Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Disfunções em idosos

Por

Richard W. Besdine

, MD, Warren Alpert Medical School of Brown University

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Alguns distúrbios ocorrem quase que exclusivamente em idosos. (Consulte também Considerações gerais sobre o envelhecimento). São às vezes chamadas de síndromes geriátricas (geriátrico se refere aos cuidados médicos dos idosos).

Outras doenças afetam a pessoas de todas as idades, mas podem causar sintomas ou complicações diferentes nos idosos. A seguir, alguns exemplos:

  • Glândula tireoide hipoativa (hipotireoidismo): normalmente, os jovens ganham peso e se sentem lentos. Nos idosos, o primeiro ou principal sintoma pode ser a confusão.

  • Glândula tireoide hiperativa (hipertireoidismo): normalmente, os jovens ficam agitados e perdem peso. Ao contrário, os idosos podem ficar sonolentos, isolados, deprimidos e confusos.

  • Depressão: normalmente, os jovens ficam chorosos, isolados e visivelmente infelizes. Algumas vezes, os idosos não parecem infelizes. Ao contrário, eles ficam confusos, esquecidos e apáticos, perdem interesse em suas atividades habituais ou parecem solitários.

  • Ataque cardíaco: normalmente, os jovens têm dor no peito. Os idosos podem não ter dor no peito, mas podem ter dificuldade para respirar ou dor abdominal. Eles podem suar muito, sentir-se cansados de repente, desmaiar ou ficar confusos.

  • Perfuração abdominal: um órgão no trato digestivo, como o estômago ou o intestino, ocasionalmente se rasga (perfura), causando infecção séria generalizada na cavidade abdominal. Normalmente, os jovens têm dor abdominal severa e febre, e sentem o abdômen apertado. Ao contrário, os idosos podem não ter nenhum desses sintomas. Ao invés disso, eles podem ficar confusos ou se sentirem muito fracos.

A confusão que esses distúrbios causam nos idosos é frequentemente mal interpretada como demência.

As pessoas idosas frequentemente têm mais de um distúrbio ao mesmo tempo. Cada distúrbio pode afetar o outro. Por exemplo, a depressão pode agravar a demência e uma infecção pode piorar o diabetes.

Entretanto, os distúrbios já não têm os mesmos efeitos incapacitantes ou devastadores que tiveram nos idosos. Os distúrbios que antes podiam resultar em morte para idosos, como ataques cardíacos, fraturas do quadril e pneumonia podem frequentemente ser tratados e controlados. Com tratamento, muitas pessoas com distúrbios crônicos, como diabetes, distúrbios renais e doença arterial coronariana, podem permanecer funcionais, ativas e independentes.

Tabela
icon

Alguns distúrbios que afetam principalmente os idosos

Distúrbio

Descrição

Memória e outras funções mentais são progressivamente perdidas.

A parede da aorta incha. Se não tratado, um aneurisma pode romper-se e levar à morte.

Vaginite e uretrite atrófica

Os tecidos na uretra se afinam, às vezes causando queimação durante a micção. Os tecidos na vagina se afinam, às vezes causando dor durante a micção.

A glândula da próstata aumenta, bloqueando o fluxo da urina para fora da bexiga.

O cristalino do olho escurece, comprometendo a visão.

O corpo não responde à insulina que produz. Este distúrbio pode começar durante a vida adulta. O tratamento com insulina pode não ser necessário.

O nervo óptico é danificado porque a pressão em parte do olho é alta. A visão é progressivamente reduzida, e a cegueira pode ocorrer. O glaucoma normalmente começa durante a vida adulta.

A cartilagem que reveste as articulações se degenera causando dor. A osteoartrite normalmente começa durante a vida adulta.

Os ossos tornam-se menos densos e mais frágeis. Como resultado, as fraturas são mais prováveis.

As células nervosas no cérebro degeneram-se lenta e progressivamente causando tremor, rigidez muscular e dificuldades de movimentos e de manutenção do equilíbrio.

A pele se rasga porque a pressão prolongada reduz o fluxo do sangue à área afetada.

O câncer se desenvolve na glândula prostática e acaba interferindo com o fluxo de urina.

O vírus da varicela de uma infecção anterior é reativado causando bolhas e, às vezes, dor duradoura e excruciante.

Um vaso sanguíneo no cérebro é bloqueado ou se rompe. Um acidente vascular cerebral causa sintomas como fraqueza ou perda de sensibilidade em um dos lados do corpo, problemas de visão em um dos olhos, dificuldade para falar e entender, perda de equilíbrio ou coordenação, ou dor de cabeça severa súbita.

O fluxo de urina não pode ser controlado, resultando em vazamento.

Procurando a fonte da juventude

Todos querem saber como permanecer jovem e viver mais. Os pesquisadores procuram nos genes, células, hormônios, padrões de alimentação, e outros fatores para obterem pistas sobre o que causa o envelhecimento e como preveni-lo ou reduzi-lo. As pesquisas identificaram três estratégias que podem ajudar as pessoas a viverem mais:

  • Seguir certos tipos de dietas

  • Ingerir menos calorias

As pessoas que se exercitam são mais saudáveis do que aquelas que não se exercitam. Os exercícios têm muitos benefícios estabelecidos para a saúde: melhorar e manter a capacidade de fazer atividades diárias, manter um peso saudável, e ajudar a prevenir ou postergar os distúrbios, como doença arterial coronariana, câncer, diabetes, declínio cognitivo e morte precoce. De todos os tipos de exercício, os de resistência (p. ex., caminhar, andar de bicicleta, dançar, nadar e praticar exercícios aeróbicos de baixo impacto) são os que trazem os benefícios de saúde mais bem documentados para idosos. Programas de exercícios mais extenuantes do que caminhar podem incluir qualquer combinação dos quatro tipos de exercícios: resistência, fortalecimento muscular, treinamento de equilíbrio (por exemplo, tai chi) e flexibilidade. Dependendo do estado de saúde da pessoa e do nível de preparo físico, as pessoas devem poder selecionar as atividades que apreciam, mas ser incentivadas a incluir todos os quatro tipos de exercícios.

As pessoas que têm uma dieta de baixo teor de gordura que inclui muitas frutas e verduras são mais saudáveis do que as pessoas que comem mais gordura e amido. Também as pessoas que vivem em países mediterrâneos e consomem a chamada dieta mediterrânea parecem viver mais tempo. Esta dieta é geralmente considerada mais saudável do que as dietas no norte da Europa e dos Estados Unidos porque ela consiste em mais grãos, mais frutas, verduras, legumes, nozes e peixes e menos carne vermelha. Além disso, a principal gordura consumida é o azeite. O azeite contém muitas vitaminas e é monoinsaturado e não saturado. As gorduras monoinsaturadas não aumentam o colesterol da forma como as saturadas o fazem. Atualmente, há evidências em estudos randomizados de que uma dieta mediterrânea reduz ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais, morte cardiovascular e o desenvolvimento de diabetes. Consequentemente, a maioria dos especialistas recomenda a adesão a esta dieta.

Seguir uma dieta baixa em gorduras durante a vida pode levar a uma vida mais longa, possivelmente porque diminui o metabolismo do corpo, reduz o número de certas substâncias prejudiciais no corpo, ou ambos. Essas substâncias prejudiciais, chamadas radicais livres, são subprodutos da atividade normal das células. Acredita-se que o prejuízo às células pelos radicais livres contribua para o envelhecimento e para distúrbios como doença arterial coronariana e câncer. Mas não foram feitos estudos em pessoas para testar se uma dieta de baixo teor calórico poderia prolongar a vida.

Essas três estratégias exigiriam uma mudança importante no estilo de vida para a maior parte das pessoas. Consequentemente, muitas pessoas procuram por outras formas menos exigentes para prevenir ou reduzir o envelhecimento. Por exemplo, eles procuram outras formas para gerenciar os radicais livres. As substâncias chamadas antioxidantes podem neutralizar os radicais livres e, teoricamente, ajudar a prevenir os danos nas células. As vitaminas C e E são antioxidantes. Por isso, algumas pessoas consomem grandes quantidades dessas vitaminas como suplementos na esperança de reduzir o processo de envelhecimento. Outros antioxidantes, como o beta caroteno (uma forma de vitamina A), são às vezes consumidos como suplementos. Em teoria, faz sentido usar antioxidantes para prevenir o envelhecimento. Entretanto, os médicos agora percebem que o corpo às vezes usa os radicais livres de formas benéficas - por exemplo, como parte do sistema de defesa imunológico. Portanto, também há motivos para acreditar que a ingestão de grandes quantidades de antioxidantes pode não ser útil, havendo inclusive evidências de que doses elevadas de vitamina E podem ser prejudiciais. Em qualquer caso, nenhum estudo mostrou que os antioxidantes consumidos como suplementos previnem ou reduzem o envelhecimento. Também há evidências diretas de que os antioxidantes consumidos como suplementos não protegem contra doenças, como ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou câncer, nem aumentam a expectativa de vida. Além disso, não se provou que tais suplementos sejam inofensivos.

Os níveis de alguns hormônios diminuem com a idade. Assim, as pessoas podem tentar retardar ou reduzir o envelhecimento consumindo suplementos desses hormônios. Exemplos são a testosterona, o estrogênio, a DHEA (deidroepiandrosterona), o hormônio do crescimento humano e a melatonina. Mas não há evidência de que os suplementos hormonais tenham qualquer efeito sobre o envelhecimento, e alguns deles têm riscos conhecidos. Alguns especialistas acreditam ainda que a redução em certos níveis hormonais pode, na verdade, prolongar a vida ao reduzir o metabolismo do corpo.

Algumas pessoas acreditam que as práticas orientais como ioga, tai chi e qigong podem prolongar a vida. Essas práticas são baseadas no princípio de que a saúde envolve a pessoa como um todo (físico, emocional, mental e espiritual) e o equilíbrio com o corpo. As práticas podem incluir relaxamento, técnicas de respiração, dieta e meditação, assim como exercícios. Elas são seguras para idosos e provavelmente os fazem sentir-se melhor. Mas se essas práticas prolongam a vida é difícil provar.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Continuidade de cuidados
Vídeo
Continuidade de cuidados

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS