumas vezes usada para pacientes imunocomprometidos

Palivizumabe IM mensal (somente para certos recém-nascidos com alto risco de infecção por VSR)

Rinovírus

Coriza aguda com ou sem febre

Universal, especialmente nos meses frios

Nenhuma

Nenhuma

*Recomendam-se também precauções não específicas (p. ex., evitar os pacientes infectados e os vetores insetos e animais], medidas de higiene de rotina).

Ao contrário de RSV-IgIV o palivizumabe não interfere nas imunizações (p. ex., MMR, catapora).

DRFA = doença respiratória febril aguda; IgIV = imunoglobulina IV; MMR = sarampo, caxumba e rubéola; VSR = vírus sincicial respiratório.

Infecções GI

Gastrenterite costuma ser causada por vírus e transmitida de pessoa para pessoa por via oral-fecal.

A faixa etária afetada depende, principalmente, do vírus:

  • Rotavírus: crianças pequenas

  • Norovírus: crianças maiores e adultos

  • Astrovírus: normalmente, lactentes e crianças pequenas

  • Adenovírus 40 e 41: lactentes

  • Agentes do tipo coronavírus: lactentes

Epidemias locais podem ocorrer em crianças, particularmente durante os meses mais frios.

Os principais sintomas são vômito e diarreias.

Não há tratamento específico recomendado, mas os cuidados de suporte, especialmente a reidratação, são importantes.

A vacina do rotavírus, também eficaz contra a maioria das cepas patogênicas, faz parte do esquema recomendado de vacinação infantil ( Cronograma de imunização recomendado para idades de 0–6 anos). A lavagem das mãos e as boas medidas sanitárias podem ajudar a evitar a transmissão.

Doenças exantematosas

Alguns vírus causam somente lesões na pele (como no molusco contagioso e em verrugas); outros também causam manifestações sistêmicas ou lesões em qualquer parte do corpo ( Alguns vírus exantematosos).

A transmissão se dá tipicamente de pessoa para pessoa; os alfavírus têm como vetor um mosquito.

Tabela
icon

Alguns vírus exantematosos

Síndromes principais

Prevalência e distribuição

Terapia específica

Prevenção específica*

Vírus da rubéola

Encefalomielite

Envolvimento do sistema nervoso central (raro)

Global

Incidência decrescente em razão da vacina

Nenhuma

Vacinas

Vírus da roséola

Doenças congênitas decorrentes da infecção durante a gestação

Universal

Nenhuma

Vacinas

Parvovírus humano B19

Eritema infeccioso (quinta doença)

Exantema; mal-estar; artrite

Hidropisia fetal (infecção durante gestação)

Anemia (infecção em hospedeiros imunocomprometidos ou com hemoglobinopatias)

Epidemias esporádicas

Imunoglobulinas intravenosas (anemia grave)

Nenhuma

Herpes-vírus humano tipo 6

Roséola do lactente (exantema súbito)

Disseminado

Afeta crianças pequenas

Nenhuma

Nenhuma

Vírus da varicela-zóster

Antes da vacina, quase universal em crianças, ocasionalmente em adultos

Aciclovir; fanciclovir; valaciclovir

Imunoglobulinas, vacina

Comum em adultos, como resultado da reativação de vírus latente

Aciclovir; fanciclovir; valaciclovir

Vacina

Varíola

Doença natural erradicada

Cidofovir

Vacina de varíola até 4 dias após a exposição

Vacina

Cidofovir

Alfavírus (alguns)

Doença de chicungunha (doença febril aguda seguida de poliartrite crônica)

Transmitido pelos mosquitos Aedes

África, Sudeste da Ásia, Índia, Europa, Américas

Nenhuma

Nenhuma

Transportada por mosquito

América do Sul, Trinidade, Haiti

Nenhuma

Nenhuma

Doença do vírus Ross River (poliartrite epidêmica)

Mosquitos Aedes

Austrália, Papua Nova Guiné, Pacífico Sul

Nenhuma

Nenhuma

Vírus do molusco contagioso

Genital (adultos)

Pele exposta (crianças)

Mais grave (aids)

Crioterapia; curetagem

Nenhuma

*Recomendam-se também precauções não específicas (p. ex., evitar os pacientes infectados e os vetores insetos e animais], medidas de higiene de rotina).

Com base em estudos com animais.

IgIV = imunoglobulina IV.

Infecções hepáticas

Pelo menos 5 vírus podem causar hepatite (vírus A, B, C, D e E); cada qual causa um tipo específico de hepatite. O vírus da hepatite D só pode infectar quando já houver infecção pelo vírus da hepatite B. A transmissão é de pessoa para pessoa pelo contato com sangue ou secreções infectados, ou por via oral-fecal no caso das hepatites A e E (genótipos 1 e 2).

Outros vírus podem afetar o fígado como parte de seus processos de doença. Os exemplos comuns são o citomegalovírus, o vírus Epstein-Barr e o vírus da febre amarela. Exemplos menos comuns são o vírus ECHO, Coxsackie, da herpes simples, da rubéola, da roséola e da varicela.

Tabela
icon

Hepatite viral

Síndromes principais

Prevalência e distribuição

Terapia específica

Prevenção específica*

Hepatite A (aguda)

Disseminada; frequentemente epidêmica

Nenhuma

Imunoglobulina, vacina

Hepatite B (aguda e crônica)

Disseminada

Interferon, outros antivirais, incluindo os análogos de nucleosídeos (p. ex., entecavir) e os análogos de nucleotídeos (p. ex., tenofovir disoxproxil fumarato)

Triagem para antígeno de superfície de hepatite B

Vacina, imunoglobulina para hepatite (HBIG)

Hepatite C (aguda e crônica)

Disseminada

Interferon, ribavirina, antivirais de ação direta (p. ex., inibidores da protease, inibidores do análogo de nucleotídeos e inibidores da NS5A)

Triagem para hepatite C

Hepatite D (delta)

Bolsões endêmicos em vários países

Usuários de fármaco parenteral em risco relativamente alto

Pode infectar somente na presença de hepatite B

Interferona

Nenhuma

Epidemias

Genótipos 1 e 2: países em desenvolvimento

Genótipo 3: Europa; transmitido pela ingestão de produtos de porco mal cozidos

Grave durante a gestação

Nenhuma

Vacina (não disponível nos EUA)

*Precauções não específicas (p. ex., evitar líquidos corporais de pacientes infectados, cuidados de assepsia, medidas de higiene de rotina) também são recomendadas.

NS5A = proteína não estrutural 5A.

Infecções neurológicas

A maioria dos casos de encefalite é causada por vírus ( Alguns vírus neurológicos). Muitos desses vírus são transmitidos para os seres humanos por meio de artrópodes hematófagos, principalmente mosquitos e carrapatos; esses vírus são denominados arbovírus (acrônimo do inglês ARthropod BOrne VIRUS, vírus transportados por artrópodes). Para tais infecções, a prevenção consiste em evitar a picada do mosquito e do carrapato.

Tabela
icon

Alguns vírus neurológicos

Síndromes principais

Prevalência e distribuição

Terapia específica

Prevenção específica*

Poliovírus

Poliomielite (paralisia flácida aguda)

Meningite asséptica

Global

Incidência baixa atualmente por causa da vacina

Nenhuma

Vacinas: vírus vivos (oral), vírus mortos (injetável)

Alfavírus (alguns), transportados por mosquito

Encefalite equina do oeste

Américas do Norte e do Sul

Nenhuma

Nenhuma

Encefalite equina do leste

América do Norte

Nenhuma

Vacina disponível para proteger equinos

Vacinas investigadas têm sido usadas para imunizar funcionários de laboratório sob risco

Encefalite equina venezuelana

Estados do Golfo até a América do Sul

Nenhuma

Vacina disponível para equinos

Vacinas investigadas têm sido usadas para imunizar funcionários de laboratório sob risco

Flavivírus (alguns), transportados por mosquito

Encefalite japonesa

Sudeste da Ásia, Japão, Coreia, China, Índia, Filipinas, antiga União Soviética oriental

Nenhuma

Vacina

Encefalite do Vale Murray

Austrália, Nova Guiné

Nenhuma

Nenhuma

Encefalite de St. Louis

Américas do Norte e do Sul

Nenhuma

Nenhuma

Encefalite do Nilo Ocidental

África, Oriente Médio, sul da França, antiga União Soviética, Índia, Indonésia, EUA, Canadá, América do Sul (Argentina)

Nenhuma

Triagem do sangue e produtos sanguíneos para o vírus

Flavivírus (alguns), transportados por carrapato

Encefalite de Powassan

Canadá, leste e oeste do meio-oeste dos EUA

Nenhuma

Nenhuma

Encefalite transmitida por carrapato

Europa Oriental e Central, Bálcãs, antiga União Soviética

Surtos que coincidem com períodos de atividade dos carrapatos

Nenhuma

Vacina disponível na Europa e na Rússia

Ortobunyavírus (alguns), transportados por mosquito

Encefalite da Califórnia e tipos relacionados (p. ex., encefalite de La Crosse)

Provavelmente mundial

Comum no meio-oeste e no leste dos EUA

Infecção sintomática principalmente em crianças

Nenhuma

Nenhuma

Mammarenavírus (alguns)

Coriomeningite linfocítica

EUA, Europa e possivelmente outros lugares

Reservatório principal: camundongo caseiro

Principalmente em adultos durante o outono e o inverno

Nenhuma

Nenhuma

Vírus da raiva

Raiva

Mundial

Nenhuma

Vacina

Imunoglobulina pós-exposição à raiva

*Precauções não específicas (p. ex., evitar alimentos e água contaminados e insetos e animais vetores, medidas de higiene de rotina) também são recomendadas.

Febres hemorrágicas

Certos vírus causam febre e tendência a sangramento ( Alguns vírus que causam febre hemorrágica e Arbovírus, arenavírus e filovírus). A transmissão pode envolver mosquitos, carrapatos, ou contato com animais (p. ex., roedores, macacos, morcegos) e pessoas infectados. A prevenção consiste em evitar os meios de transmissão.

Tabela
icon

Alguns vírus que causam febre hemorrágica

Síndromes principais

Distribuição

Terapia específica

Prevenção específica*

Flavivírus (alguns)

Antiga União Soviética (Sibéria)

Nenhuma

Nenhuma

Índia

Nenhuma

Nenhuma

África, Américas Central e do Sul

Nenhuma

Vacina para viajantes para áreas endêmicas e para populações experimentando um surto

Trópicos e subtrópicos; mundial

Nenhuma

Vacina em ensaios de fase 3

Ortobunyavírus (alguns)

Febre hemorrágica com síndrome renal devido aos vírus de Hantaan, Puumala, Dobrava (Belgrado), ou Seul

Norte da Ásia, Europa

Vírus de Seul: em ratos de estimação e populações de ratos selvagens em todo o mundo

Ribavirina

Nenhuma

Filovírus

Doença do lago Vitória pelo vírus Marburg

África

Nenhuma

Nenhuma

doença do Sudão pelo vírus Ebola

África, Sumatra

Nenhuma

Nenhuma

doença de Bundibugyo pelo vírus Ebola

Uganda

Nenhum

Nenhum

doença do Zaire pelo vírus Ebola

África

Nenhum

Ensaios clínicos de vacinação em anel

doença de Reston pelo vírus Ebola

Filipinas

Nenhum

Nenhum

Mammarenavírus (alguns)

Febre de Lassa

Febre hemorrágica boliviana (devido ao vírus Machupo)

Febre hemorrágica argentina (devido ao vírus Junin)

Febre hemorrágica venezuelana (devido ao vírus Guanarito)

Febre hemorrágica brasileira (pelo

vírus Sabia)

América do Sul, África (somente a febre de Lassa)

Ribavirina

Plasma convalescente para todos, exceto febre de Lassa

Vacina para febre hemorrágica argentina

doença pelo vírus Lujo

Zâmbia

Nenhum

Nenhum

Ortonairovírus

Febre hemorrágica de Crimeia-Congo

Antiga União Soviética, Paquistão Ocidental, África, Ásia, Oriente Médio, Europa Oriental

Ribavirina

Vacina (eficácia desconhecida)

*Precauções não específicas (p. ex., evitar os meios de transmissão, medidas de higiene de rotina) também são recomendadas.

Infecções cutâneas ou de mucosas

Alguns vírus podem causar lesões recidivantes na pele ou mucosa e podem torna-se crônicas ( Alguns vírus que causam lesões recorrentes ou crônicas de pele ou mucosa). As infecções mucocutâneas são os tipos mais comuns de infecção do herpes-vírus simples. Papilomavírus humano causa verrugas; alguns subtipos causam câncer cervical, outros cânceres anogenitais e câncer orofaríngeo.

A transmissão ocorre pelo contato interpessoal.

Tabela
icon

Alguns vírus que causam lesões recorrentes ou crônicas de pele ou mucosa

Síndromes principais

Prevalência

Terapia específica

Prevenção específica*

Herpes labial

Gengivoestomatite herpética

Dermatite

Ceratoconjuntivite

Encefalite

Vulvovaginite

Doença neonatal disseminada

Labial: recorrente;

Estima-se que a infecção por HSV-1 ocorra em dois terços da população global < 50 anos

Gengivoestomatite: frequente em lactentes e crianças

Aciclovir; fanciclovir; valaciclovir; penciclovir

Infecção neonatal: tratamento da infecção materna; terapia supressiva com início na 36ª semana de gestação, caso a paciente tenha história de herpes-vírus simples recorrente; parto cesariano em caso de lesões ou sintomas prodrômicos na hora do parto

Papilomavírus humano

Universal

Comum, frequentemente recorrente

Crioterapia; interferona (possivelmente para área genital); podofilina (genital); imiquimode

Vacinas para até 9 subtipos do papilomavírus humano mais comumente associados a cânceres e verrugas genitais

Preservativos

*Precauções não específicas (p. ex., medidas de higiene de rotina, práticas de sexo seguro) também são recomendadas.

Doenças multissistêmicas

Enterovírus, que incluem o vírus Coxsackie e ecovírus, podem causar várias síndromes multissistêmicas, assim como citomegalovírus ( Alguns vírus que causam doença multissistêmica).

A transmissão é por via fecal-oral.

Tabela
icon

Alguns vírus que causam doença multissistêmica

Síndromes principais

Distribuição e prevalência

Terapia específica

Prevenção específica*

Vírus Coxsackie

DRFA (crianças)

Paralisia

Febre e exantema

Varia conforme os tipos

A maioria das pessoas infectada

Aumenta nos meses quentes em climas temperados e no ano todo nos trópicos e em crianças

Transmissão de pessoa para pessoa pela via fecal-oral

Nenhuma

Nenhuma

Vírus ECHO e muitos enterovírus

Meningite asséptica

Febre e exantema

Meningoencefalite

Sepsia neonatal

Paralisia

Miocardite

Pericardite

Semelhantes às de vírus Coxsackie

Nenhuma

Nenhuma

Citomegalovírus

Defeitos congênitos (doença da inclusão citomegálica)

Hepatite (mononucleose por citomegalovírus)

Em pacientes imunocomprometidos (incluindo aqueles com aids): retinite, distúrbios gastrintestinais, distúrbios do sistema nervoso central, pneumonia

Disseminado

Congênito

Comum entre pacientes imunocomprometidos

Ganciclovir, foscarnet, cidofovir, algumas vezes imunoglobulina (p. ex., receptores de transplante de órgãos com pneumonia)

Ganciclovir, foscarnet

*Precauções não específicas (p. ex., saneamento adequado, lavar as mãos) também são recomendadas.

Vírus ECHO tipos 10, 21, 22 e 28 foram reclassificados; esses números não mais são usados. Enterovírus descritos mais recentemente foram designados como tipos 68 a 72.

DRFA = doença respiratória febril aguda.

Doença febril não específica

Alguns vírus causam sintomas inespecíficos, como febre, mal-estar, cefaleia e mialgia ( Alguns vírus que causam doença febril aguda não específica e Doenças por arbovírus, arenavírus e filovírus). A transmissão costuma ser por algum inseto ou artrópode vetor.

A febre do Vale Rift raramente evolui para distúrbios oculares, meningoencefalite, ou uma forma hemorrágica (taxa de mortalidade de 50%).

Tabela
icon

Alguns vírus que causam doença febril aguda não específica

Síndromes principais

Distribuição

Terapia específica*

Prevenção específica

Vírus da febre do carrapato do Colorado (coltivírus)

Febre do carrapato do Colorado, com leucopenia e trombocitopenia

Oeste dos EUA, Canadá

Nenhuma

Nenhuma

Flavivírus (alguns)

Infecção congênita em lactentes infectados no útero, síndrome de Guillain-Barré

África, Ásia, Américas, Ilhas do Pacífico

Nenhuma

Nenhuma

Flebovírus (alguns)

Febre do flebótomo (mosquito-pólvora)

Bacia do Mediterrâneo, Bálcãs, Oriente Médio, Paquistão, Índia, China, África Oriental, Panamá, Brasil

Nenhuma

Nenhuma

África, Egito, Arábia Saudita, Iêmen

Nenhuma

Vacina disponível para gado

Vacina humana sob investigação

Febre grave com síndrome de trombocitopenia

China, Coreia, Japão

Nenhum

Nenhum

*O tratamento normalmente é de suporte.

Precauções não específicas (p. ex., evitar os meios de transmissão, medidas de higiene de rotina, triagem da medula óssea usada para transplante) também são recomendadas.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do COVID-19
Vídeo
Visão geral do COVID-19
Modelos 3D
Visualizar tudo
Sars-CoV
Modelo 3D
Sars-CoV

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS