Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link
Fusão da medula lombar
Fusão da medula lombar
Fusão da medula lombar

Os discos intervertebrais compõem um quarto da coluna vertebral e agem como um sistema de absorção de impacto da coluna vertebral, protegendo as vértebras, a medula espinhal e outras estruturas. No entanto, algumas vezes, esses discos se degeneram e tornam-se finos, fazendo com que as vértebras que os suportam se aproximem e comprimam os nervos que saem por entre elas.

Em casos graves, esses discos são removidos e substituídos por enxertos ósseos da pélvis. A isso, dá-se o nome de fusão vertebral. Muitos médicos optam por aproximar os discos comprometidos a partir da parte dianteira, primeiramente retraindo o intestino e outros órgãos para revelar a coluna vertebral. O disco comprometido é, então, removido. As aberturas ligeiramente mais largas do que o disco removido são perfuradas na vértebra circundante. Pinos de titânio, ou malhas, são preenchidos com o enxerto ósseo da região pélvica e inseridos nos orifícios. Células especializadas chamadas osteócitos dentro desse osso produzem um novo osso e ajudam na cicatrização do local. As aberturas nessas malhas permitem que o osso cresça ao redor delas. Além disso, esses pinos fornecem apoio e estrutura enquanto o osso está cicatrizando.

Radiografias repetidas da coluna vertebral devem ser realizadas após 6 semanas, 3 meses, 6 meses, 1 ano e 2 anos para garantir que o novo osso está cicatrizando adequadamente.

Nesses tópicos
Dor lombar