Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Subluxação atlantoaxial

(Subluxação C1-C2)

Por

Peter J. Moley

, MD,

  • Hospital for Special Surgery
  • Weill Cornell Medical College

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Subluxação atlantoaxial é falta de alinhamento entre a 1ª e 2ª vértebra cervical, o que pode ocorrer apenas com flexão cervical.

Subluxação atlantoaxial pode ser resultante de grandes traumas ou pode ocorrer sem trauma nos pacientes com artrite reumatoide, artrite idiopática juvenil ou espondilite anquilosante. Essa doença é muito rara.

A subluxação atlantoaxial é normalmente assintomática, porém pode causar dor cervical, cefaleia occipital ou, ocasionalmente, compressão da medula cervical intermitente (e potencialmente fatal).

Diagnóstico

  • Radiografias simples

  • RM para avaliar a integridade dos ligamentos

O diagnóstico da subluxação atlantoaxial costuma ser feito com radiografias simples da coluna cervical; no entanto, pode ser necessário fazer incidência em flexão para evidenciar a subluxação intermitente. A incidência em flexão, como toleradas pelo paciente, revela a instabilidade dinâmica de toda a coluna cervical. Se houver alterações nas radiografias ou se estiveram normais, mas ainda houver suspeita de subluxação, fazer uma RM, que é mais sensível. A RM também fornece a maioria da avaliação sensorial da compressão da medula espinal, sendo obtida imediatamente se houver suspeita da compressão medular.

Tratamento

  • Tratamento dos sintomas

  • Imobilização cervical

  • Cirurgia

As indicações para o tratamento da subluxação atlantoaxial são dor, deficits neurológicos e potencial instabilidade da coluna vertebral. O tratamento é feito com sintomáticos e imobilização cervical, normalmente começando com o uso do colar cervical rígido. A urgência do tratamento geralmente baseia-se nos sintomas ou na existência de alterações na medula espinhal pela RM nos pacientes suscetíveis. Nos casos em que os sintomas aumentam ou nas lesões traumáticas agudas, pode ser necessário fazer cirurgia para estabilizar a coluna.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS