Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Tricomoníase

Por

Sheldon R. Morris

, MD, MPH, University of California San Diego

Última revisão/alteração completa abr 2020| Última modificação do conteúdo abr 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos

A tricomoníase é uma doença sexualmente transmissível da vagina ou da uretra causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis e que causa irritação e secreção vaginais e, por vezes, sintomas urinários.

  • As mulheres podem ter uma secreção amarelo-esverdeada, espumosa, com odor de peixe, apresentando irritação e assadura da área genital.

  • Os homens não costumam ter sintomas, mas alguns têm uma secreção espumosa do pênis e leve dor ou desconforto durante a micção.

  • O exame de uma amostra da secreção ao microscópio geralmente possibilita aos médicos identificarem tricomoníase.

  • Uma única dose de antibiótico cura a maioria das mulheres, mas a maioria dos homens precisa tomar antibióticos durante cinco a sete dias.

A Trichomonas vaginalis comumente causa doença sexualmente transmissível (DST) da vagina nas mulheres e uma DST do trato urinário nos homens e nas mulheres. As mulheres são mais propensas a apresentar sintomas. Cerca de 20% das mulheres desenvolvem tricomoníase vaginal (vaginite por tricomonas) durante seus anos férteis.

Muitas pessoas com tricomoníase também apresentam gonorreia ou outras DSTs.

Sintomas

Nas mulheres, a infecção geralmente começa com uma secreção vaginal de cor amarelo-esverdeada, espumosa, com odor de peixe. Em algumas mulheres, a secreção é discreta. A área genital pode ficar irritada e dolorida e pode haver dor durante as relações sexuais. Em casos graves, a área genital e a pele circundante podem ficar inflamadas e os tecidos ao redor da abertura da vagina (lábios) podem ficar inchados. A urinação pode também ser dolorida ou frequente, como ocorre com a infecção da bexiga. Os sintomas urinários e vaginais podem ocorrer sozinhos ou juntos.

A maioria dos homens com tricomoníase da uretra (o tubo que leva a urina da bexiga para fora do corpo) não tem sintomas ou somente sintomas leves, mas eles ainda podem infectar seus parceiros sexuais. Alguns homens têm uma secreção espumosa saindo do pênis, dor durante a micção e urgência de urinar com frequência.

Você sabia que...

  • A maioria dos homens com tricomoníase não apresenta sintomas, mas ainda pode infectar suas parceiras sexuais.

Diagnóstico

  • Exame e às vezes cultura de uma amostra da secreção ou de urina

Médicos suspeitam de tricomoníase nas seguintes pessoas:

O organismo é mais difícil de detectar nos homens do que nas mulheres. Nas mulheres, o diagnóstico pode geralmente ser feito rapidamente ao examinar uma amostra da secreção vaginal ao microscópio e identificar o organismo. Se os resultados forem incertos, é feita a cultura da amostra durante vários dias. Nos homens, a amostra da secreção da parte distal do pênis (obtida pela manhã, antes da primeira urina) pode ser examinada ao microscópio e enviada ao laboratório para sua cultura. Alternativamente, os médicos às vezes realizam testes para identificar o material genético específico do organismo (DNA ou RNA). Às vezes, são usadas técnicas que aumentam a quantidade de material genético bacteriano. Esses testes são chamados testes de amplificação do ácido nucleico (nucleic acid amplification tests, NAATS). Essas técnicas facilitam a detecção do organismo.

Ocasionalmente, o exame microscópico da urina detecta Trichomonas, mas a identificação é mais provável se for feita a cultura da urina.

Os testes para outras DSTs também são geralmente feitos, porque muitas pessoas com tricomoníase também têm gonorreia ou infecção por clamídia.

Prevenção

As seguintes medidas gerais podem ajudar na prevenção de tricomoníase (e outras DSTs):

  • Evitar práticas sexuais inseguras, tais como trocar de parceiros sexuais com frequência ou ter relações sexuais com prostitutas ou parceiros que possuem outros parceiros sexuais

  • Diagnóstico e tratamento imediatos da infecção (para impedir a transmissão para outras pessoas)

  • Identificação dos contatos sexuais de pessoas infectadas, seguida de aconselhamento ou tratamento desses contatos

Não praticar sexo (anal, vaginal ou oral) é a maneira mais confiável de prevenir DSTs, mas normalmente fora da realidade.

Tratamento

  • O antibiótico metronidazol ou tinidazol

  • Tratamento simultâneo de parceiros sexuais

Uma dose única de metronidazol ou tinidazol (que são antibióticos), tomada por via oral, cura até 95% das mulheres infectadas. Porém, seus parceiros sexuais devem ser tratados simultaneamente ou as mulheres podem ser reinfectadas. Às vezes, se for improvável que o parceiro de uma mulher volte para um acompanhamento, a mulher recebe medicamentos ou uma prescrição para entregar ao seu parceiro sexual (chamado tratamento imediato do parceiro).

Metronidazol tem efeitos colaterais. Se for tomado com álcool, o metronidazol pode causar enjoos e vermelhidão da pele. O medicamento também pode causar de um sabor metálico na boca, enjoos ou uma diminuição no número de glóbulos brancos do sangue. As mulheres que tomam o medicamento podem ser mais suscetíveis a infecções vaginais por leveduras (candidíase vaginal).

As pessoas infectadas devem se abster de relações sexuais até a infecção estar curada ou elas podem reinfectar seus parceiros sexuais.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS