Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Dor pélvica no início da gestação

Por

Geeta K. Swamy

, MD, Duke University Medical Center;


R. Phillip Heine

, MD, Duke University Medical Center

Última revisão/alteração completa jul 2018| Última modificação do conteúdo ago 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Muitas mulheres têm dor pélvica no início da gestação. Dor pélvica diz respeito à dor na parte mais baixa do tronco, na área abaixo do abdômen e entre os ossos do quadril (bacia). A dor pode ser aguda ou do tipo cólica (como as cólicas menstruais) e pode ficar indo e voltando. Ela pode ser repentina e intensa, surda e constante, ou alguma combinação. Normalmente, a dor pélvica temporária não é um motivo de preocupação. Pode ocorrer normalmente, conforme os ossos e ligamentos mudam e esticam para acomodar o feto.

Se for causada por um distúrbio, é possível que a dor pélvica seja acompanhada por outros sintomas, incluindo sangramento vaginal. Em alguns distúrbios, esses sangramentos podem ser graves, o que, às vezes causa uma queda perigosa da pressão arterial (choque).

Dor pélvica difere da dor abdominal, o que ocorre mais elevada no tronco, na região do estômago e intestino. No entanto, às vezes, a mulher tem dificuldade em discernir se a dor está principalmente situada no abdômen ou na pelve. Causas da dor abdominal durante a gestação não costumam estar relacionadas com a gravidez.

Causas

A dor pélvica no início da gestação pode ser causada por distúrbios que estão relacionados com

  • A gravidez (distúrbios obstétricos)

  • O sistema reprodutor feminino (distúrbios ginecológicos), mas não a gravidez

  • Outros órgãos, principalmente do trato digestivo e do trato urinário

Às vezes, nenhum distúrbio particular é identificado.

As causas obstétricas mais comuns de dor pélvica no início da gestação são

  • Mudanças normais da gravidez

  • Um aborto espontâneo que ocorreu ou está ocorrendo

  • Um aborto espontâneo que possa ocorrer (ameaça de aborto)

Em um aborto espontâneo que tenha ocorrido, todo o conteúdo do útero (feto e placenta) pode ser expelido (aborto completo) ou não (aborto incompleto).

A causa obstétrica grave mais comum da dor pélvica é:

  • A ruptura de uma gravidez em localização anômala, não no local habitual no útero (gravidez ectópica), por exemplo, uma situada em uma das trompas de Falópio

Quando ocorre a ruptura de uma gravidez ectópica, a pressão arterial pode cair muito, o coração pode ficar acelerado e o sangue pode não coagular normalmente. Talvez seja necessário realizar cirurgia imediatamente.

A dor pélvica também pode ocorrer quando o ovário se torce ao redor dos ligamentos e dos tecidos que o sustentam, causando a interrupção do fornecimento de sangue do ovário. Esse quadro clínico, denominado torção anexial, não está relacionado com a gravidez, mas é mais comum durante a gestação. Durante a gestação, os ovários aumentam de tamanho, o que acaba facilitando a torção.

Distúrbios digestivos e do trato urinário, que são causas comuns de dor pélvica, em geral, também são causas comuns durante a gestação. Essas doenças incluem

A dor pélvica no final da gestação pode ser causada por trabalho de parto ou um distúrbio não relacionado à gravidez.

Fatores de risco

Várias características (fatores de risco) aumentam o risco de alguns distúrbios obstétricos que causam dor pélvica.

Os fatores de risco para o aborto espontâneo incluem

  • Idade acima de 35 anos

  • Um ou mais abortos espontâneos em gestações anteriores

  • O uso de drogas, como a cocaína, o consumo de álcool ou consumo de uma grande quantidade de cafeína

  • Anomalias no útero, tais como miomas ou cicatrizes, como aquelas que podem ser causadas ​​por cirurgia, dilatação e curetagem (D e C), radioterapia ou infecções

Os fatores de risco para a gravidez ectópica incluem

Avaliação

Se uma gestante tiver uma dor súbita, muito intensa na parte inferior do abdômen ou pelve, o médico precisa tentar determinar rapidamente se é necessário realizar a cirurgia imediata, como acontece quando a causa é uma gravidez ectópica ou apendicite.

Sinais de alerta

Os seguintes sintomas são motivo de preocupação em gestantes com dor pélvica:

  • Desmaios, tonturas ou um ritmo cardíaco acelerado – sintomas que sugerem a pressão arterial muito baixa

  • Febre e calafrios, sobretudo se acompanhados por secreção vaginal com pus

  • Dor grave e que é agravada com o movimento

Quando consultar um médico

As mulheres com sinais de alerta devem consultar um médico imediatamente.

As mulheres sem sinais de alerta devem tentar ir ao um médico no prazo de um dia ou dois, se elas tiverem dor ou queimação ao urinar ou dor que interfere nas atividades diárias. As mulheres com apenas um leve desconforto e sem outros sintomas devem ligar para o médico. O médico pode ajudá-las a decidir se elas precisam ser vistas e com que rapidez isso deve ocorrer.

O que o médico faz

Para determinar se uma cirurgia de emergência é necessária, o médico primeiramente mede a pressão arterial e a temperatura e faz perguntas sobre os principais sintomas, como sangramento vaginal. Em seguida, o médico faz perguntas sobre outros sintomas e o histórico clínico. Ele também faz um exame físico. O que ele identifica durante a anamnese e o exame físico geralmente sugere uma causa e os exames que talvez sejam necessários (consulte a tabela Algumas causas e características da dor pélvica no início da gestação).

O médico faz perguntas sobre a dor:

  • Se ela começa de maneira súbita ou gradativa

  • Se ele ocorre em um local específico, ou é mais generalizada

  • Se mover ou mudar de posição piora a dor

  • Se ela é do tipo dor de cólica e se é constante ou vai e volta

O médico também faz perguntas sobre:

  • Outros sintomas, como sangramento vaginal, secreção vaginal, necessidade de urinar com frequência ou urgência, vômitos, diarreia e constipação.

  • Eventos anteriores relacionados com gravidez (histórico obstétrico), incluindo gestações anteriores, abortos espontâneos e intencionais (induzidos) por motivos médicos ou outros motivos.

  • Fatores de risco para aborto espontâneo e gravidez ectópica

O exame físico se concentra no exame pélvico. O médico pressiona suavemente o abdômen para ver se a pressão causa dor.

Tabela
icon

Algumas causas e características de dor pélvica no início da gestação

Causa

Características comuns*

Exames

Distúrbios (obstétricos) relacionados com a gravidez

Uma gravidez ectópica (uma gravidez em localização anômala, não no local habitual no útero)

Dor abdominal ou pélvica que

  • Costuma ser súbita e constante (não é uma dor do tipo cólica)

  • Começa em um ponto específico

  • Pode ou não estar acompanhada de sangramento vaginal

Se a gravidez ectópica tiver se rompido, possivelmente, desmaios, tonturas ou um coração acelerado

Um exame de sangue para medir um hormônio produzido pela placenta (gonadotrofina coriônica humana, ou hCG)

Ultrassonografia da pelve

Às vezes, laparoscopia (inserção de um tubo de visualização através de uma incisão no abdômen) ou laparotomia (cirurgia que envolve uma incisão no abdômen)

  • Ocorreu ou está ocorrendo (aborto espontâneo)

  • Talvez venha a ocorrer (ameaça de aborto)

Dor do tipo cólica na pelve e, muitas vezes, por todo o abdômen

Muitas vezes, o sangramento vaginal, por vezes, com a passagem do tecido a partir do feto

Exames como aqueles para gravidez ectópica

Aborto séptico (infecção do conteúdo do útero antes, durante ou depois de um aborto espontâneo)

Geralmente em mulheres que tiveram um aborto (frequentemente feito por pessoas não qualificadas ou pela própria mulher)

Febre e calafrios, dor abdominal ou pélvica constante, e secreção vaginal que contém pus

Ultrassonografia da pelve

As culturas de uma amostra feita a partir do colo do útero (a parte inferior do útero)

As mudanças normais da gravidez, incluindo o alongamento e o crescimento do útero no início da gestação

Uma sensação de cólica ou queimação na parte inferior do abdômen, pelve e/ou parte inferior das costas

Ultrassonografia da pelve

Distúrbios ginecológicos não relacionados à gravidez

Degeneração de um mioma no útero

Dor pélvica que

  • Começa de repente

  • É muitas vezes acompanhada de náuseas, vômitos e febre

Às vezes, sangramento vaginal

Ultrassonografia da pelve

A torção anexial (torção) de um ovário

Dor pélvica que

  • Começa de repente

  • Pode ser do tipo cólica e costuma ser leve se o ovário se destorce por conta própria

Muitas vezes, náuseas ou vômitos

Ultrassonografia com Doppler (para avaliar o fluxo de sangue para e do ovário)

Às vezes, laparoscopia ou laparotomia

A ruptura de um cisto de corpo lúteo (que se desenvolve na estrutura que libera o óvulo após o óvulo ser liberado)

Dor abdominal ou pélvica que

  • Ocorre em um local específico

  • Às vezes, se assemelha a dor devido a um ovário torcido

  • Geralmente começa de repente

Sangramento vaginal

Ultrassonografia da pelve

Às vezes, laparoscopia ou laparotomia

Doença inflamatória pélvica (que não costuma ocorrer durante a gestação)

Dor pélvica que

  • É contínua

  • Costuma surgir gradativamente

  • Normalmente, ocorre em ambos os lados

Uma secreção vaginal que contém pus

Às vezes, febre ou calafrios

Mais comum entre as mulheres que têm relações sexuais com novos parceiros e não usam preservativos ou diafragmas

As culturas de uma amostra feita a partir do colo do útero

Às vezes, ultrassonografia da pelve

Outras doenças

Geralmente dor contínua e sensibilidade na parte inferior direita do abdômen

Possivelmente a dor em um local diferente (por exemplo, mais acima no abdômen) ou um tipo diferente de dor (menos intensa e do tipo cólica) que em mulheres que não estão grávidas

As culturas de uma amostra feita a partir do colo do útero

Ultrassonografia da pelve e abdômen

Possivelmente TC se a ultrassonografia é inconclusiva

Desconforto sentido na área acima do osso púbico

Muitas vezes, ardor ao urinar, vontade de urinar muitas vezes (frequência), e uma necessidade de urinar imediatamente (urgência)

Às vezes, sangue na urina

Exames de urina (urinálise) e cultura

Dor que

  • Pode ser do tipo cólica ou constante

  • Pode ocorrer em vários locais

Muitas vezes, diarreia, que às vezes contém muco ou sangue

Geralmente em mulheres com a doença

Às vezes, a endoscopia do trato digestivo superior, do trato digestivo inferior (sigmoidoscopia ou colonoscopia) ou ambos

Bloqueio intestinal (obstrução intestinal)

Cólicas que vão e voltam

Vômitos

Não evacuações ou gases (flatulência)

Um abdômen inchado

Geralmente em mulheres que tiveram a cirurgia abdominal

As culturas de uma amostra feita a partir do colo do útero

Ultrassonografia da pelve e abdômen

Possivelmente TC se a ultrassonografia é inconclusiva

Geralmente, vômitos e diarreia

Exame médico

*As características incluem sintomas e resultados do exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

Um exame de gravidez de urina costuma ser feito se a mulher fez apenas um exame de gravidez em casa. Uma vez que uma gravidez ectópica pode ser muito perigosa, são realizados exames para tentar detectar gravidez ectópica na maioria das gestantes com dor pélvica, a menos que os sintomas indiquem claramente a presença de outro distúrbio (por exemplo, gastroenterite).

TC= tomografia computadorizada.

Exames

O médico usa um aparelho de ultrassonografia com Doppler portátil, colocado no abdômen da mulher, para verificar se há batimento cardíaco no feto.

Um exame de gravidez usando uma amostra de urina é quase sempre feito. Se o exame de gravidez positivo, a ultrassonografia da pelve é feita para confirmar que a gravidez está normalmente localizada no útero, em vez de em outro lugar (gravidez ectópica). Para esse exame, um dispositivo de ultrassonografia portátil é colocado sobre o abdômen, no interior da vagina ou ambos.

Os exames de sangue geralmente são feitos. Se uma mulher tem sangramento vaginal, os exames geralmente incluem um hemograma completo e exame de tipo de sangue mais fator Rh (positivo ou negativo), no caso de a mulher precisar de uma transfusão. Saber o fator Rh também ajuda o médico a evitar problemas em gestações seguintes.

Se o médico suspeitar de uma gravidez ectópica, o exame inclui também um exame de sangue para medir um hormônio produzido pela placenta durante o início da gestação (gonadotrofina coriônica humana, ou hCG). Caso os sintomas (por exemplo, pressão arterial muito baixa ou coração acelerado) sugiram que uma gravidez ectópica talvez tenha se rompido, exames de sangue são realizados para determinar se o sangue da mulher consegue coagular normalmente.

Outros exames são feitos de acordo com suspeita de distúrbio. A ultrassonografia com Doppler, que mostra a direção e a velocidade do fluxo de sangue, ajuda o médico a identificar um ovário torcido, que pode interromper o fornecimento de sangue do ovário. Outros exames podem incluir culturas de sangue, urina ou secreção vaginal e exames de urina (urinálise) para verificar se há infecções.

Se a dor é persistente e incômoda e a causa permanece desconhecida, o médico faz uma pequena incisão logo abaixo do umbigo e insere um tubo de visualização (laparoscópio) para ver diretamente o útero e, assim, identificar a causa da dor. Raramente, uma incisão maior (procedimento chamado de laparotomia) é necessária.

Tratamento

Distúrbios específicos são tratados. Caso haja necessidade de analgésicos, o paracetamol é o mais seguro para as gestantes, mas se for ineficaz, um opioide talvez seja necessário.

Dor decorrente de alterações normais durante a gestação

A mulher talvez seja aconselhada a

  • Limitar o movimento, mas a se movimentar com frequência.

  • Evitar levantar ou empurrar peso.

  • Manter uma boa postura.

  • Dormir com um travesseiro entre os joelhos.

  • Descansar o máximo possível com as costas bem apoiadas.

  • Aplicar calor nas áreas doloridas.

  • Fazer exercícios de Kegel (apertando e soltando os músculos ao redor da vagina, uretra e reto).

  • Usar cinto de suporte de maternidade.

  • Possivelmente tentar a acupuntura.

Pontos-chave

  • Dor pélvica no início da gestação geralmente é causada por mudanças que ocorrem normalmente durante a gestação.

  • Às vezes, ela é causada por distúrbios que podem estar relacionados à gravidez, aos órgãos reprodutores femininos, mas não à gravidez ou a outros órgãos.

  • A primeira prioridade do médico é identificar distúrbios que precisam de cirurgia de emergência, como uma gravidez ectópica ou apendicite.

  • A ultrassonografia geralmente é feita.

  • Medidas gerais (como descanso e aplicação de calor) podem ajudar a aliviar a dor, devido às alterações normais durante a gestação.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Amamentação
Vídeo
Amamentação
O seio externo é formado pelo mamilo e pela aréola. A ponta do mamilo contém diversos orifícios...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Conteúdo da pelve feminina
Modelo 3D
Conteúdo da pelve feminina

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS