Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Granulomas hepáticos

Por

Steven K. Herrine

, MD, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo mai 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Granulomas hepáticos podem ter várias causas e são, em geral, assintomáticos. Entretanto, a doença que leva ao granuloma pode, eventualmente, produzir manifestações extra-hepáticas e/ou processo inflamatório hepático, fibrose e hipertensão portal. O diagnóstico baseia-se em biópsia hepática, mas esta é indicada apenas nos casos em que há suspeita de causa tratável (p. ex., infecções) ou em que outras causas hepáticas já tenham sido descartadas. O tratamento é dirigido à doença de base.

Os granulomas hepáticos, ainda que sejam geralmenteinsignificantes, podem com frequência refletir doença de certo significado clínico. O termo hepatite granulomatosa é utilizado com alguma frequência para descrever uma condição em que, em geral, não há uma verdadeira hepatite, pois a presença de granulomas não implica em infiltrado inflamatório hepatocelular.

Etiologia

Os granulomas hepáticos têm muitas causas ({blank} Causas dos granulomas hepáticos); fármacos e doenças de ordem sistêmica (muitas vezes infecções) são mais comuns que distúrbios de origem primariamente hepática. Infecções devem ser identificadas porque exigem tratamentos específicos. Tuberculose e esquistossomose são as causas infecciosas mais comuns no mundo; causas fúngicas e virais são menos comuns. Sarcoidose é a causa não infecciosa mais comum; o fígado é envolvido em cerca de dois terços dos pacientes e, ocasionalmente, as manifestações clínicas da sarcoidose são predominantemente hepáticas.

Tabela
icon

Causas dos granulomas hepáticos

Causa

Exemplos

Fármacos

Alopurinol, fenilbutazona, quinidina, sulfonamidas

Infecções bacterianas

Actinomicose, brucelose, febre da arranhadura do gato, sífilis, tuberculose*, outras micobactérias, tularemia, febre Q

Infecções fúngicas

Blastomicose, criptococose, histoplasmose

Infecções parasitárias

Esquistossomíase*, toxoplasmose, larva migrans visceral

Infecções virais

Hepatite C, infecção por citomegalovírus

Hepatopatias

Doenças sistêmicas

Linfoma de Hodgkin, polimialgia reumática, outras doenças do tecido conectivo, sarcoidose*

*Causas mais comuns.

Granulomas são muito menos comuns nas doenças primárias do fígado; a colangite biliar primária é a única causa importante. Pequenos granulomas aparecem em outras hepatopatias, mas sem significado clínico.

Hepatite granulomatosa idiopática é uma síndrome rara de granulomas hepáticos e febre recorrente, mialgia, astenia e outros sintomas de envolvimento sistêmico, que ocorrem de modo intermitente durante anos. Alguns especialistas acreditam tratar-se de variante da sarcoidose.

Fisiopatologia

Um granuloma é uma coleção localizada de células inflamatórias crônicas, com a presença de células epitelioides e células gigantes multinucleadas. Pode haver necrose de caseificação ou reação do tipo corpo estranho (p. ex., ovos na esquistossomíase). A maioria dos granulomas ocorre no parênquima, mas os granulomas da colangite biliar primária (CBP, anteriormente chamada cirrose biliar primária) podem se manifestar nas tríades hepáticas.

A formação de um granuloma não é completamente bem compreendida. Granulomas podem se desenvolver em resposta a irritantes endógenos ou exógenos com baixa solubilidade. Mecanismos imunológicia estão envolvidos.

Granulomas hepáticos raramente comprometem a função hepatocelular. Contudo, quando granulomas são parte de uma reação inflamatória mais ampla envolvendo o fígado (p. ex., reações a fármacos, mononucleose infecciosa), pode haver disfunção hepatocelular. Às vezes, essa inflamação causa fibrose hepática progressiva e hipertensão portal, o que ocorre de forma típica na esquistossomíase e, ocasionalmente, na infiltração extensa da sarcoidose.

Sinais e sintomas

Os granulomas propriamente ditos são normalmente assintomáticos; mesmo uma extensa infiltração geralmente produz apenas discretas hepatomegalias e pouca ou nenhuma icterícia. Os sintomas, caso ocorram, refletem a causa subjacente (p. ex., sintomas constitucionais em infecções, hepatosplenomegalia em esquistossomíase).

Diagnóstico

  • Testes da função hepática

  • Exames de imagem

  • Biópsia

Granulomas hepáticos são suspeitados em pacientes com

  • Condições que frequentemente causem granulomas.

  • Massas inexplicadas encontradas durante exames de imagem.

  • Anormalidades detectadas por meio de um teste de imagem que é feito para avaliar elevações assintomáticas nas enzimas hepáticas, em particular a fosfatase alcalina.

Quando se suspeita da presença de granulomas hepáticos, testes de função hepática são geralmente realizados, mas os resultados são inespecíficos e raramente auxiliam o diagnóstico. Fosfatase alcalina (e gama-glutamiltransferase) está, muitas vezes, pouco elevada, mas, ocasionalmente, pode apresentar grandes elevações. Outros resultados podem ser normais ou revelar anormalidades adicionais que, em última análise, refletem danos hepáticos (p. ex., hepatopatia por fármaco causando reação inflamatória generalizada no fígado). Em geral, exames de imagem, como ultrassonografia, tomografia computadoriza e RM, não são diagnósticos; podem mostrar calcificações (se os granulomas são de longa duração) ou defeitos de preenchimento, particularmente no caso de lesões confluentes.

O diagnóstico baseia-se na biópsia hepática. Entretanto, biópsia é geralmenteindicada para diagnosticar causas tratáveis (p. ex., infecções) ou para diferenciar de doenças não granulomatosas (p. ex., hepatites crônicas virais). A biópsia, muitas vezes, revela a incidência de causas específicas (p. ex., ovos na esquistossomíase, necrose caseosa na tuberculose, fungos). Ainda assim, outros testes (p. ex., culturas, reações intradérmicas, exames de laboratório, radiografias, outras amostras de tecido) são frequentemente necessários.

Em pacientes com sintomas constitucionais ou de outra ordem que sugiram infecção (p. ex., febre de origem desconhecida), tomam-se medidas específicas, de forma a aumentar a sensibilidade da biópsia (p. ex., mandar parte do fragmento para exame “a fresco”, como culturas, e também a utilização de colorações específicas para bacilos álcool-ácido resistentes, fungos e outros agentes). Com frequência, a causa não é estabelecida.

Prognóstico

Granulomas hepáticos causados por fármacos ou infecções regridem completamente após o tratamento. Granulomas da sarcoidose podem desaparecer de maneira espontânea ou persistir por anos, geralmente sem doença hepática clinicamente importante. Fibrose progressiva e hipertensão portal raramente se desenvolvem (cirrose da sarcoidose).

Na esquistossomíase, a fibrose portal progressiva é típica (fibrose em cachimbo); a função hepática é normalmente conservada, mas podem ocorrer esplenomegalia importante e hemorragia por varizes.

Tratamento

  • Tratamento da causa

O tratamento é direcionado à doença subjacente. Quando a causa é desconhecida, em geral, suspende-se o tratamento e institui-se acompanhamento com testes periódicos da função hepática. No entanto, se ocorrem sintomas de tuberculose (p. ex., febre prolongada) e de deterioração da saúde, terapia empírica para tuberculose pode estar justificada.

Doentes com sarcoidose hepática progressiva podem melhorar com corticoides, apesar de não estar claro se esses fármacos evitam, de fato, a fibrose. No entanto, corticoides não são indicados para a maioria dos pacientes com sarcoidose e apenas se justificam se a tuberculose e outras infecções puderem ser excluídas com segurança.

Pontos-chave

  • Granulomas hepáticos podem resultar de muitos fármacos e distúrbios sistêmicos; doenças hepáticas primárias são causas incomuns.

  • Tuberculose e esquistossomose são as causas infecciosas mais comuns em todo o mundo; sarcoidose é a causa não infecciosa mais comum.

  • Os sintomas e as complicações decorrem em maior escala da condição subjacente do que dos próprios granulomas.

  • O tratamento é direcionado para a causa.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS