Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Sífilis em recém-nascidos

(Congenital Syphilis)

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última revisão/alteração completa jul 2020| Última modificação do conteúdo jul 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Sífilis é uma infecção causada pela bactéria Treponema pallidum. Ela causa problemas sérios em bebês infectados antes do nascimento.

  • A sífilis é causada por bactérias.

  • Pode haver o desenvolvimento de complicações sérias durante a gravidez.

  • Recém-nascidos podem não ter sintomas ou podem desenvolver sintomas e complicações sérias.

  • O diagnóstico costuma se basear em exames de sangue do recém-nascido e da mãe.

  • Penicilina é usada para tratar a infecção

A sífilis é transmitida pelo contato sexual. No entanto, se uma mulher grávida estiver infectada, seu feto pode ser infectado antes do nascimento se as bactérias que causam a sífilis atravessarem a placenta (o órgão que nutre a feto). Quando o bebê nasce com sífilis, a infecção é chamada sífilis congênita.

Sintomas

É possível a ocorrência de natimorto ou parto prematuro.

Os recém-nascidos podem não apresentar sintomas de sífilis, e alguns recém-nascidos infectados nunca desenvolvem quaisquer problemas durante toda a sua vida. No caso de recém-nascidos sintomáticos, manifestações de sífilis congênita são classificadas como de início precoce ou tardio.

Sífilis congênita precoce começa durante os primeiros 3 meses de vida. Grandes bolhas ou uma erupção cutânea plana de cor de cobre pode se desenvolver nas palmas das mãos e solas dos pés. É possível que nódulos salientes surjam ao redor do nariz e boca na região da fralda. É possível que o recém-nascido não tenha um bom crescimento. Ele pode ter rachaduras ao redor da boca ou secreção de muco, pus ou sangue pelo nariz. Em geral, os linfonodos, fígado e baço ficam aumentados. Raramente, ocorre a inflamação dos olhos ou cérebro, convulsões, meningite ou incapacidade intelectual. Nos primeiros 8 meses de vida, inflamação dos ossos e cartilagens, especialmente de ossos longos e costelas, podem dificultar a movimentação dos bebês o que pode levar os ossos a se desenvolvem de forma incorreta.

Sífilis congênita tardia começa após 2 anos de vida. Feridas podem se formar no nariz e boca e os ossos podem crescer de modo anormal. Problemas oculares podem causar cegueira e a formação de cicatrizes na córnea (a camada transparente na frente da íris e da pupila). Também pode haver problemas com o desenvolvimento de dentes e ossos da face. Surdez pode ocorrer em qualquer idade.

Diagnóstico

  • Sífilis congênita precoce: Exame de material da pele, placenta, e/ou do cordão umbilical; exames de sangue da mãe e do recém-nascido; e, possivelmente, uma punção lombar, outros exames de sangue e radiografias ósseas

  • Sífilis congênita tardia: Exames de sangue da mãe e filho

Sífilis congênita precoce

Em geral, o diagnóstico de sífilis congênita precoce se baseia nos resultados de um exame de sangue da mulher grávida, que é feito rotineiramente no início da gravidez e, frequentemente, repetido no 3rd trimestre e no parto. Se uma mulher grávida tiver sífilis, os médicos suspeitam que seu recém-nascido também deva ter. Para determinar se um recém-nascido nascido a uma mulher infectada tem sífilis, os médicos fazem um exame físico completo e procuram por feridas ou erupção cutânea. Havendo feridas ou erupção cutânea, os médicos coletam amostras e as examinam sob um microscópio a procura das bactérias. Eles também testam a placenta, cordão umbilical e o sangue do recém-nascido para sífilis.

Também deve ser feita uma punção lombar em bebês e crianças pequenas com sintomas de sífilis ou com um exame de sangue positivo, para saber se a infecção envolveu o cérebro. Os médicos também fazem radiografias ósseas para procurar por alterações ósseas que são características da sífilis congênita.

Sífilis congênita tardia

Os médicos suspeitam de sífilis congênita tardia com base no exame físico e nos resultados de exames de sangue da mãe e da criança.

Os médicos examinam as crianças procurando por problemas específicos causados pela infecção. Os problemas específicos incluem inflamação dos olhos, deformidades dos dentes e surdez. O diagnóstico de sífilis congênita tardia é confirmado em crianças com esses problemas específicos.

Prevenção

As mulheres grávidas devem ser rotineiramente testadas para sífilis durante o primeiro trimestre e novamente testadas quando necessário. Em 99% dos casos, o tratamento com penicilina durante a gravidez cura tanto a mãe quanto o feto. No entanto, o tratamento da mãe menos de quatro semanas antes do parto pode não erradicar a infecção do feto.

Tratamento

  • Penicilina

Todas as pessoas que têm sífilis são tratadas com o antibiótico penicilina. Enquanto estiver grávida, mulheres infectadas recebem uma injeção (ou de uma série de injeções) do medicamento em um músculo (via intramuscular) ou, raramente, em uma veia (via intravenosa). Recém-nascidos, bebês e crianças infectadas recebem o medicamento por via intravenosa ou intramuscular.

Colírio de corticosteroide e atropina pode ser administrado para inflamação ocular. As crianças que apresentam perda de audição podem se beneficiar com a penicilina e um corticosteroide administrado por via oral.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS