Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Impetigo e ectima

Por

Wingfield E. Rehmus

, MD, MPH, University of British Columbia

Última modificação do conteúdo fev 2021
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Impetigo é uma infecção superficial da pele com bolhas ou crostas, causada por estreptococos, estafilococos ou ambos. Ectima é uma forma ulcerativa de impetigo. O diagnóstico é clínico. O tratamento é com antibióticos tópicos e, às vezes, orais.

Na maioria dos pacientes, não se encontram fatores predisponentes, mas o impetigo pode surgir a partir de qualquer solução de continuidade da pele. Os fatores de risco gerais parecem ser ambiente úmido, má higiene ou carga nasofaríngea de estafilococos ou estreptococos. O impetigo é bolhoso ou não bolhoso. Staphylococcus aureus é a causa principal do impetigo não bolhoso e de todos os impetigos bolhosos. As bolhas são produzidas por uma toxina esfoliativa produzida por estafilococos. S. aureus resistente à meticilina (SARM) tem sido isolado em cerca de 20% dos casos recentes de impetigo.

Sinais e sintomas do impetigo e ectima

O impetigo não bolhoso manifesta-se como agrupamentos de vesículas ou pústulas que se rompem e formam uma crosta melicérica (exsudato da base da lesão) sobre a lesão. Lesões menores podem coalescer em placas com crostas maiores.

O impetigo bolhoso é similar, exceto que tipicamente as vesículas se alargam de modo rápido para formar bolhas. Estas se rompem expondo grandes áreas, melicéricas ou crostosas.

Exemplos de impetigo não bolhoso e bolhoso

O ectima caracteriza-se por pequenas úlceras, purulentas e rasas, recobertas por crostas espessas de cor marrom-enegrecida com eritema ao redor.

O impetigo e o ectima causam dor leve ou desconforto. O prurido é comum e a coçadura dissemina a infecção, inoculando áreas adjacentes e distantes da pele.

Diagnóstico do impetigo e ectima

  • Avaliação clínica

O diagnóstico do impetigo e ectima baseia-se na aparência característica.

A cultura das lesões deve ser realizada unicamente quando os tratamentos empíricos falham. Nos casos recorrentes, é necessária a cultura das narinas. Nas infecções persistentes, deve-se realizar cultura para identificar SARM.

Tratamento de impetigo e ectima

  • Mupirocina tópica, retapamulina, ácido fusídico ou ozenoxacina

  • Às vezes, antibióticos orais

A área afetada deve ser lavada delicadamente, com sabão e água, várias vezes ao dia para remover as crostas.

O tratamento do impetigo localizado é com o antibiótico mupirocina em pomada 3 vezes ao dia, durante 7 dias ou pomada de retapamulina 2 vezes ao dia, durante 5 dias ou creme de ozenoxacina a 1% aplicado a cada 12 horas por 5 dias. Creme de ácido fusídico a 2%, 3 a 4 vezes ao dia até as lesões desaparecerem é igualmente eficaz, mas não está disponível nos EUA.

Antibióticos orais, [p. ex., dicloxacilina ou cefalexina, 250 a 500 mg 4 vezes ao dia (12,5 mg/kg 4 vezes ao dia para crianças) por 10 dias], podem ser necessários para pacientes imunocomprometidos, pacientes com lesões impetiginosas extensas ou resistentes ou para ectima; clindamicina 300 mg a cada 6 horas ou eritromicina 250 mg a cada 6 horas pode ser usada em pacientes alérgicos à penicilina, mas a resistência aos dois medicamentos é um problema crescente.

O uso inicial da terapia empírica contra SARM SARM e celulite purulenta ou complicada É uma infecção bacteriana aguda da pele e tecido subcutâneo, geralmente causada por estreptococos ou estafilococos. Sinais e sintomas são dor, calor, eritema de rá... leia mais SARM e celulite purulenta ou complicada normalmente não é aconselhável, a menos que haja evidências clínicas irrefutáveis (p. ex., contato com uma pessoa que tem um caso documentado, exposição à epidemia documentada, prevalência local de cultura documentada de > 10% ou 15%). O tratamento para SARM deve ser direcionado pelos resultados de teste para cultura e sensibilidade; tipicamente clindamicina, sulfametoxazol-trimetoprima e doxiciclina são eficazes contra a maioria das cepas da SARM associadas à comunidade.

Outra terapia é a restauração da barreira cutânea normal, em pacientes com dermatite atópica Dermatite atópica (eczema) Dermatite atópica é uma doença inflamatória recidivante crônica da pele com patogênese complexa que envolve susceptibilidade genética, fatores ambientais e... leia mais Dermatite atópica (eczema) ou extensa xerose Xeroderma Xeroderma é pele seca, ou seja, não é hereditário nem associado a anormalidades sistêmicas. O xeroderma resulta da descamação atrasada das células superficiais da pele... leia mais Xeroderma , utilizando-se hidratantes tópicos e corticoides, se indicado. Nos portadores crônicos de estafilococos nas narinas, aplicam-se antibióticos tópicos (mupirocina), por 1 semana ao mês, no período de 3 meses consecutivos.

A cura é rápida após tratamento adequado e oportuno. A demora pode causar celulite, linfangite, furunculose e hiper ou hipopigmentação, com ou sem cicatriz. Crianças de 2 a 4 anos têm risco de adquirir glomerulonefrite aguda se forem contaminadas por cepas nefritogênicas dos estreptococos do grupo A (tipos 49, 55, 57 e 59); a nefrite parece ser mais comum no sul dos EUA do que em outras regiões. É pouco provável que o tratamento com antibióticos previna glomerulonefrite pós-estreptocócica.

Pontos-chave

  • S. aureus é a principal causa do impetigo não bolhoso e de todos os impetigos bolhosos.

  • Crosta cor de mel é característica do impetigo bolhoso e não bolhoso.

  • No impetigo persistente, fazer cultura da ferida [para identificar S. aureus resistente à meticilina (SARM)] e do nariz (para identificar um reservatório nasal).

  • Tratar a maioria dos casos com antibióticos tópicos.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS