Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Natimorto

(Óbito fetal)

Por

Antonette T. Dulay

, MD, Main Line Health System

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Natimorto é a morte de um feto após 20 semanas de gestação.

Complicações da gravidez são problemas que ocorrem apenas durante a gestação. Elas podem afetar a mulher, o feto ou ambos e surgir várias vezes durante a gestação. No entanto, a maioria das complicações da gravidez pode ser tratada. Ter um natimorto aumenta o risco de morte do feto em gestações seguintes.

Se um feto morrer no final da gestação ou próximo do período final, mas permanecer no útero por semanas, é possível que surja um distúrbio da coagulação que pode causar hemorragia grave (um quadro clínico denominado coagulação intravascular disseminada).

Causas

Um natimorto pode ser causado por um problema na mulher, na placenta ou no feto. Às vezes, a causa de o bebê ser natimorto é desconhecida.

O feto pode morrer quando a mulher tem determinados quadros clínicos, tais como

Às vezes, o feto morre quando ele tem um problema, tais como

Problemas com a placenta também podem causar a morte do feto. Esses problemas podem incluir:

  • Ruptura prematura da placenta (quando a placenta se desprende do útero precocemente)

  • O prolapso do cordão umbilical (quando o cordão sai da vagina antes do bebê)

  • Quadros clínicos que reduzem o fluxo sanguíneo (e, assim, oxigênio e nutrientes) para o feto

  • Hemorragia

  • Vasa prévia (quando as membranas que contêm os vasos sanguíneos conectando o cordão umbilical à placenta estão atravessando a abertura do colo do útero ou próximos a ela)

  • Outros problemas com o cordão umbilical (como um nó)

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Exames para identificar a causa

O médico pode suspeitar que o feto está morto se ele parar de se mover, embora os movimentos muitas vezes diminuam, à medida que o feto em crescimento tenha menos espaço para movimentar-se. Geralmente são realizados exames para avaliar o feto. Esses exames incluem:

  • Uma cardiotocografia: A frequência cardíaca do feto é monitorada enquanto o feto está parado e enquanto se movimenta. Para esse exame, o médico utiliza um dispositivo ligado ao abdome da mulher.

  • Perfil biofísico: Uma ultrassonografia é utilizada para produzir imagens do feto em tempo real e o feto é observado. Esse exame permite que o médico avalie a quantidade de líquido amniótico e examine o feto quanto à presença de respiração rítmica, movimento e tônus muscular durante intervalos.

Para tentar identificar a causa, o médico faz exames de sangue e genéticos (como exames para detectar infecções, diabetes, distúrbios da tireoide e síndrome do anticorpo antifosfolipídeo). O médico também recomenda uma avaliação do feto para detectar possíveis causas, como infecções e anomalias cromossômicas. A placenta e o útero são examinados. Frequentemente, a causa não pode ser determinada.

Tratamento

  • Caso necessário, medicamentos para expelir o feto e procedimentos para remover tecido que eventualmente tenha permanecido no útero

  • Apoio emocional e psicoterapia

Se o feto morto não for expelido, é possível que a mulher receba prostaglandina (um medicamento à base de hormônios que estimula a contração do útero) como, por exemplo, o misoprostol, para fazer com que o colo do útero se abra (se dilate). Depois disso, ela normalmente recebe ocitocina, um medicamento que estimula o trabalho de parto, dependendo de quão avançada está a gestação.

Se qualquer tecido do feto ou da placenta permanecer no útero, uma curetagem por sucção é realizada para removê-lo. Nos estágios mais avançados da gestação (por exemplo, depois de 12 a 14 semanas), uma dilação e evacuação (D e E) possivelmente será feita para remover o feto morto. Antes de realizar uma D e E, é possível que o médico use substâncias naturais que absorvem líquidos (por exemplo, caules de algas marinhas secas) ou um medicamento (por exemplo, o misoprostol) para ajudar a abrir o colo do útero.

Os cuidados para a mulher que teve um natimorto são os mesmos que costumam ser administrados após o parto de um bebê (cuidados pós-parto).

Caso a mulher apresente coagulação intravascular disseminada, ela recebe transfusões de sangue conforme necessário.

As mudanças que ocorrem em mulheres após o natimorto são similares às que ocorrem após um aborto. Geralmente, a mulher sente o luto pela perda e precisa receber apoio emocional e, às vezes, psicoterapia.

Se há probabilidade de uma futura gravidez resultar em um natimorto, depende da causa.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Gravidez ectópica
Vídeo
Gravidez ectópica
Durante a ovulação, um óvulo é lançado de um ovário da mulher a cada mês. Fímbrias, pequenas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Conteúdo da pelve feminina
Modelo 3D
Conteúdo da pelve feminina

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS