Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Granuloma anular

Por

Julia Benedetti

, MD, Harvard Medical School

Última modificação do conteúdo jul 2020
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

É uma doença crônica, benigna, idiopática, caracterizada por pápulas ou nódulos, que se estendem perifericamente, formando um anel ao redor de pele normal ou levemente deprimida. O diagnóstico baseia-se em avaliação clínica e, às vezes, biópsia. O tratamento é com corticoides tópicos ou intralesionais, tacrolimo tópico, crioterapia e fototerapia.

Etiologia do granuloma anular

A etiologia do granuloma anular não é bem definida, mas se propõe um mecanismo que compreende a imunidade mediada por células (tipo IV), vasculite por imunocomplexo e uma anormalidade dos monócitos teciduais. Apuraram-se várias doenças, infecções, fármacos e fatores ambientais em relação ao granuloma anular, mas estas associações ainda não estão claras. É duas vezes mais prevalente em mulheres.

Sinais e sintomas do granuloma anular

As lesões são eritematosas, castanho-amareladas, azuladas ou de cor semelhante à da pele adjacente; pode haver uma ou mais lesões, sendo frequente no dorso dos pés, pernas, mãos ou dedos. Em geral, são assintomáticas e ocasionalmente sensíveis. As lesões geralmente se expandem ou se fundem para formar anéis. O centro de cada anel pode ser claro ou levemente deprimido e às vezes pálido ou marrom claro. Em alguns casos, as lesões podem ser generalizadas e disseminadas.

Diagnóstico do granuloma anular

  • Avaliação clínica

  • Às vezes, biópsia

O diagnóstico de granuloma anular geralmente é clínico, sendo confirmado por biópsia. Ao contrário da tinha do corpo Diagnóstico É uma infecção por dermatófitos na face, tronco e extremidades. Diagnóstico baseia-se na aparência clínica e no exame micológico. O tratamento envolve... leia mais Diagnóstico (que pode causar lesões anulares salientes com clareira central), o granuloma anular normalmente não tem escamas e não coça.

Tratamento do granuloma anular

  • Para lesões localizadas, algumas vezes corticoides tópicos ou intralesionais potentes, tacrolimo tópico, crioterapia e/ou fototerapia

  • Para lesões disseminadas, às vezes hidroxicloroquina, isotretinoína, dapsona e/ou ciclosporina

Normalmente nenhum tratamento é necessário; a regressão espontânea é comum, mas pode levar anos. Para pacientes com lesões mais disseminadas ou incômodas, pode-se desejar resolução mais rápida.

Para lesões localizadas, pode-se usar corticoides tópicos ou intralesionais de alta resistência, tacrolimo tópico, crioterapia e várias formas de fototerapia.

Para lesões disseminadas, foi relatado que hidroxicloroquina, isotretinoína, dapsona e ciclosporina são tratamentos bem-sucedidos.

Há relatos de que a terapia com inibidores do fator de necrose tumoral (FNT) alfa é eficaz no tratamento do granuloma anular, mas também foi relatada como um potencial fator de incitação em alguns pacientes.

Pontos-chave

  • Diagnosticar o granuloma anular clinicamente (p. ex., os característicos anéis com clareira central e ausência de escamas).

  • Se os sintomas são incômodos, considerar várias fototerapias tópicas e/ou sistêmicas.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS