Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Depressão pós-parto

(Depression After Delivery)

Por

Julie S. Moldenhauer

, MD, Children's Hospital of Philadelphia

Última revisão/alteração completa mai 2020| Última modificação do conteúdo mai 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

A depressão pós-parto é uma sensação de extrema tristeza e distúrbios psicológicos relacionados que ocorrem durante as primeiras semanas ou meses depois do parto.

  • A mulher que já teve depressão tem mais propensão a ter depressão pós‑parto.

  • A mulher se sente extremamente triste, chora, fica irritável e temperamental e talvez perca o interesse pelas atividades diárias e pelo bebê.

  • A mulher deve consultar um médico se continuar a se sentir triste e com dificuldade de realizar as atividades normais por mais de duas semanas após o parto ou se tiver pensamentos sobre machucar a si própria ou o bebê.

  • Uma combinação de psicoterapia e antidepressivos é recomendada para mulheres com depressão pós-parto.

A tristeza após o parto, um sentimento de tristeza ou melancolia durante os 3 dias após o nascimento do bebê, é comum. A mulher não deve se preocupar muito com esses sentimentos, porque eles costumam desaparecer depois de duas semanas.

A depressão pós-parto é uma mudança de humor mais grave. Ela dura por semanas ou meses e interfere nas atividades diárias. Aproximadamente 10 a 15% das mulheres são afetadas. Muito raramente, surge um distúrbio mais grave chamado de psicose pós‑parto.

Causas

As causas da tristeza ou da depressão pós-parto são desconhecidas; porém, os seguintes fatores podem contribuir ou aumentar o risco:

  • melancolia pós-parto

  • Depressão antes ou durante a gestação

  • Depressão pós-parto em uma gestação anterior

  • Episódios de tristeza ou depressão ocorridos durante certos momentos do mês (relacionados ao ciclo menstrual) ou ao tomar contraceptivos orais

  • Parentes próximos com depressão (histórico familiar)

  • Tensões como problemas conjugais, ter um companheiro desempregado, dificuldades financeiras ou não ter um companheiro

  • Falta de suporte de um companheiro ou familiares

  • Problemas relacionados à gestação (como parto prematuro ou um bebê com defeitos congênitos)

  • Ambivalência sobre a gestação atual (por exemplo, por não ter sido planejada ou a mulher ter considerado encerrar a gestação)

  • Problemas com a amamentação

A redução repentina nos níveis hormonais (por exemplo, estrogênio, progesterona e hormônios tireoidianos) que ocorre após o parto, além da privação de sono, possivelmente contribui para o surgimento da depressão pós-parto. Além disso, é possível que haja o envolvimento de um gene que faz com que a mulher seja mais suscetível à depressão pós-parto.

A mulher que tenha tido depressão antes da gravidez deve informar o médico ou a parteira. Essa depressão costuma evoluir para depressão pós-parto. A depressão durante a gestação é comum e um fator de risco importante para depressão pós-parto.

Sintomas

Normalmente, os sintomas da depressão pós-parto aparecem gradativamente ao longo de um período de três meses, mas eles também podem ter início mais subitamente. A depressão pós-parto interfere com a capacidade da mulher de cuidar de si mesma e do bebê.

Os sintomas da depressão pós-parto podem incluir

  • Tristeza extrema

  • Choro incontrolável e frequente

  • Oscilações do humor

  • Irritabilidade e raiva

Os sintomas menos comuns incluem:

  • Fadiga extrema

  • Problemas de sono (excesso ou falta)

  • Dores de cabeça e dores no corpo

  • Perda de interesse por sexo e outras atividades

  • Ansiedade ou ataques de pânico

  • Perda ou excesso de apetite

  • Dificuldade de realizar as atividades diárias

  • Falta de interesse ou preocupações infundadas sobre o bebê

  • Uma sensação de ser incapaz de cuidar do bebê ou de ser uma mãe inadequada

  • Culpa sobre ter esses sentimentos

  • Medo de machucar o bebê

  • Ideação suicida

É possível que a mulher não forme laços afetivos com o bebê. Assim, a criança pode ter problemas emocionais, sociais e cognitivos mais tarde.

Na psicose pós-parto, a depressão pode estar associada a pensamentos suicidas ou violentos, alucinações ou comportamentos estranhos. Às vezes a psicose pós-parto inclui o desejo de machucar o bebê.

O pai também pode ficar deprimido, e a tensão conjugal pode aumentar.

Sem tratamento, a depressão pós-parto pode durar meses ou anos. Aproximadamente uma em cada três ou quatro mulheres que tiveram depressão pós-parto terá novamente.

icon

Preventing Depression After Delivery

A mulher pode tomar medidas para combater os sentimentos de tristeza após ter tido um bebê:

  • Descansar o máximo possível, por exemplo, cochilando quando o bebê estiver dormindo

  • Não tentar fazer tudo, por exemplo, não tentar manter a casa impecável e preparar comidas caseiras o tempo todo

  • Pedir ajuda de familiares e amigos

  • Conversar com alguém (marido ou companheiro, familiares ou amigos) sobre os sentimentos.

  • Tomar banho e vestir-se todos os dias

  • Sair de casa com frequência, por exemplo, para realizar uma tarefa, encontrar-se com amigos, dar uma caminhada

  • Passar tempo sozinha com o marido ou companheiro

  • Conversar com outras mães sobre experiências e sentimentos em comum

  • Participar de um grupo de apoio para mulheres com depressão

  • Reconhecer que fadiga, dificuldade de concentração e dúvidas sobre ser uma mãe são normais em mães que acabaram de ter um bebê e que esses efeitos costumam passar

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

Diagnóstico e tratamento precoces da depressão pós-parto são importantes para a mãe e o bebê. A mulher deve consultar um médico se continuar a se sentir triste e com dificuldade de realizar as atividades normais por mais de duas semanas após o parto ou se tiver pensamentos sobre machucar a si própria ou o bebê. Se familiares e amigos observarem os sintomas, devem conversar com a mulher e incentivá-la a conversar com um médico.

Quando a mulher vai ao médico para sua visita pós-parto, é possível que ele peça a ela para responder a um questionário que foi concebido para identificar a presença de depressão e ansiedade. Se a mulher estiver deprimida, é possível que ele também faça exames de sangue para determinar se um distúrbio, como, por exemplo, da tireoide, está causando os sintomas.

Did You Know...

  • A mulher deve consultar um médico imediatamente se continuar a se sentir triste e com dificuldade de realizar as atividades normais por mais de duas semanas após o parto ou se tiver pensamentos sobre ferir a si própria ou ao bebê.

Tratamento

  • Psicoterapia

  • Antidepressivos

Se a mulher se sentir triste, o apoio dos familiares e amigos é, geralmente, tudo de que ela precisa. Mas se for diagnosticada uma depressão, também é necessária ajuda profissional. Em geral, uma combinação de psicoterapia e antidepressivos é recomendada.

Exercícios, fototerapia (terapia com luz), massagem e suplementos de ácidos graxos ômega 3 também podem ajudar. A fototerapia envolve sentar-se a uma distância específica de uma caixa de luz que emite luz na intensidade recomendada. A pessoa deve permanecer em frente da luz por, no mínimo, 30 minutos, mas não deve olhar diretamente para a luz. A fototerapia pode ser realizada em casa.

A mulher com psicose pós-parto talvez precise ser internada no hospital, preferencialmente em uma unidade supervisionada que permita que o bebê fique com ela. Talvez seja necessário administrar medicamentos antipsicóticos, além de antidepressivos.

A mulher que esteja amamentando deve consultar o médico antes de tomar qualquer medicação para determinar se pode continuar a amamentar (consulte Uso de medicamentos/drogas durante a amamentação). Muitos desses medicamentos (como a sertralina e a paroxetina) permitem que a mulher continue amamentando.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS