Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Câncer da trompa de Falópio

Por

Pedro T. Ramirez

, MD, The University of Texas MD Anderson Cancer Center;


Gloria Salvo

, MD, MD Anderson Cancer Center

Última revisão/alteração completa set 2020| Última modificação do conteúdo set 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O câncer da trompa de Falópio surge nas trompas que fazem a ligação entre os ovários e o útero.

  • A maioria dos casos de câncer que afetam as trompas de Falópio se disseminou a partir de outras partes do corpo.

  • Inicialmente, a mulher pode ter sintomas vagos, como desconforto abdominal ou inchaço, ou nenhum sintoma.

  • Uma tomografia computadorizada é realizada para verificar quanto à presença de alterações e uma cirurgia é realizada para confirmar o diagnóstico.

  • Normalmente, o útero, os ovários, as trompas de Falópio, os linfonodos adjacentes e tecidos circundantes são removidos, seguido por quimioterapia

Nos Estados Unidos, menos de 1% dos casos de câncer ginecológico são câncer da trompa de Falópio. É raro o câncer que se origina nas trompas de Falópio. A maioria dos casos de câncer que afetam as trompas de Falópio se origina em outras partes do corpo.

Localização dos órgãos reprodutores femininos internos

Via da vagina aos ovários

Em geral, a mulher já está na pós-menopausa quando o câncer da trompa de Falópio é diagnosticado.

Os fatores de risco para o câncer da trompa de Falópio incluem:

  • Idade avançada

  • Inflamação de longo prazo (crônica) das trompas de Falópio (salpingite crônica)

  • infertilidade

Mais de 95% dos casos de câncer da trompa de Falópio são adenocarcinomas, o que significa que se desenvolvem a partir de células da glândula. Alguns são sarcomas, que se desenvolvem a partir do tecido conjuntivo.

O câncer da trompa de Falópio se dissemina quase do mesmo modo que o câncer de ovário:

  • Geralmente, diretamente para as áreas circundantes

  • Por meio da descamação de células cancerosas para dentro da cavidade abdominal

  • Por meio do sistema linfático até outras partes da pelve e do abdômen, podendo chegar a partes distantes do corpo

Sintomas do câncer da trompa de Falópio

Os sintomas do câncer das trompas de Falópio incluem leve desconforto abdominal, inchaço e dor na região pélvica ou abdominal. Algumas mulheres têm uma secreção vaginal líquida. Quando o câncer for avançado, é possível que a cavidade abdominal fique cheia de líquido (um quadro clínico denominado ascite) e a mulher pode sentir um nódulo grande (massa) na pelve.

Diagnóstico do câncer da trompa de Falópio

  • Tomografia computadorizada

  • Cirurgia para confirmar o diagnóstico

O câncer da trompa de Falópio raramente é diagnosticado precocemente. Ocasionalmente, é diagnosticado cedo, quando um peso ou outra anomalia é detectado durante um exame pélvico de rotina ou um exame de diagnóstico por imagem feito por outro motivo. Geralmente, o câncer não é diagnosticado até que esteja num estágio avançado e evidente pela presença de uma massa grande ou ascite grave.

Uma tomografia computadorizada (TC) geralmente é realizada se houver suspeita de câncer da trompa de Falópio. Se os resultados sugerirem a existência de câncer, uma cirurgia é feita para confirmar o diagnóstico, determinar o grau da disseminação (estadiamento) e remover o máximo possível do câncer.

Os médicos recomendam que toda mulher que for diagnosticada com câncer da trompa de Falópio (ou de ovário) realize exames genéticos. O médico também pergunta sobre quais tipos de câncer as pessoas da família tiveram. Essa informação ajuda os médicos a identificar mulheres que são mais propensas a ter uma forma hereditária de câncer, como aquele causado por mutações nos genes BRCA.

Estadiamento

O médico determina o estágio do câncer com base no grau de disseminação:

  • Estágio I: O câncer ocorre apenas em uma ou em ambas as trompas de Falópio.

  • Estágio II: O câncer se disseminou até os tecidos adjacentes, mas ainda está dentro da pelve (que contém os órgãos reprodutores internos, a bexiga e o reto).

  • Estágio III: O câncer se disseminou para fora da pelve, chegando aos linfonodos e/ou aos órgãos abdominais (tais como a superfície do fígado).

  • Estágio IV: O câncer se disseminou até órgãos distantes.

O estadiamento do câncer da trompa de Falópio exige a realização de cirurgia para coletar amostras para biópsia de áreas anômalas e para remover e examinar os linfonodos adjacentes.

Prognóstico do câncer da trompa de Falópio

O prognóstico para mulheres com câncer da trompa de Falópio é parecido com o prognóstico para mulheres com câncer de ovário. O prognóstico depende do estágio do câncer e da idade da mulher.

As porcentagens de mulheres que continuam vivas cinco anos após o diagnóstico e tratamento (a taxa de sobrevida de cinco anos) são

  • Estágio I: Aproximadamente 90% a 95%

  • Estágio II: Aproximadamente 70% a 80%

  • Estágio III: Aproximadamente 50% a 60%

  • Estágio IV: Aproximadamente 20%

Tratamento do câncer da trompa de Falópio

  • Geralmente, remoção do útero, dos ovários, das trompas de Falópio, dos linfonodos adjacentes e dos tecidos circundantes

  • Às vezes, remoção de todos os tecidos que parecem estar afetados (cirurgia citorredutora)

  • Quimioterapia

O tratamento do câncer da trompa de Falópio quase sempre consiste na remoção do útero (histerectomia Histerectomia O câncer do útero se desenvolve no revestimento do útero (endométrio), portanto também é chamado de câncer de endométrio. O câncer de endométrio geralmente... leia mais Histerectomia ) e na remoção dos ovários e das trompas de Falópio (salpingo-ooforectomia), dos linfonodos adjacentes e dos tecidos circundantes. Esses procedimentos costumam ser realizados quando a cirurgia para determinar o estágio do câncer é realizada. Às vezes, a cirurgia para determinar o estágio do câncer e para tratar o câncer das trompas de Falópio pode ser feito com um laparoscópio Laparoscopia A laparoscopia é um exame da cavidade abdominal que utiliza um instrumento de fibra óptica inserido através da parede abdominal. Ela é procedimento cirúrgico realizado em um centro cirúrgico... leia mais .

No caso de câncer mais avançado que tenha se disseminado até outras partes do corpo, o médico geralmente remove o máximo possível do câncer para prolongar a sobrevida. Esse tipo de cirurgia é denominado cirurgia citorredutora. Dependendo da região para onde o câncer tenha se espalhado, a mulher pode ser tratada com quimioterapia, em vez de cirurgia, ou antes e após a cirurgia.

Quimioterapia (da mesma maneira que no câncer de ovário Tratamento O câncer de ovário, que normalmente começa na superfície dos ovários, geralmente não é diagnosticado até estar avançado. Às vezes, o câncer de ovário... leia mais ) geralmente é necessária após a cirurgia. É possível que seja utilizada quimioterapia para destruir pequenas áreas de câncer que possam ter permanecido. Os medicamentos quimioterápicos utilizados com mais frequência são carboplatina mais paclitaxel. Radioterapia raramente é útil.

No caso de câncer que se disseminou até outras partes do corpo, a remoção de o máximo possível do câncer melhora o prognóstico.

Mais informações

O seguinte é um recurso em inglês que pode ser útil. Vale ressaltar que o MANUAL não é responsável pelo conteúdo deste recurso.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS