Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Doenças esofágicas infecciosas

Por

Kristle Lee Lynch

, MD, Perelman School of Medicine at The University of Pennsylvania

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Recursos do assunto

A infecção esofágica ocorre principalmente em pacientes com mecanismos de defesa diminuídos. Agentes primários incluem Candida albicans, HSV e CMV. Os sintomas mais frequentes são odinofagia e dor torácica. O diagnóstico se faz por visualização endoscópica e cultura. O tratamento se faz com antifúngicos ou fármacos antivirais.

A infecção esofagiana é rara em pacientes com mecanismos de defesa preservados. Os mecanismos primários de defesa do esôfago incluem saliva, motilidade esofágica e imunidade celular. Portanto, pacientes de alto risco incluem aqueles com aids, transplantados, alcoólatras, diabéticos, desnutridos, com neoplasias e distúrbios de motilidade esofágica. A infecção por Candida pode ocorrer em qualquer um desses pacientes. Infecções por HSV e CMV ocorrem principalmente na aids e em pacientes transplantados.

Esofagite por Candida

Os pacientes com esofagite por Candida em geral se queixam de odinofagia e, menos comumente, de disfagia. Cerca de dois terços têm sinais de estomatite (logo, sua ausência não exclui envolvimento esofágico). Pacientes com odinofagia e estomatite típica podem receber tratamento empírico, mas caso não ocorra melhora significativa em 5 a 7 dias, uma avaliação endoscópica é necessária. A esofagografia com bário é menos exata.

O tratamento da esofagite por Candida é com fluconazol 200 a 400 mg VO ou IV 1 vez ao dia por 14 a 21 dias. Alternativas incluem outros “azóis” (p. ex., itraconazol, voriconazol e posaconazol) ou equinocandinas (p. ex., caspofungina, micafungina, anidulafungina). A terapia tópica não tem indicação.

Esofagite por vírus herpes simples e esofagite por citomegalovírus

Estas infecções são igualmente frequentes em pacientes transplantados, mas o HSV ocorre precocemente após o transplante (reativação) e o CMV ocorre 2 a 6 meses depois. Nos pacientes com aids, o CMV é muito mais comum que o HSV; a esofagite viral ocorre principalmente quando a contagem de CD4+ é < 200/mcL. Odinofagia intensa pode ser secundária a ambas as infecções.

A endoscopia com citologia ou biópsia costuma ser necessária para o diagnóstico.

O HSV é tratado com aciclovir, IV, 5 mg/kg, de 8/8 horas, por 7 dias ou valaciclovir, 1 g, VO de 8/8 h. CMV é tratado com ganciclovir, 5 mg/kg, IV, de 12/12 horas, por 14 a 21 dias, com manutenção de 5 mg/kg, IV, 5 dias por semana, para pacientes imunocomprometidos. Alternativas incluem fosfonoformato trissódico e cidofovir.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral da apendicite
Vídeo
Visão geral da apendicite
Modelos 3D
Visualizar tudo
Trato GI
Modelo 3D
Trato GI

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS