Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Luxação do quadril

Por

Danielle Campagne

, MD, University of San Francisco - Fresno

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

As luxações do quadril ocorrem quando a cabeça em forma de esfera do osso da coxa (fêmur) salta para fora do encaixe arredondado do osso do quadril (pélvis).

  • Geralmente, os quadris sofrem luxação quando uma força intensa atinge um joelho flexionado e empurra a cabeça do fêmur para trás, por exemplo, quando um joelho atinge o painel do carro durante um acidente.

  • As pessoas com luxação do quadril muitas vezes têm outras lesões.

  • O quadril fica muito dolorido e geralmente as pessoas não conseguem mover a perna.

  • Os médicos diagnosticam essas luxações examinando o quadril e tirando radiografias.

  • Tipicamente, os médicos conseguem recolocar o quadril no lugar sem cirurgia, tipicamente depois de administrar medicamentos à pessoa para tornar o procedimento mais tolerável.

Na maioria das luxações do quadril, a cabeça do fêmur é empurrada para trás – chamado luxação posterior do quadril. Essas luxações geralmente ocorrem quando o joelho e o quadril estão flexionados (como ao sentar) e uma força intensa atinge o joelho. Uma causa comum é bater o joelho contra o painel de um carro em uma colisão. Também podem ocorrer luxações do quadril também quando as pessoas caem de um local alto (como uma escada) ou praticam um esporte de contato (como futebol e rúgbi). Em pessoas idosas, é necessário muito menos força para deslocar um quadril.

A força que causa a luxação no quadril muitas vezes também causa outras lesões. Por exemplo, quando uma luxação do quadril resulta de uma queda ou de uma lesão atlética, a pélvis, o joelho ou as pernas podem sofrer fratura e as costas ou a cabeça podem ser lesionadas.

Às vezes, as crianças nascem com uma luxação ou malformação do quadril (o que é chamado displasia do quadril). Se a displasia do quadril não for detectada antes das crianças começarem a andar, elas podem não andar normalmente, e o quadril pode não se desenvolver normalmente.

Quando há luxação do quadril, os ossos podem sofrer fraturas, e os nervos, incluindo o nervo ciático (consulte Ciática), podem ser lesionados. Pode haver interrupção do fornecimento de sangue para a cabeça do fêmur, causando a necrose do tecido ósseo (chamado osteonecrose).

Uma articulação artificial do quadril também pode sofrer luxação. Às vezes, luxação ocorre depois de uma lesão, mas ela pode ocorrer enquanto as pessoas estiverem exercendo suas atividades diárias, até mesmo cruzando as pernas.

Sintomas

As luxações no quadril são muito dolorosas. As pessoas geralmente não conseguem mover a perna.

Quando o fêmur é empurrado para trás, a perna afetada parece menor e vira para dentro.

Quando o fêmur é empurrado para frente, a perna vira para fora. Ela parece mais curta, mas não de forma tão evidente como quando o fêmur é empurrado para trás.

Se os nervos forem danificados, partes do pé e do tornozelo podem ficar dormentes.

Diagnóstico

  • Radiografias

Se as pessoas acharem que seu quadril sofreu luxação, elas não devem ser movidas. Elas devem ser levadas ao pronto-socorro, geralmente de ambulância.

Geralmente os médicos conseguem identificar uma luxação do quadril ao examinar a área. São tiradas radiografias para confirmar o diagnóstico e verificar se há fraturas.

Tratamento

  • Manobras para recolocar o quadril no lugar

  • Possivelmente repouso na cama ou imobilização por um curto período

  • Fisioterapia

Se não houver outras lesões, os médicos recolocam o quadril no lugar (chamado redução) o quanto antes. Qualquer atraso aumenta o risco de necrose do tecido ósseo. Geralmente, não é necessário realizar cirurgia.

Antes da redução do quadril, as pessoas recebem um sedativo (geralmente pela veia), analgésico e relaxante muscular, mas elas podem permanecer conscientes. Ou elas podem necessitar de anestesia geral (que as deixa inconscientes) ou de um anestésico injetado ao redor da medula espinhal para que fiquem anestesiadas da cintura para baixo.

Uma das diversas manobras pode ser utilizada para colocar o quadril de volta no lugar. Em uma manobra (técnica Captain Morgan), a pessoa deita de barriga para cima, geralmente sobre uma mesa rígida no chão. O quadril da pessoa fica preso à mesa por um lençol ou um cinto e o profissional dobra cuidadosamente o joelho da pessoa, movendo-o até acima da articulação do quadril. O profissional então coloca o seu próprio joelho sob o joelho da pessoa e o levanta, enquanto empurra o tornozelo da pessoa para baixo.

Redução de uma luxação de quadril: Técnica de Captain Morgan

Para esta técnica, a pessoa deita de barriga para cima, geralmente sobre uma mesa rígida no chão. O quadril da pessoa fica preso à mesa por um lençol ou um cinto e o profissional dobra cuidadosamente o joelho da pessoa, movendo-o até acima da articulação do quadril. O profissional então coloca o seu próprio joelho sob o joelho da pessoa e o levanta, enquanto empurra o tornozelo da pessoa para baixo.

Redução de uma luxação de quadril: Técnica de Captain Morgan

Depois da redução, é feita uma tomografia computadorizada (TC) para ver se há fraturas e detritos ou fragmentos de ossos ou cartilagem na articulação. Se algo for encontrado, os médicos consultam um cirurgião ortopedista para saber se é necessária uma cirurgia.

Se não houver fraturas, detritos ou fragmentos, a maioria das pessoas com uma luxação de quadril posterior recebe alta e deve usar muletas. Elas são orientadas de que o pé do lado da lesão pode tocar o chão — para ajudar com o equilíbrio, por exemplo — mas a não colocar peso sobre ele.

São necessárias consultas de revisão com o ortopedista. As pessoas não devem exercer peso no pé até que o ortopedista autorize.

A maioria das pessoas consegue andar sem muletas em mais ou menos uma semana. As pessoas com certos tipos de luxações podem precisar usar muletas por mais tempo ou, em casos raros, permanentemente.

O repouso na cama não é recomendado, pois aumenta o risco de complicações como coágulos de sangue.

Se houver outras lesões, pode ser necessária uma cirurgia para repará-las.

Logo depois da cirurgia para luxação de quadril, um fisioterapeuta geralmente exercita delicadamente a articulação da pessoa (chamado exercício passivo), às vezes usando um aparelho de movimento passivo contínuo.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Cotovelo de tenista
Vídeo
Cotovelo de tenista
O sistema esquelético é o arcabouço do corpo. Ele confere formato ao corpo, protege órgãos...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecidos conjuntivos do joelho
Modelo 3D
Tecidos conjuntivos do joelho

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS